Popular Post

Posted by : Euphimea terça-feira, 10 de julho de 2012

ATENÇÃO *SPOILER*

Antes de começar o capítulo gostaria de alguns minutos da atenção de vocês, pois irei explicar algumas coisas antes que joguem pedras em mim e me rotulem de alguma coisa. ^^ Obrigada.

1. Ninguém é corno.
2. Minha fic é baseada no mangá Fushigi Yuugi da Yuui Watase. ( Melhor mangá na minha opinião! O anime é um lixo)
3. Para quem conhece vá pra o número 4 e quem não conhece leia o resumo abaixo:
Miaka e Yuki são melhores amigas de infância. Um dia elas foram estudar na biblioteca e Miaka viu uma pássaro vermelho voando e então o seguiu para uma sala reservada (anime) (no mangá elas fogem e se escondem por causa de um terremoto) . Lá encontram um livro que as levam para a China Antiga, na verdade o livro é um jogo que o objetivo é se tornar uma sacerdotisa, encontrar 7 guardiões e chamar um deus para realizar os desejos delas. Quando chegam lá elas seriam sequestras por mercadores de gente pra serem vendidas como escravas sexuais e então são salvas por um rapaz de nome Tamahome. Ambas se apaixonam por ele e voltam para o mundo delas. 
Depois de uma briga com a mãe, Miaka foge de casa e se enfia na biblioteca. Abre o livro e começa a ler. Para a sua surpresa tudo o que aconteceu estava narrado no livro e novamente ela atravessa o portal e vai para o outro mundo. Lá depois de um monte de confusões ela reencontra seu amado Tamahome que no inicio não gostava dela. O Imperador Hotohori que sempre amou a sacerdotisa (virgem) do deus pássaro vermelho ( Suzako, a fênix) que viria salvar seu povo, Nuriko que é um homem, mas se veste de mulher para lembrar da sua irmã gêmea, ama o Imperador (calma meninas) e no fim acaba amando  Miaka. 
Um dia Miaka se declara para Tamahome e este diz para ela que não pode correspondê-la. Então ela cai doente emocionalmente e precisa viajar até o "criador" para voltar para casa. 
Nessa viagem ela quase morre, mas consegue chegar no seu destino e então é mandada de volta para casa. Porém ela não sabia que sua amiga Yui, que foi procurá-la na biblioteca e lia o livro,  trocou de lugar com ela, mas ao invés de ser a sacerdotisa de Suzako e ela se torna de Shiryuu, o deus dragão azul e seu imperador é um tirano conquistador de povos. Yui quase foi violentada por bandidos e foi salva por Nakago, um guardião e general do exército. Que a envenena contra sua amiga, pois Miaka volta para o livro para procurar por ela e ao mesmo tempo tem saudades de Tamahome. Com a ausência dela, ele percebe que a ama, mas não quer admitir. Quando Miaka discobre que Yui está com o povo inimigo de Hotohori, ela e seus guardiões, Tamahome e Chichiri, vão salvá-la. Porém Yui ouve uma conversar deles dois e pensa que Miaka só voltou por causa dele, pois Nakago fez a cabeça dela. Então elas se tornam inimigas e Yui tenta roubar Tamahome. 
Tamahome como prisioneiro, ela faz ele tomar um remédio do esquecimento e com isso ele esquece de Miaka, mas a sua alma não. Por isso quando a ver partir ele chora e não sabe o porquê. 
Miaka encontra seus outros guardiões, o bandido Tasuki que no futuro também gosta dela, o médico Mitsukake e Chiriko que na verdade é um guardião de Shiryuu e seu nome é Amiboshi irmão gêmeo de Suboshi que no futuro também começa a gostar dela. Já o seu irmão gosta da Yui. E o verdeiro Chiriko aparece para livrá-los da morte, pois Amiboshi toca um flauta que faz explodir o cérebro. 
Quando Tamahome ficou prisioneiro, Hotohori fez de tudo para conquistar Miaka, mesmo sabendo que ela  não o amava. (Se isso for semelhante a Edward e Jacob Black é mera coincidência. ^^) Miaka vai lá de novo para salvá-lo, ela não sabia que ele havia perdido a memória, com Tasuki e Chichiri. Tamahome quebra o braço de Miaka com uma corrente (não é corrente, não lembro o nome da arma) e com isso Tasuki furioso luta contra ele e sai de lá todo quebrado. (Se isso for semelhante a Nathaniel e Castiel também é mera coincidência. U.U)
Resumindo tudo. Todo mundo quer tirar Miaka de Tamahome, mas no fim eles ficam juntos. 
4. Por que Ambre ama Castiel?
Ambre quando criança foi muito judiada por Nathaniel (que não era nenhum anjinho), puxava o cabelos dela e arrancava a cabeça da sua boneca. 
E foi consolada por Castiel que consertou sua boneca. Ele não é fofo? ^^
Então ela acabou se apaixonando por ele.
Como o Nathaniel fazia isso com ela, seus pais a mimaram  a transformando nesse demônio que é hoje.
5. Por que Castiel é rebelde?
Creio eu que seus pais são executivos ou empresários, como viajam muito ele tem que se virar sozinho. Então ele é assim para chamar a atenção, pois na verdade seu desejo é ser amado por alguém (que lindo!)
Aquilo que eu falei no capítulo "Confissões de um Roqueiro", é para ser usado no jogo. Você tem oportunidade de conquista-lo apenas nos 4 episódios, depois não terá mais como. Acredito eu que ele é um menino que precisa lhe conhecer melhor para ter confiança em você. E sempre precisa ser defendido.  
6. Escrevo minha fic conforme eu jógo:
No jogo eu vivo empatando  Nat e Casti (não tenho culpa) Quando prefiro Castiel, Nathaniel sempre faz algo para me reconquistar como no episódio 3. Ele diz: - Euphimea eu quase peguei o cachorro para você, mas ele fugiu dos meus braços. E eu respondo: Você é um menino muito ocupado, tente pegá-lo outra hora.
Ele gagueja e responde corado: E-eu não posso ficar correndo atrás dele o dia todo, desculpe.
E Castiel preocupado me perguntando se peguei o cachorro depois de me vender os biscoitos. Toda hora dou de cara com ele no corredor (versão francesa) quase não está no pátio. Pensa o susto que eu levo! 
Ai para conquistar o Castiel eu tenho que falar mau da Ambre na cara do Nathaniel para perder pontos com ele que diz assim:
- " Castiel deve ter feito sua cabeça para sair com ele para me dizer essas coisas estúpidas!"
- "Isso não tem nada haver com o Castiel, tá bom?!"- respondi.
E eu penso: Por que o Castiel entrou na conversa? Nós estávamos falando da Ambre e que o Ken foi embora por causa dela.  

Aqui está a prova que eu não estou mentindo. Os dois com 31 pontos! Então eu fico sem saída! Entenderam minha situação? Não passo óleo nenhum. Eu não sei o que é!
Por mais que eu maltrate o Nathaniel ele sempre me perdoa só pode! Eu quase não perco pontos com ele. 
Consegui fazer o Castiel falar da Ambre e ele chama ela de praga! Muito bom! 
Eu: Estou tendo problemas com a Ambre.
Ele: E o que você fez com relação a isso?
Eu: Tentei falar com o Nathaniel sobre ela, mas nem me ouviu.
Ele: O Nathaniel é cego, tem um amor fraternal por aquela praga.
Eu: Mas você poderia me ajudar com isso.
Ele: E o que você quer que eu diga? (Não acredito que estou tendo esse diálogo com ele! Tô tão feliz!)
Eu: Que você concorda comigo com relação a ela.
Ele: Tá bom. (Como é prestativo meu rebelde!)
Eu: Fiquei sabendo que ela quer sair com você.
Ele: Ha,ha, eu sei um pouco a respeito disso.
Eu: E você gosta dela?
Ele: Eu tenho que dizer que é uma praga ... Você acha que é o que eu digo para uma garota que eu gosto? 
Depois disso subiu de 31 para 37 disparado! Eba!
E se prepare para perder pontos com o Nathaniel no 4 episódio, foi por isso que eu deixei de gostar dele,  pois  fica defendo aquela lagartixa!
Como na vida real eu queria que vários homens me disputassem! Quem sabe esse jogo não me ensina algo?
E eu gosto muito da Jennaah, porque ela foi a primeira que me add no jogo.
Início do capítulo:
Ao abrir a porta nós demos de cara com a Aikka. Fiquei branca dela ter ouvido a conversa e Anny que não tem papas na lingua indagou:
- Você estava ouvindo atrás da porta? - Aikka corou e respondeu:
- Mais ou menos. As meninas viram que vocês não foram e eu resolvi voltar do elevador mesmo para saber o que aconteceu e então acabei ouvido a conversa sem querer. Anny a pegou pelo braço e a puxou para dentro do quarto falando:
- Entra logo que precisamos resolver isso.
- Desculpe meninas, foi sem querer mesmo. - insistiu ela sem graça.
- Não tem problemas. - falei abrindo um sorriso. Eu poderia abrir com todas, mas quero evitar criticas. Além do mais já tomei a minha decisão.
- Você é incrível amiga. - elogiou-me Aikka.
Então descemos e fomos jantar. Aquela noite eu teria que ir com a Anny para o colégio encontrar com o Dimitry. Jenna havia pego um lenço meu e enrolou no pescoço dela. Pedi para ela me mostrar e eu fiquei p... da vida , pois ele a mordeu mais embaixo, então deu para esconder numa boa o roxo dela. Depois me lembre que o meu vestido tinha gola alta, por isso deixei pra lá. Anny estava querendo que chegasse logo a hora, mas nada. Depois do jantar ela já foi me puxando para o colégio, pois preferiria esperar por lá. Eu estava com o intuito de ligar para o Jade e saber porque ele não tem tempo de me ver. E foi o que eu fiz. No meio da rua andando apressada com minha amiga agarrada no meu braço eu liguei para ele assim que parei em frente o portão do colégio.
Senti um frio na barriga e o meu coração disparou. Tive muito medo da reação dele. Deixei o celular tocar até cinco vezes e desliguei. Bom, ele deve está ocupado, vamos ver se ele retorna.
Já ia colocar o celular na bolsa quando tocou e vi que era ele. Fiquei corada, não acreditando que ele retornou:
- Atende menina! - gritou Anny comigo agoniada.
- A-alô. - atendi tremula gaguejando.
- E-euphi... você me ligou? - indagou também nervoso. "Não, confundi queria ligar para o pizzaria".
- Sim... Jade-kun... como você está? - eu o chamo de kun por intimidade, pois o correto é senpai.
- Estou bem e você...
- Também... - ficou aquela coisa estranha no ar. Antes de tirar conclusões precipitadas continuei: - Anda muito ocupado com a fazenda?
- Um pouco, mas também tenho a bôtanica da faculdade para cuidar. Por quê? Quer me ver? - indagou fazendo uma voz doce.
- É... porque aconteceu aquilo quando você foi embora e gostaria de saber se tem um tempinho pra me ver. - meu coração pulava e eu tremia muito.
- Hum... deixa eu ver aqui... - e fez silêncio. A Anny ficou me olhando e "aí", levantei a mão pedindo para ela esperar enquanto ouvi a respiração ofegante de Jade do outro lado. Então respondeu para o meu alívio: - Dá sim minha flor! Posso passar aí amanhã quando você for para o colégio. - meus olhos se enxeram d´água e abri um sorriso quando Anny fazia sinal de positivo com os dedos. Eu balancei a cabeça para ela que deu um grito de felicidade e eu fiz sinal de silêncio para ela. - Quem está contigo Euphi-chan? - perguntou um pouco enciumado e eu briquei com ele.
- Não precisa ter ciúme da Anny não Jade-kun. - eles riram e então ele disse:
- Ah que bom! E os meninos pararam de correr atrás de você? - eu gelei. Por que você tinha que perguntar logo isso Jade. E agora qual resposta você dá pra ele? Pense rápido.
- Bom... sabe como é, né Jade-kun? Continua aquela mesma disputa. - esperei a reação dele e como ele é um cara muito sorridente brincou:
- É  que você é muito linda! Eles têm tudo inveja por eu ter a minha florzinha! - acabei corando. E Anny agoniada grudou o ouvido do outro lado do telefone para ouvir a conversa.
- Então tá bom Jade-kun. - disse já avisando que precisava desligar.
- Ah, mais já! - exclamou ele brincando. - Já quer desligar? Estou achando que você não está com tanta saudade de mim! - eu corei de novo e sorrindo. Então expliquei:
- É que eu estou parada na rua, entendeu?
- Entendo. Pode ser periogo mesmo. Então tá bom minha flor do campo, pode desligar.
- Eu desligar primeiro?
- Sim... - sorriu. - Não vou desligar primeiro, pois quero ouvir o beijo de despedida. - eu rir também e falei:
- Tá bom... seu danadinho... um beijo.
- Outro nessa sua boca gostosa. - fez me corar muito.
- Tchau.
- Tchau. - A Anny começou a pular toda contente.
- Você vai ver o Jade! - eu também estava feliz. E de repente ela lembrou: - E o Nathaniel? E o Castiel?
- Aaaaahhhhhh! Garota! Para de me lembrar disso! Estou querendo esquecer desse problemas e você vem com uma coisa dessas!
- Desculpe amiga. - pediu com a voz um pouco chorosa. - Mas é algo a se pensar... agora que você é namorada oficial do Nathaniel. - falou o final fazendo uma voz de brincadeira.
Eu entrei em parafuso. Minha amiga ficou em pânico ao ver meus olhos em forma de espiral.
- Amiga, vive. Vive amiga. - pedia ela para eu me recuperar. Quando voltei a mim eu entrei em pânico!
- Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhh! O Jade vem me ver amanhã! Eu sou namorada oficial do Nathaniel! Socorro! Eu quero morrer! E eu também não sei a reação do Castiel se o vê-lo! Aaaahhhhhh! Alguém pode me dar uma solução por favor! - gritava e puxava os cabelos em desespero.
- Amiga calma. - pediu Anny me chacoalhando os ombros. Tentei me acalmar. Meu coração parecia que iria explodir. Eu queria chorar e me esconder dentro de uma caverna para nunca mais ser achada. Ou fazer o que sei de melhor, ser sonsa. Então de repentei fiquei mas tranquila virando-me para ela:
- Já está tudo resolvido. - Anny não entendeu nada. - Eu não tenho culpa de nada. - eu falei com uma voz tão calma e os olhos arregados que ela achou que eu tinha surtado.
- Euphi... ei! - chamou ela passando as mãos na frente dos nos meus olhos e eu pisquei olhando-a, dizendo com a voz super calma.
- Nada não amiga. Vamos entrar. - ela não entendeu nada ao ver-me andando para o portão. - Estou muito bem.
- Você surtou foi?
- Não. - respondi super tranquila. Ela estava preocupada e assustada.
- Como você conseguei ficar tranquila assim de repente enquanto o mundo desaba a sua volta?
- Não sei.  Acho que é um modo de fuga do meu cérebro para resolver problemas. - respondi entregando a bolsa para ela para poder passar pela grade. Ficou segurando enquanto eu ia lá na sala dos representantes pegar a chave e voltar correndo quando vi a luz azul. Hã? Já é meia noite? - estranhei pois não demorei tanto assim falando com o Jade. Então vi Dimitry saindo pelo portal.
- Oi Euphi-chan. - cumprimentou-me bem perto. Continuei olhando para a cara dele confusa, não podia pegar o celular porque estava dentro da bolsa. Será que o meu surto demorou tanto assim?
- Já é meia noite? - indaguei sem o cumprimentar. Ele sorriu e pegou o relógio de bolso me mostrando a hora. Ainda eram 22hrs. - Como?! Se o portal só abre meia noite.
- Estudei o portal e descobri que posso vir antes. - respondeu-me. - Está ligado a esse relógio. Lá no cémiteiro coloquei o relógio para funcionar, ele marcava meia noite e quando ligou o portal abriu.
- Não estou entendendo nada. Acompanha-me por favor antes que a Anny grite alguma besteira. - pedi. Ele veio andando comigo e quando ela o viu também estranhou.
- Quando passei para cá o relógio mudou para a hora daqui.
- Hum... então a explicação é que esse relógio deve ser mágico e controla o portal. - abri o portão pra ela entrar dizendo o porque de Dimitry está mais cedo e depois tranquei-o.
- Nossa que legal! Então não precisamos vir a aqui a noite tão tarde.
- Ainda não testei o relógio. - já explicou para ela eliminando qualquer hipótese.
- O que importa é que vamos acabar logo com isso. - falou ela afastando o cabelo para o lado e oferecendo o pescoço.
- Anny... - falou ele sendo gentil. - Eu gostaria de conversar contigo primeiro. Já sendo um vampiro é algo abominável e ir lhe atacando assim, me faz sentir um monstro.
- Ôh! Que meigo! - exclamou a Anny fazendo voz fofa.
- Vou deixá-los conversando. - falei saindo de perto e sentando num banco para refletir.
Eu estava em pânico com relação ao Jade, mas o que eu poderia fazer? Deixar as coisas rolarem se a bomba explodir, explodiu? Afinal eu não queria namorar ninguém mesmo. Mas algo de muito estranho aconteceu. Sentir uma dor violenta no coração só de pensar em perder o Jade. E desparava com relação ao Castiel. Mas com Nathaniel não sentia nada. Talvez  a paixão que eu tinha por ele foi transferida para o Castiel. "Eu tenho que parar de pensar nos meus problemas e ajudar as minhas amigas". - pensei de repente. Tenho que evitar Castiel custe o que custar, para que ele me esqueça e fique com a Jê e ajudar a Anny se aquela Mike Jagger de saia resolver fazer alguma coisa com Lysandre. Também tenho que contar a verdade para o Jade, acho que me escorregando para os lados e fingir que não é nada estarei os traindo. O mesmo é o Nathaniel. Tenho que dizer para ele que eu não quero namorá-lo, pois amo o Jade.
Quando me toquei, Anny já estava sendo mordida por Dimitry. Com isso me levantei, fui devolver a chave e passar pelo portão, pois já sei que ele vai levá-la para o seu quarto.

 Dia seguinte, segunda-feira, não consegui dormi direito por conta dos problemas explodirem na minha mão. É hoje que minha batata vai assar. Depois de eu e Jê já prontas para o colégio fomos indo, pois iriamos encontrar as meninas no colégio. De longe vi um rapaz alto, em pé encostado no muro de braços e pernas cruzadas. Seus cabelos verdes já me dizia quem era e dessa vez estava sem boina.
- É o Jade-senpai! - exclamou a Jê que já sabia que ele viria me ver. Senti borboletas no estômago e meu coração disparou. Não sei o que aconteceu, mas ao ver o seu rosto o achei mais bonito. Parecia que estava iluminado. Seus olhos estavam tão verdes que quase eram azuis a luz do sol. Jenna despediu seguindo pelo portão e eu parei em frente a ele corando. Então ambos sem dizer nada se abraçaram bem forte. Lágrimas começaram a rolar no meu rosto mesmo  sem vontade. "Que saudade!" - pensava eu aliviada. Queria ficar ali para sempre. Queria poder parar o tempo. Queria que tudo em volta acabasse. Esqueci de Nathaniel e Castiel naquele momento, pois eu estava com o Jade... aquele que eu amava. Então ele quebrou o silêncio dizendo com a voz doce numa emoção chorosa:
- Que saudade do meu raio de sol.
- Eu também. - respondi feliz afastando-me olhando para ele. Seus olhos estavam cheio de lágrimas e que me dizendo que ele segurava o choro. Ele passou a mão no meu rosto e se inclinou para me beijar e eu deixei fechando os olhos simplemente, ignorando qualquer coisa. Depois do beijo ele disse sorrindo:
- Seu coração ainda é meu?
- Sim... é todo seu. - respondi sorrindo também. E então de repente fiquei mal fechando os olhos. Comecei a tremer e respirei fundo, pois havia me lembrado que eu precisava contar a verdade para ele. Senti uma especie de vertigem e cambaleei para trás o deixando preocupando e segurando-me com força num abraço:
- O que foi meu amor? - eu tremia tanto, mais tanto só de pensar em pedê-lo e com a voz chorosa eu soltei:
- Não quero perde você!
- Você não vai me perder. - falou confuso. - Tudo bem que ando ocupado, mas não teve um dia que eu não deixei de pensar em você. - eu balancei a cabeça negando e afastando o rosto do sei peito e olhando para ele.
- Não é isso... é que... eu ...
- Está namorando comigo. - respondeu uma voz atrás dele. Viramo-nos e Nathaniel estava parado de braços cruzados e muito sério. Logo atrás Castiel parado encostado no muro apenas nos encarava.
 Jade olhou pra mim sério e confuso. Eu olhei para ele com cara de súplica. Achei que ele ria brigar comigo e indagou:
- Explique-se Euphimea? - ixi falou o meu nome todo. Então nos afastamos e eu comecei a dizer:
- Vou lhe dizer a verdade somente a verdade. Ele me apresentou para o pais dele como sua namorada oficial.
- E por que você não falou nada? - indagou Nathaniel bravo.
- Porque eu não podia lhe desmentir na frente dos seus pais. - respondi olhando para ele.
- E depois... por que não falou nada também?
- Você queria que eu queima-se a sua imagem na frente de todo mundo. - defendi-me. - Todos vocês não me dão tempo para escolher! Para decidir! Perguntaram-me se eu queria namorar com vocês? - eu estava de costa para o Jade e olhava pra o Castiel e o Nathaniel.-  Ou se realmente pensaram em mim? Chegaram a pedir a minha opinião?! Só o Jade-senpai me perguntou se eu gostaria de sair com ele! - Castiel entrando no colégio:
- Estou fora dessa história.
- Então você aceitaria numa boa que nosso relacionamento terminasse aqui?! - apelou Nathaniel.
- Sim. - respondi sem dor na consiência nem nada. Ele ficou chocado e vermelho de raiva. Entrou para o colégio furioso. Virei-me para o Jade e esperei o que ele iria me dizer. Simplesmente me abraçou forte pedindo desculpas por sua ausência. Deu-me o último beijo e disse que precisava ir embora.
- Que bom que vocês se acertaram! - comemorou Chantilly emocionada.
- Só para você ficar com o Cream, né espertinha!
- Euphi! - ficou corada.
- Agora preciso domar duas feras que estão lá dentro.- disse entrando. Atravessei o pátio. Castiel prestava atenção no que Lysandre mostrava para ele num papel. De repente levantou o rosto e eu me deparei com seus olhos. Eu simplesmente abaixei os meus e segui para a aula. Jê ao me ver pediu para que eu contasse para ela, antes do professor chegar. Ela quase teve um treco.
- Você terminou com o Nathaniel-senpai!
- Não tive outra alternativa. Se não eu perderia o Jade para sempre!
- Então você e o Jade-senpai estão namorando?
- Creio eu que sim. - respondi ficando corada.
- Finalmente acabou seu tormento! As meninas iram ficar felizes!
Como eu queria que fosse verdade o que a Jê me disse naquela hora. Na aula a aura negra de Nathaniel me incomodou muito. Eu queria sumir naquela hora. Castiel ficou no pátio matando aula. (Não me esqueci do Ken gripado não)
Hora do intervalo. Rodinha debaixo da árvore para falar as notícias do dia. Anny que já era branquia estava um pouco apática, mas comia feito louca para recuperar as forças e se preparar para a guerra contra Ambrega. Elas ficaram felizes que o meu rolo finalmente havia terminado até que Castiel do nada apareceu atrás de mim dizendo que precisava falar comigo. Eu o percebi, porque Jê ficou vermelha na mesma hora. Respirei fundo levantei-me, virando para o Castiel que me pegou na mão e saiu me puxando em direção a biblioteca. No meio do corredor demos de cara com a Ambre:
- Castiel-kun, ainda está correndo atrás dessa assombração oferecida!
- Não enche garota! - rosnou desviando dela e bufando de raiva ainda me puxando. Ela ficou branca e depois vermelha de ódio. Eu fiquei calada até porque ele estava louco de raiva e me preparava emocionalmente para lidar com ele. Levou-me até o último corredor da biblioteca e colocou-me presa na parede com seus braços estendidos.
- Por que você me acusou daquela maneira na frente do babaca loiro e do jardineiro verde? - respirei fundo e disse:
- Porque eu precisava me defender, afinal ninguém estava me apoiando naquela hora. - falei assim para lembrá-lo que ele iria me apoiar por qualquer coisa. E completei: - Eu estou sozinha nessa guerra. Você acha que o meu emocional está como? - quando indaguei isso lágrimas já brotaram nos meus olhos e eu a enxuguei logo antes que escorressem respirando fundo. Ele estava muito furioso e abaixou a cabeça fazendo seus cabelos tingidos cair no rosto. Esperei ele falar alguma coisa ou se acalmar. A resposta dele foi um abraço esmagador. Tomei um susto! Eu até iria pedir desculpas, mas sempre espero medir as minhas resposta conforme o que ele fala. Conversar com Castiel é o mesmo que andar em um campo minado. 
- Castiel-kun... você está me apertando... - disse com dificuldades. Ele afrouxou só um pouco, mas ainda estava apertado. Meu coração batia acelerando enquanto eu corada fiquei algum tempo ali. Depois simplesmente virou as costas e saiu andando com as mãos nos bolsos deixando-me para trás. 
Eu não entendi foi nada! Será que aquele abraço foi "eu te perdoo" ou foi "eu estou com você"? Fui para o pátio novamente e as meninas me olharam surpresas:
- O que foi isso? - indagou Kelly chocada. 
- Tomou banho de óleo essa manhã? - indagou Carol brincando. 
- Você viu, né Jê? - não respondi elas e sim preocupada com ela.              
- Vi. - sorriu ela pasmando-me. - Ele lhe arrastou lá pra dentro. 
- Se beijaram? - indagou Tati toda curiosa.
- Não. Apenas me abraçou. - respondi fechando a cara. - E mesmo que ele tentasse eu viraria o rosto. 
- Ele saiu daqui furioso. - percebeu Aikka. 
- O que ele queria? - perguntou Linda. Sentei e respondi:
- Ele ficou furioso por eu o ter acusado na frente de Nat e Jade. Eu respondi que eu precisava me defender, estava sozinha ali no meio de uma guerra emocional. E aí ele me abraçou.
- Menina para tudo! - exclamou Carol boquiaberta. - Ele lhe perdoou?
- Não sei. Pois poderia significar perdão ou te apoio. Mas vocês não sabem da maior! - exclamei com o sorriso bem largo.
- O quê?! - exclamaram curiosas.
- Encontramos com a lombriga loira no corredor. - elas ficara boquiabertas empolgadas. 
- E o que aconteceu com a macaca de circo? - indagou a Anny.
- Ela disse: "Castiel-kun, ainda está correndo atrás dessa assombração oferecida"!   - contém imitando a voz dela. - E ele: "Não enche garota"! - Elas riram e vibraram comemorando. 
- Queria ter visto a cara dela! - exclamou a Jê feliz. 
- Ela ficou branca! - exclamei rindo quase deitando. 
- Bem feito para aquela jararaca! - exclamou a Aikka. 
- O amor dela deu um fora! - riu Anny tão feliz que pensei que ela iria morrer de felicidade.
De repente meu celular tocou e eu vi que era Elisa, minha irmã mais velha que eu não a vejo um tempão desde que foi morar com o namorado em Londres.
- Oi mana!- exclamei feliz.
- Olá bonequinha! - responde ela com a voz um pouco triste. E nem deixou eu perguntar o que foi e indagou: - Seu colégio tem um muro alto e grades marrons? 
- Sim... não me diga que você está aqui! - exclamei olhando para o portão e a vejo parada acenando. Levantei e sai correndo para abraçá-la. 


 - Que saudades tua mulé! - quase a esmago com o meu abraço.
- Você não mudou nada baixinha. - ela tem 1.75m de altura. Vi que tinha duas malas de puxar com ela. E indaguei estranhando: 
- Veio para o colégio? Mas você já terminou o segundo grau!
- Pois é Euphi... - e de repente começou a chorar. Eu a abracei e esperei ela continuar: - Meu noivo me traiu com uma menina da sua idade. - fiquei chocada! Ôh, irmãs azaradas no amor! - E papai e mamãe me convenceram de passar um tempo nesse fim de mundo. 
- Sério! Mas você tem 18 anos, não pode entrar nesse colégio.
- Toc, toc. - fez ela com a mão fechada na minha testa quando eu não entendia nada. - Não vim para o colégio. Vou alugar um apartamento com o dinheiro da festa de casamento que guardei e depois arrumar emprego.
Fomos interrompidas por incômodos fiu, fiu. Quando me viro vejo aquele bando de vara-pau mexendo com minha irmã até Nat estava no meio. Todas as meninas do colégio estavam furiosas com aquilo, pensando na nova rival. Coloquei a mão na cintura dei alguns passos exclamando:
- Ei! Vocês não têm mais o que fazer não? Parem de mexer com a minha irmã!
- Sua irmã Euphi-kun! - exclamou Alex sem acreditar.
- Apresenta! - gritou Nathaniel empolgado.
- Cara, meu irmão! Que gostosa! - gritou Castiel com as mãos na boca fazendo um alto-falante.
- Muito linda! - gritou Armin.
- Não quer namorar comigo não? - indagou Lysandre. E de repente foi um coro:
- Apresenta! Apresenta!Apresenta!Apresenta!
Ela se aproximou de mim e indagou:
- São seus amiguinhos? 
- Sim. - respondi corada. 
- São umas gracinhas. - debochou ela e eles ficaram derretidos. - Vou indo Euphi depois a gente conversa. - falou ela virando-se. Então dá de cara com Drake a fazendo corar. - Er... com licença. Pediu ela olhando-o nos olhos e saindo do caminho pegando suas malas. Como a conheço muito bem, ela acabou de se apaixonar por ele. 
- Quem era? - indagou Drake com sua voz grossa. 
- Minha irmã mais velha, Elisa. - respondi. Ele continuou andando e os meninos o provocaram:
- Pô Drake! Por que não deu um beijão naquela boquinha linda?! - brincou Alex.
- Não! Deixa ela para nós! - exclamou Nathaniel. 
- Viu que corpo?! Queria eu tirar um som maneiro daquele violão! - brincou Castiel.
- Muito gata! - exclama Lysandre passando o braço em volta do pescoço de Drake.
- Você não vai dizer nada cara?! - exclama Armin. 
- Ela é bonita. - respondeu bem sério. 
- Ei vocês! - exclamei me aproximando deles. - Para de se engraçar para a minha irmã, ela tem 18 anos e achou vocês um bando de pirralho!
- 18 anos! - exclamou Lysandre todo empolgado. 
- Ah moleque! Com ela é igual bebida, tá tudo liberado! - exclamou Castiel me deixando horrorizada.  
- E o fusca dela! - exclamou Alex. - Que capô de fusca!
- Oi! - gritei de novo pulando sacudindo os braços  para aqueles gigantes.- Vocês podem nos respeitar? Estão falando da minha irmã, por favor! - pedi brava. 
- É brincadeira Euphi-kun. - disse Alex passando o braço no meu pescoço. Castiel o encarou, ele soltou-me imediatamente, e brincou comigo deixando-me corada:
- Não fique com ciúmes Euphi-kun. Você também é gata, só que na versão miniatura! 
Eles saíram rindo deixando-me para trás. Embora Drake tivesse 17 anos, sua aparência era de 20 anos. Não sei, não. Acho que mais confusões vêm pela frente. 
Minhas amigas vieram me perguntar o que minha irmã veio fazer no colégio, pois ouviram eu conversando com os meninos. Expliquei a elas caminhando e me acompanhavam de volta para o nossa rodinha. 
- Fiquei com pena da sua irmã. - lamentou a Jê. 
- É mesmo! - indignou-se Carol. - Como o gatinho dela a trai com uma menina mais nova?!
- Isso geralmente acontece. - concorda Aikka, parece sabe muito sobre isso. 
Nossa conversa foi interrompida pelos risos dos meninos que estavam a nossa frente em pé numa roda ainda comentando da minha irmã.
- Essa menina me deixou louco! - exclamou Nathaniel. Eu não acreditei nisso. 
- Ela é mais velha e eu me amarro em mulheres assim. - comentou Castiel.
- É mesmo, sua ex era mais velha. - concorda Lysandre.
- Sim... e com ela não tem esse negócio proibir passar a mão não. Menina nova tem que fazer tudo certinho... tem que namorar... andar de mãos dadas e outras babaquices. Mulher mais velha não... rola pegada, rola mão boba e elas ficam loucas. E depois é só mergulha o patinho e pronto!
Ficamos horrorizadas com o jeito que eles falavam. Eu nem tanto, pois sei que os homens são assim mesmo.  Kelly pediu para sair dali e as outras concordaram. Eu por mim ficaria para saber mais a respeito do que cada um pensa. 
Depois dois das aulas fomos para nossos clubes. Ao chegar no pátio Lysandre e Castiel estava compondo uma música. Eu e as meninas da jardinagem fomos direto para o clube, porém Anny queria  falar com o Lysandre e eu a seguirei impedindo. 
- Você é minha amiga ou não?! - indagou ela indignada. 
- Vai por mim eu sei o que estou fazendo. Não vá falar com ele agora. 
- Tudo bem... se você diz. - concordou sem graça. - Confio em você amiga, pois fica ensaboada com esses óleos pega homem. 
- Eu já tenho um plano para nos vingar da Ambre.
- E o que é?! - indagaram animadas. 
Entramos na estufa e eu peguei um saco de fertilizante. Abri e enfie uma pá para pegar um pouco de terra. Assim que eu tirei veio junto uma minhoca se movendo lentamente e elas riram levando a mão na boca.
- O que você vai fazer? - indagou a Tati curiosa.
- Colocar no armário dela.
- Ótima ideia! - exclamou a Linda vibrando.
Coloquei um pouco no saquinho de mudas e fui para o armário dela. Pedi para as meninas ficaram longe só observando, pois para não chamar a atenção. Estava trancado. Tentei enfiar algumas minhocas pelas frestas com a luva. Eca! Que nojo! 
- Euphimea! - gritou a diretora aparecendo de repente. - Que bagunça todo é essa?!
Olha para o chão e um pouco de terra havia caído, mas bem pouco. Que velha mais escandalosa! Só porque derramou tico de nada! 
- Seu corretivo disciplinar é limpar a sujeira e o corredor todo! 
- Tudo bem diretora. -concordei sem graça. Qual é o nome dela? Rigores? Voltei para as meninas que ficaram preocupas comigo.
- Terei que limpar essa bagunça toda meninas. Vão para o clube. - choraminguei.
- É uma pena. - falou Kelly. - entreguei o saco para Anny que o levou, mas falei feliz.
- Consegui colocar uma no armário! 
Elas riram e ficaram doidas para ver a cara da  Ambre quando abrir o armário e encontrar a minhoca se movendo lá dentro. Fui até a sala de representantes onde Nathaniel conversava com os outros dois, do 2º ano e do 3º. Ele olhou para mim e fingiu um sorriso simpático. 
- O que foi Euphimea?
- Bem... - fiquei sem graça. - Quis me vingar da sua irmã e fui punida. - ele levou a mão no rosto e disse:
- O que foi que você fez?
- Coloquei minhocas com terra no armário dela... e a diretora me pegou. 
- Euphi... que coisa mais infantil! - suspirou desapontado. - Por que você fez isso?
- Para descontar todos os xingamentos que ela já me fez e as intrigas entre você e o Castiel-kun! 
- Ah... claro! O Castiel-kun... sempre o Castiel-kun! - exclamou com ciúmes. - Para de andar com ele. Não vê que só faz mal a você.
- E quem disse que eu ando com ele? Só conversamos algumas vezes. - me defendi. 
- E qual foi a sua punição? 
- Limpar o corredor inteiro. Acho que vai levar o dia todo. - ele se aproximou de mim e pegando no meu rosto disse gentilmente:
- Vou lhe preparar um balde com detergente que irá acabar rapidinho. - fiquei corada. - Espera lá fora, tá bom? - e com isso me de eu um beijo na testa. "O que ele está tramando"?- pasmei. Será que ele esqueceu que terminamos o nosso namoro? Ou está querendo me conquistar?
Fiquei no corredor parada e vi as Trix passarem por mim.
- Se continuar ai parada vai assustar as pessoas, queridinha! - eu fechei a cara para ela que jogando o cabelos para trás foi até o armário e parou exclamando ao ver terra no chão. - O que é isso?! - Essa tatu escavadora tinha que sujar o chão com terra! - debochou. - A diretora precisa saber disso! - exclamou voltando e eu avisei com um risinho na cara:
- Ela já sabe querida!
- Ah! É por isso que está aguardando o meu irmão para a sua punição. Além de ser uma assombração e porca! - riu ela. - Suja tudo de terra! 
Como eu queria enfiar minha mão na cara dela. Mas minha vingança logo viria. Ela voltou para o armário e quando o abriu:
- Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhh! 
Deu um grito tão estridente que eu acho que o colégio inteiro ouviu. As meninas vieram correndo para rir da cara dela. O som chegou no ginásio, pois Aikka e Jenna vieram. Castiel e Lysandre também correram para saber o que era. Castiel deu uma gargalhada dão gostosa que pensei que ele ira morrer de rir. 
Nathaniel abriu a porta perguntado:
- O que está acontecendo aqui?
- Olha o que a sua namoradinha pilantra vez com o meu armário! - gritou ela avançando e apontando para o armário aberto.
- Eu já sei. Ela falou comigo.
- E você não vai fazer nada?! 
- Ela já está sendo punida Ambre!
- Eu quero que ela seja expulsa dessa escola! 
- Você sabe que eu não posso fazer isso. Sou um simples representante. - logo chega a diretora com os gritos de Ambre.
- O que está acontecendo aqui? Não podemos ter um minuto de silêncio para resolver alguns assuntos e vocês já arrumam outra confusão.
- Diretora, é tudo culpa da Euphimea. - choramingou ela. - Ela colocou minhoca no meu armário!
- Euphimea como pôde! 
- Eu quero que ela seja expulsa diretora! 
- Já dei um corretivo disciplinar para ela Ambre-kun.
- Eu odeio essa garota! - deu o chilique dela e foi andando. - Vamos embora meninas e parou na minha frente ameaçando: - O que é seu está guardado, queridinha!
- Oi minha princesa. - começou Lysandre entrando na frente dela para o fúria de Anny. - Você quer que eu tire a minhoca para você? 
-  Grrr! Sai da minha frente seu brega mau vestido! - e empinando o nariz saiu andando com suas amigas. 
- Espero que isso não se repita Euphimea-kun! - ordenou a diretora.
- Sim, diretora. - choraminguei. 
- E vocês. Dispensados! O show já acabou e vão tratar das suas vidas!
As meninas foram rindo para seus clubes. Lysandre ficou chateado por levar outro fora da lambisgoia, Nathaniel entrou para pegar os produtos de limpeza e Castiel veio falar comigo.
- Euphi... essa foi demais! - estava se matando de rir. - Você é um máximo! Aquela praga mereceu! - eu fiquei calada olhando para o chão, não porque estava triste, mas para evitá-lo. - O que foi Euphi-kun? Está chorando?
- Nada não Castiel... vai continuar com a sua música. - respondi olhando para baixo. Ele pegou no meu queixo e o levantou fazendo-me olhá-lo corando. Se aproximou para me beijar e eu virei a cara o surpreendendo. 
- Já entendi. - respondeu e foi embora. Deixando-me com aquela sensação ruim dentro de mim.
Logo Nathaniel saiu com uma vassoura, um esfregão e um balde com água e detergente.    
  


         





    




















{ 11 comentários... read them below or Comment }

  1. hahahha, o Dimity me mordeu *o*
    hunf o Lys ta muito safadenho pro lado da Elisa,ele merece um castigo U.U ela não gosta de piralho,esses meninos são muito abusados!
    Vamos nos preparar para a guerra contra a lombriga loira \õ/. adoreii o cap euphi *-*

    ResponderExcluir
  2. oooh o jade é tão fofo *-*, isso mesmo euphi da um fora no nath banana U.U

    ResponderExcluir
  3. bem feito pro Lys, levou um fora da Ambrega. U.U
    aaaaaaaaaaaaaaah adorei a vingança contra a lombriga loira bem feito para aquela jararaca

    ResponderExcluir
  4. Nossa esses meninos são safados!Que coisa feia. Sou muito mais eu!kkkkk

    ResponderExcluir
  5. Né como assim?Achar que as mulheres mais velhas dão essas liberdade!?
    Temos que ser sérias nesse assunto *-*

    ResponderExcluir
  6. será q o Ken vai morre? ele já ta gripado a não sei quantos capítulos!

    ResponderExcluir
  7. muito bom esse capitulo!!!!
    deu aquela sensaçao de quero ver ciumes e de querer que nao acabe!!!!

    ResponderExcluir
  8. coloca mais historia sobre dimitry

    ResponderExcluir

Por favor não me cobrem quando irei postar.
E por favor respeitem as opiniões e não comentem coisas que podem ser construtivas, pois elas soam como critica.
Obs: Essa ideia é protegida pela lei 9610 de 19/02/1998, qualquer cópia ou rescrição da mesma como plágio, repete a punição conforme consta em lei.
Ou seja, eu sou a criadora, eu sou a única dona.

- Copyright © Amour Glacé - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -