Popular Post

Posted by : Euphimea quarta-feira, 4 de julho de 2012


Eu e minha amigas saímos com aqueles "galalaus", pois o mais baixo era Andrew com 1.70m, mas ele não era da escola, então seria o Nathaniel e o mais alto era o Lysandre com 1.82m. Fomos lanchar no Marvin, um lugar que serve hamburgueres iguais aos americanos aqueles enormes.
Os garçons uniram nossos mesas e mal sentei ao lado da Jenna, quando Nat e Castiel pegaram a mesma cadeira do meu lado começando a brigar.
- Eu vou sentar do lado da Euphi! - começou Nat.
- Eu é que vou!
- Não eu, pois é de mim que ela gosta!
- Ah é, um babaca igual a você que fez ela chorar!
Com isso chamou a atenção de todo mundo. Eu suspirei virei-me para a Jê e disse:
- Você se importa de pula uma cadeira?
- Claro que não. - respondeu saindo e eu disse:
- Pronto meninos, um fica de um lado e outro do outro. - quanto Nat foi sentar entre mim e Jê falei: - Do outro lado Nathaniel-senpai, quem vai sentar aí é o Castiel-kun. Ele obedeceu puxando a cadeira com força e Castiel sentou ainda encarando-o. Jê ficou corada afinal seu amore estava do seu lado. Então ficou assim:



Começa pelo ponto vermelho que é o Castiel seguindo pela direita: Castiel, eu, Nathaniel, Linda, Lysandre, Anny, Andrew, Aikkaa, Eliéser, Carol, Alex, Kelly, Charlie, Tati, Armin e Jennaah.
Estava todo mundo feliz tentando se divertir, mas volta e meia nos preocupávamos com Nicolas. Ouvimos Lysandre falar com Nat que amanhã eles iriam treinar, pois agora mudaram de baterista. Jenna estava muito corada, eu pensei que ela iria morre ali. Então Castiel resolveu falar com ela:
- E então... Jennaah né?
- É-é sim, Castiel-kun.
- Você é amiga de Euphi-kun a quanto tempo?
- Desde que chegamos aqui. Dividimos o mesmo quarto.
- Legal. - respondeu dando um gole na Coca-Cola e virando ao ver Nathaniel colocar o braço no encosto da minha cadeira e com a outra mão tocou na minha.
- Olha Euphimea-kun eu quero lhe pedir desculpas. Vou falar com a minha irmã, tá bom?
- Bem... não sei se só falar vai resolver. - ele pegou a minha mão e beijou deixando-me corada olhando-me com aqueles olhos "sedutos" como diz a Anny. Então senti uma aura negra de hostilidade do meu lado. Quando viro... a cara de ciúmes do Castiel foi ótima. Ele lançou um olhar para o Nathaniel dizendo: " Faça isso na minha frente de novo que sua cara vai conhecer o meu punho."  Tirei a mão dele e tentei acalmar o Castiel:
- Algo errado?
- Claro que não! - exclamou corando e virando a cara. A Jê apenas olhava para ele querendo ter mais atitude, mesmo com os conselhos de Candy não resolveu nada. 
Depois de lancharmos os meninos nos acompanharam para o prédio. A mala das novatas foram levadas por alguns garotos assim que acabaram as aulas e deixadas no hall, pois elas tinham que ajudar o clube. Nós as meninas já um pouco antigas ajudamo-as a subir com as coisas. O ruim foi levar as coisas de Carol, pois era muita bagagem, parecia que trouxer o guarda-roupas inteiro!
Depois de tudo arrumado eu como de costume coloquei a mão no bolso para pegar o celular e colocar em cima do criado mudo, mas não estava com ele. Entrei em pânico. Pedi a ajuda para a Jê para procurármos ele. Virei o apê de cabeça para baixo e nada. Como peguei um folheto do Marvin liguei para ele  perguntando se eu o esqueci lá e eles falaram que não.
Fiquei muito triste, pois eu tinha que responder o Jade todas as manhãs. Então me ocorreu de ter esquecido na escola. Esperei a Jê dormir para não deixá-la preocupada. Esta demorou a pegar no sono já era uma meia-noite quando isso aconteceu. Eu tinha colocado meu pijama, mas troquei por um vestido que era mais rápido de vestir e sai sem fazer barulho. Eu iria entrar naquela escola de qualquer jeito.
Cheguei lá, tudo fechado. Segurei na grade sacudindo-a para ter certeza se estava trancada mesmo.
- Aff... eu tenho que entrar de qualquer maneira! - lamentei-me encostando a testa e de repente a minha cabeça passou entre as grades me assustando. - Ôh! Será que eu passo? - então virei meu corpo de lado e por pouco não fico entalada. Depois que passei cai no chão por não ter levantado a outra perna o suficiente. Sai correndo feito doida para o corredor. Tenho quase certeza que o deixei no armário. 
Abri-o rapidamente e não deu outra, meu cel estava lá! Foi na hora de guardar o dinheiro, os meninos me gritando para ir logo, pois estavam morrendo de fome e eu o esqueci lá. Fiquei tão aliviada.
Então de repente senti alguém atrás de mim. Virei-me e não vi ninguém. Eu hein, que estanho. 
Logo vi Chantilly voando na minha direção esbaforida:
- Euphi-chan sua doida! Eu estava lhe procurando!
- Não queria lhe acordar...estava preocupada com o meu celular e vim pegá-lo. 
- Ah... era só isso?
- Como só isso?! Tenho que responder o Jade, você esqueceu?
- É mesmo. - fez uma careta de esquecimento. Então fomos embora, mas parei porque senti alguém parado atrás de mim. Virei-me com o coração acelerado. Vi um rapaz muito alto, de longos cabelos castanhos e olhos vermelhos sangue e suas roupas era algo do século XIX. 
- U-um... vampiro! - exclamou Chantilly ao reconhecê-lo.
- Quê! - exclamei saindo correndo esbaforida. 
- Ei, espere! - pediu ele quase como se estivesse implorando. Eu não parei nem por um decreto, tentei correr mais que meus pés e com isso acabei caindo no chão.
- Vamos Euphi-chan! Isso não é hora de cair! - exclamou minha fada puxando a gola do meu vestido em vão. Eu ralei o joelho direito que começou a arder e a sangrar. Levantei-me com dificuldades, tentei continuar mancando, mas doia muito. 
O vampiro com sua habilidade de se movimentar rápidamente, apareceu na minha frente me impedindo de passar pela grade. Eu só estava a meio metro. Pegou-me no colo e levou-me de volta para o colégio. 
- Chantilly! Socorro! - choraminguei e ela voou na frente do rosto dele enfiando suas duas mãos no seu olho esquerdo.
- Ai! - exclamou levando uma das mãos no olho. Com isso o fez me soltar quase caio de novo. Consegui me livrar dele e mancando voltei o portão. Então ele agarrou meu tornozelo derrumando-me no chão de novo. 
- Calma. - pediu ele gentilmente ficando por cima de mim segurando meus braços, pois comecei a me debater loucamente. Seu olho já havia melhorado e eles se encontraram os meus. Eu estava em pânico! Meu coração iria saltar pela boca. Chantilly mordia ele na orelha, no rosto e com um tapa a acertou fazendo-a cair demaiada no chão.
- Chantilly! - gritei preocupada
 - Desculpe... - foi o que ele pediu com um olhar de tristesa. - Eu não queria que chegasse a esse ponto. 
- Você quer o meu sangue? 
- Sim... eu iria lhe pedi... mas você não deixou eu lhe falar nada. Saiu correndo feito louca. 
- Olha... você é o caçador e eu a presa, ok? Conseguiu me pegar então porque estamos tendo essa conversa.  Então ele se levantou saindo de cima de mim soltando-me. 
- Pode ir. - respondeu virando-se e andando em direção ao corredor. Seus olhos tristes me deixaram curiosa. Peguei Chantilly que resmungou um pouco nas minhas mãos em forma de concha.
- Você está bem?
- Estou. - disse ela tentando se levantar e desistindo. - Preciso dormir para me recuperar. - e assim caiu desfalecida.  
- Ei, você! - chamei o vampiro. - Espere. - pedi. Ele ao se virar já estava na minha frente em um piscar de olhos. 
- Aaaahhh! Não me assuste desse jeito!
- Desculpe. - pediu ele abaixando os olhos. 
- Por que você é tão triste? - indaguei curiosa. 
- Responderei se você me deixar carregá-la para cuidar do seu joelho. 
- Ah! Então era isso?! - exclamei surpresa. - Tudo bem então. - disse relutante. Será que eu deveria confiar naquela criatura? Ele me pegou no colo deixando-me corada e me carregou até os armários. De repente uma luz azul se abriu no meio do caminha fazendo-me arrepender de o ter deixado me levar.
Quando atravessamos aquele porta eu não estava mais na escola. Era um lugar, escuro, frio e mórbido. Um cemitério. Ele levou-me para o seu castelo. Deixou-me sentada numa cadeira e saiu. Coloquei Chantilly deitada no meu colo e fiquei com pena dela.
- Oi. - disse alguém.
- Q-quem é? - indaguei gaguejando com muito medo.
- Sou eu. - disse um morcego preto aparecendo voando.
- Aaaaaahhhhhhh! Um morcego! Que nojo! Sai de perto de mim! - gritava balançado a mão no ar querendo acertá-lo.
- Nossa! Como você é mal educada.
- Ai meu Deus! O morcego está falando comigo.
- Sim! - sorriu. - Eu sou o Noir!
- Olá Noir. - disse me arrepiando toda.
- Você veio fazer companhia para o Dimitry?
- Dimitry? O vampiro?
- É isso mesmo! Ele vive aqui sozinho a muito e muito tempo!
- Imagino... é um ser imortal. Eu... só estou aqui porque vim pegar meu celular no colégio.
- Celular? O que é isso?
Peguei o celular que estava dentro do meu bolso e mostrei pra ele que ficou admirado. Mostrei para ele como se usava. Então começou a me contar a história do vampiro.
- Nossa que triste. Então ele amava muito essa Mary.
- Sim. - respondeu Dimitry aparecendo no alto da escada com um pratinho na mão. Era de louça com detalhes em ouro. - Isso é uma erva medicinal pra o seu joelho.
- Ôh, não precisava! - exclamei sem graça. - Era só ir na enfermaria do meu colégio e passar Merthiolate. - ele ignorou o que eu disse e passou a pasta verde. Ardeu um pouco, mas era refrescante. - Então é tudo muito bem, está tudo muito bom e eu vou para casa, ok? - indaguei me levantando pegando a Chantilly com a mão afrouxada e ele pediu com a voz melancólica.
- Fique mais um pouco, por favor. - ao olhar para a carinha dele de dor eu não resistir sentando novamente na cadeira. Não havia reparado antes, mas ele era tão bonito.
- Noir me disse que você só se alimenta de sangue de animais não é mesmo?
- Sim... nesse lugar não existe animais maiores, apenas pequenos e eles não me dão a energia que necessito. Então eu senti o seu cheiro... que é tão bom... e atravessei o portal para o seu mundo. Queria conversar com você, mas saiu correndo.
- Sei... entendo. E esse portal sempre fica aberto?
- Não. Ele abre meia-noite no seu mundo e fecha as 6hs da manhã. Como as pessoas desse lugar morreram da Peste Negra, não seria muito bom de você ficar mais tempo aqui.
- Claro. Então me leve de volta. - no mesmo instante Dimitry me pegou no colo e atravessou comigo o portal. E eu indaguei: - Se por um acaso... eu fosse morde por você, eu viraria vampira?
- Não. Só se você beber do sangue de um vampiro. - respondeu colocando no chão perto do portão.
- Olha... peço desculpa por tudo antes, tá bom? Você foi muito gentil comigo...
- Volta amanhã? - indagou-me me interrompendo.
- Ah! Claro! Talvez até trago umas amigas se elas tiverem coragem de vir...
- Que ótimo! - sorriu, tão lindinho! - Fico muito feliz e... não me disse o seu nome.
- É Euphimea! Mas pode me chamar de Euphi-kun se quiser.
- Tudo bem... Euphi-chan. - bom eu não falei nada. Chantilly acordou sobressaltada e levantou voo.
- Euphi-chan! Não fique aí parada! Ele vai te pegar!
- Acho que já pegou. - respondi sem desviar os olhos dele. "Você não pode olhar nos olhos de um vampiro, se não ficará preso para sempre".  - Como você foi gentil comigo eu deixo tomar do meu sangue. - falei como se estivesse hipnotizada. Dimitry sorriu gentilmente.

 Ele não pensou duas vezes e me agarrou puxando-me para perto de si sussurrando em meu ouvido deixando-me corada:
- Pode doer um pouco... - em seguida gravou os caninos um pouco abaixo da minha orelha, por causa do meu vestido que a gola era alta. A dor era mais intensa do que uma injeção e queimava, impossível de me mover. Eu o abracei de volta e fechei os olhos esperando ele terminar. Soltou a mão do meu cabelo e tirou algo do bolso soltando de mim colocando o lenço rendado imediatamente na boca escondendo o sangue. Eu toquei no meu pescoço e tirei a mão olhando para ela encharcada de sangue. Dimitry pegou o lenço , limpou minha mão e meu pescoço. Eu estava petrificada de pavor.
- Perdoe-me Euphi. - pediu corando. - Sei que isso é horrível, mas...
- N-não precisa de desculpar. - falei voltando a mim. Cambaleei um pouco e ele logo me segurou para não cair. Suava frio e meu coração parecia que ia explodir.
- Eu te levo de volta. - ofereceu e me abraçou. Chantilly se escondeu debaixo dos meus cabelos. Por causa de meu sangue Dimitry sabia onde eu morava e levou-me teletransportando. Pegou-me no colo e colocou-me na cama. Cobriu-me com um cobertor, pois eu tremia muito pavor. Ele agachou e disse sussurrando:
- Você vai ficar bem... isso é normal.
- Não precisa se preocupar comigo Dimitry.
- Durma com os anjos. - beijou minha testa e desapareceu.
No dia seguinte acordei com a Jenna pulando na minha cama e gritando feito louco:
- É hoje Euphi! É hoje que o Castiel vai tocar!
- Hã? Sim claro. - indaguei sonolenta.
- Eu nem consegui dormir direito de ansiedade! Você saiu ontem? - assustei-me quando ela perguntou isso.
- Você não estava dormindo?
- Mais ou menos! Eu acordei e você não se encontrava no quarto. Depois de um tempo lhe vi dormindo.
- Fui até o colégio pegar meu celular.
- E ele estava lá?
- Estava dentro do meu armário, eu o esqueci lá.
- Então levanta logo para a gente lanchar e comprar "roupitas" nova pra o show! - exclamou puxando meu cobertor para o lado e de repente gritou. - Aaaaaaahhhhh! O que é isso Euphi?!
- I-isso o quê? - indaguei assustada.
- A gola do seu vestido está toda suja de sangue!
- Está? - indaguei colocando a mão no meu pescoço e sentindo as casquinhas dos furinhos. Então não foi um sonho. Levantei-me rápido e fui para o banheiro olhar no espelho com Jenna colada atrás de mim. Era verdade! Lá estava os furos arroxeado em volta e doia. Parecia que eu tinha levado um mega chupão no pescoço, aliás parecia não, eu levei um chupão de Dimitry!  Se bem que como movimentava os lábios sugando deveria ficar roxo mesmo. Acho que não foi intencional.
- Isso aí é um chupão? - indagou Jenna com um sorriso malicioso na cara. - Quem lhe deu? Nathaniel é?
- Foi um vampiro. - falei.
- Sério?! - indagou curiosa. - Você o encontrou no colégio?
- Sim... Dimitry o nome dele.
- Aaaaaaaahhhhhhhh! - gritou ela de felicidade. - Apresenta, apresenta, apresenta! - exclamou eufórica me sacudindo pelos ombros.
- Tá bom! - respondi um pouco irritada. - Tenho que esconder esse roxo e no local que ele mordeu é impossível esconder com um lenço.
- Esconde com o seus cabelos. - puxei um pouco do meu cabelo para frente, mas dava para ver. - Ai amiga, não vai dar muito certo não. Acho que vou tentar disfarça um pouco com corretivo.
Abri a gaveta do banheiro, peguei minha malinha de maquiagem e passei o corretivo. Escondeu um pouco, mas dava para ver a sombra. - Vou tomar banho Jê esse cheiro de sangue está me enjoando.
- Tá bom. - sorriu ela saindo do banheiro e fui fechar a porta.
"Eu estava desnorteada. Bateu um arrependimento de ter dado o meu sangue para o Dimitry. Eu e a minha mania de ajudar os outros. Mas ele era tão triste. Parecia que sofria tanto". - pensava eu enquanto eu tomava banho. Enrolei-me na toalha, esfreguei o gola do meu vestido no chuveiro passando sabão com água quente. O sangue saiu, mas ficou levemente marcado, precisaria ir para a lavanderia e deixá-lo de molho. Se bem que agora parecia ketchup. Sai para escolher uma roupa. Peguei uma blusa de gola role e uma calça jeans. Jennaah foi tomar o banho dela e eu passava o corretivo enfrente ao espelho no armário. Cobri com o cabelo e deu para disfarça um pouco.
Alguém bateu na porta e fui atender. Era Anny e Kelly já vestidas para sair com suas fadas.
- Bom dia Euphi-chan! - falaram ambas.
- Bom dia meninas. - cumprimentei sem graça.
- O que é isso Euphi? - indagou Anny levantando o meu cabelo. - Um chupão? - fiquei corada. Então dava para ver.
- Parece que sim. - disse muito sem graça. Anny me empurrou para dentro do quarto fazendo cara de safada. - Feche a porta Kelly. - pedi. Ela fechou e Anny me encostou na parede.
- Diga-me quem foi o "safadenho" que fez isso no seu pescoço? Nathaniel ou Castiel? 
- Nenhum nem o outro...
- Ôh! Então foi o Jade! Que sensual!
- Dimitry o nome dele. - falou a Jenna saindo do banheiro já sabendo da conversa.
- O quê?! - exclamou ambas espantadas. - Agora tem outro?! - indagou Anny.
- Nossa! Agora são 4 Euphi! Deixa um pra gente! - exclamou Kelly de brincadeira.
- Se você der em cima do Ly eu lhe afogo na privada! - ameaçou ela brincando. - Se bem que melhor afogar a Ambre.
- Deixa eu falar, por favor! - pedi aumentando um pouco minha voz. Chantilly acordou e veio falar comigo brigando: 
- Sua doida! Como você deixa um vampiro lhe morder?
- Um vampiro! - exclamaram ambas boquiabertas. 
- Onde tem um vampiro? Eu sempre quis conhecer um! - exclamou Anny eufórica igual a Jê. 
- Eu também quero conhecê-lo! - pediu Kelly alegremente.
- Ele vive em um mundo paralelo o nosso. O portal se abre meia-noite no colégio.
- E o que você foi fazer lá a essa hora sua safada?! - indagou Anny.
- Pegar meu celular que esqueci... Ôh! O torpedo do Jade. - corri para o criado mudo e lá estava a mensagem dele: " Oi minha flor! Bom dia meu raio de sol! Mais um dia que eu não poderei lhe ver, mas não fique triste, pois tenho você no meu coração e pensamentos. Eu te amo".
- Acho que eu vou chorar! - emocionou-se Kelly.
- Ah, fica com o Jade! Ele é tão fofo! - opinou a Anny.
- Acho que sim. - disse corando e respondendo para ele. - " Bom dia meu lindo. É mais um dia. Não estou triste, apenas lhe aguardando. Também de amo". 
- Ôh, que lindo! - exclamou a Jê. Ela já estava pronta e eu fui pegar um cachecol. Contei tudo para as meninas eu ficaram boquiabertas e loucas para conhecer o Dimitry. Fomos tomar o café da manhã e lá encontramos as novatas.
- Vamos passear no shop! E fazem compras! - exclamou Anny eufórica. 
- Sim! - concordamos. O dia seria especial. Iriamos ver os meninos tocarem e precisávamos ficar lindas.  
Fomos para o shopping era pequeno se comparar com os de Tóquio, mas haviam lojas de grife. Carol e Tati tinham condições de comprar nessas lojas. Se a banda era de roqueiros então deveríamos nos vestir assim. Entrei em uma loja que o vendedor era uma gato. Cabelos repicados e olhos negros atendia pelo nome de Leigh. As meninas foram ver o que eu iria comprar e ao vê-lo resolveram ficar na loja mesmo não sendo de grife. 
- Bom dia meninas o que desejam? 
- Estamos procurando uma roupa para o um show de rock. - falei abrindo o jogo.
- Ah, sim. Acompanha-me que eu tenho a coisa certa para cada uma de vocês. 
Deu o vestido para cada uma e quando saímos do provador o resultado foi esse:    


      
 Antes que me perguntem, sim são as meninas do K-on! E a Miku. Essa música do vídeo sempre me lembra vampiros.
    O CAPÍTULO DO SHOW TALVEZ DEMORE UM POUCO, POIS AMANHÃ TEREI QUE FAZER UM MONTE DE COISA. E TAMBÉM VOU FAZER UM VÍDEO, ISSO SE O MEU MOVIE MAKER FUNCIONAR.
PEÇO PACIÊNCIA.

{ 10 comentários... read them below or Comment }

  1. Correção no texto, o celular não estava no sutiã e sim no bolso. Pois depois que eu fiz a foto que vi que era impossível dela pegar o celular.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e vc q faz as fotos pra sua fic? como a faz porfavor me de uma dica! bella363h

      Excluir
  2. adorei o ep 11, euphi levou um chupão do dimitri, ahahaha safadenha U.U

    ResponderExcluir
  3. aaaaaaaaaa to ansiosa pro show, tomara que a Ambre não vá. U.U

    ResponderExcluir
  4. amei ! estou ansiosa pelo prosimo!!!

    ResponderExcluir
  5. muito bom esse episódio, e as meninas ficaram super lindas com aquelas roupas!

    ResponderExcluir

Por favor não me cobrem quando irei postar.
E por favor respeitem as opiniões e não comentem coisas que podem ser construtivas, pois elas soam como critica.
Obs: Essa ideia é protegida pela lei 9610 de 19/02/1998, qualquer cópia ou rescrição da mesma como plágio, repete a punição conforme consta em lei.
Ou seja, eu sou a criadora, eu sou a única dona.

- Copyright © Amour Glacé - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -