Popular Post

Posted by : Euphimea sexta-feira, 20 de julho de 2012


A época de provas estavam chegando no colégio e eu não tinha cabeça para estudar. Minha frequência de choro diminuía, pois já havia me conformado. Quando dava aquela crise de choro eu ia para o último corredor na biblioteca e ficava escondida chorando em silêncio.
Naquele dia foi pega por Nathaniel. Ele olhava alguns livros para estudar e não sei como me viu. Só apenas ouvi a voz dele que exclamou, doce e preocupado:
- Euphi-chan! O que foi, minha linda? - abaixou-se e abraçou-me fazendo minha cabeça encostar em seu ombro esquerdo. Acariciou os meus cabelos e eu forçava-me para gostar dele. Apenas preste mais atenção nele Euphi! Esquece o Castiel, criatura!

Então eu voei nele, já que era o meu namorado não teria importância em beijá-lo. Foi o que eu fiz. O beijei loucamente tentando me concentrar nos seus feromônios. Mas Nathaniel não tinha pegada. Era doce demais, carinhoso demais e insosso demais. Eca! Muito açúcar e pouco sal.
- Nossa Euphi! Que beijo! - exclamou ele boquiaberto sem acreditar. Eu não podia dizer o mesmo. Broxada, virei o rosto para o lado ignorando-o totalmente, furiosa. - Ei, Euphi! - chamou-me para olhá-lo então o fiz, pois já conhecia muito bem o seu jeito de me fazer encará-lo. - Eu tenho uma coisa pra você... - corou e enfiou a mão no bolso. - Queria lhe dar num dia especial, mas como a vejo triste melhor dar-lhe agora. - tirou do bolso uma caixinha de veludo pequena, preta, daquelas de anel. Eu já imaginei que havia um anel ali dentro, então precisaria caprichar na minha cara de surpresa. - Para concretizar nosso compromisso de namoro que faz dois meses. Dois meses! O tempo passou assim tão depressa! Como que eu nem percebi?! Ele abriu a caixinha e nela continha um enorme solitário  num anel de ouro branco. Não precisei fingir surpresa, pois fiquei surpresa mesmo!  
- N-Nathaniel-kun! Como você me compra uma coisa cara dessas!
- Para você vale tudo. Se eu pudesse comprar a lua para lhe dar, eu comprava. - (as Nathiketes, ôh que meigo! Ele é tão fofinho!) Fiquei ultra-mega-sem-graça por ele ter me dado aquele anel de diamante. Pegou minha mão direita e colocou no anelar. Eu não sabia onde enfiar a minha cara. E depois deu-me um selinho muito carinhoso, bem típico dele. - O que você vai fazer hoje a noite?
- Não sei... talvez jantar com minhas amigas.
- Então pode cancelar, pois hoje você vai no Françoir comigo. - disse animadamente mordendo o lábio inferior. Depois daquela briga com Castiel, Nathaniel não me convidou mais para sair. Eu também andava muito deprimida e ele vinha falar comigo esperando eu me abrir. Mas sabia que a minha tristeza era Castiel. E é claro, que nenhum homem gosta que você fique falando de outro. 
- Tudo bem. - respondi, pois eu poderia usar todos os argumentos do mundo que ele não iria aceitar nenhum deles. Ele ficou surpreso e feliz me abraçando e que iria me pegar no apartamento as 19hrs. 

Eu comecei a me sentir desconfortável.
- O que exatamente isso envolve? - indaguei já que aceitei a sair com ele, mas sempre ficava aquele grude todo.
- O de sempre, escrava a noite toda, esse tipo de coisa.
- Ôh, bem, se isso é tudo... - falei por fim levantando-me e Nathaniel abraçou-me delicadamente com o seu jeito terno de ser. Meu corpo reagiu o aceitando para minha surpresa. E voltei a me torturar mentalmente: Isso mesmo, é de Nathaniel que você gosta. É ele quem você namora agora! 
- Euphi... poderia-me fazer um favor? - indagou fazendo aquela cara de pidão, sempre tendo que resolver os pepinos dele, se não fosse meu namorado ira ouvir poucas e boas, mas segurei-me respirando fundo e disse:
- Sim... querido. Pode falar. 
- Já que eu lhe encontrei aqui... poderia entregar a folha de faltas para o Castiel? - eu fiquei branca. Como você me faz chegar perto dele num momento como esse! Está afim de perder a namorada? Minha reação foi:
- De novo?! - rosnei. Ele fez cara triste, também tipico dele para enganar as pobres ovelhas, esse lobo! - Tá bom... eu entrego.
- Te amo, meu chuchu! - exclamou dando-me outro selinho. Chuchu? Que coisa mais insossa! Chuchu não tem gosto de nada! Não poderia me chamar de outra coisa? 
Como eu queria falar aquilo tudo para ele, mas para não perder o namorado, que é melhor que nada, as vezes precisamos ficar caladas.
Fomos juntos para a sala dos representantes e Melody, como sempre, estava lá enfiada:
- Oi Nathaniel-kun. Oi Euphimea-kun! Tudo bom com vocês? 
- Olá Melody. - respondeu exagerando na voz : "o que a trás aqui"
- Oi. - disse forçando o sorriso sem muita vontade de falar. E Nathaniel olhou para mim com uma cara de preocupado se eu sentia ciúmes e eu nem aí. Por mim se ela quisesse agarrar ele na minha frente eu ainda diria faça um bom proveito. Entregou-me a folha em uma prancheta e caneta. Sai de lá resmungando: - Quem ele pensa que eu sou? Sua empregada? Volta e meia fica me pedindo para fazer as coisas que ele  quem deveria resolver, afinal ele é o representante. Nem adianta reclamar, pois teria que fazer mesmo! 
Nesse tempo de dois meses, Nina aproximava de Eliéser que depois do rompimento do namoro saiu muito machucado e queria ir devagar, pois ela pulou no pescoço dele o beijando. Nem percebi que Alex se aproximava de Kelly e Armin de Caroll. Fiquei surpresa de ao chegar no pátio ambos fossem os únicos meninos da nossa rodinha. Anny e Jenna agora não fazem mais parte da rodinha, ficavam ouvindo seus namorados tocarem no ginásio. 
Lá estava Castiel..., suspiro, eu comecei a vê-lo com nuvens brancas ao seu redor e só ele no centro. Seus cabelos presos naquele rabo de cavalo com algumas mechas soltas e algumas pontas atrás da orelha. Usava uma regata vermelha e uma calça jeans rasgada nos joelhos. Nos pés All Star comum preto e encardido. A blusa colava no corpo com o suor aparecendo suas belas marcas no abdome e peito. Eu viajei naquela regata. Como eu queria poder abraça-lo novamente e acariciar seu busto. Parecia câmera lenta. Castiel olhando para a guitarra... os cabelos balançando caindo sobre o rosto. Ele a segurava como se fosse uma bazuca enquanto movia os dedos frenéticos arrancando o som da guitarra com a palheta vermelha. Enquanto eu divagava nos seus músculos braçais que subia e desciam as meninas me chamaram, pois havia acabado de descer as escadas da arquibancada e pisado no pátio passando por elas.
- Oi Euphi! - exclamaram. 
Castiel levantou a cabeça com a respiração ofegante saindo pela boca, como se acabasse de correr. Os olhos me encaravam e eu senti um frio na barriga. Então um ruido de algo arranhando foi ouvido. Castiel errou a nota de um jeito que parecia um iniciando de violino, saindo aquele som rangido fazendo a guitarra chorar. Nossa reação foi levar as mãos no ouvido, doeram até os tímpanos.
- O que foi isso cara?! - resmungou Andrew que o companhava com a guitarra. 
- Para de me encher! - respondeu automáticamente sem desgrudar os olhos fixos em mim. Retirou a guitarra  a encostando na parede se aproximando de mim, com seus 1.80m - já disse a altura dele, mas é tão bom dizer o quanto ele é alto-  com aquele cheiro irresistível que só ele tem e seu charme de garoto rebelde fazendo-me corar imediatamente. Como eu queria que aqueles braços fortes me agarrassem, puxassem para seu peito com uma encaixada violenta que só ele sabia fazer e roubando beijos de minha boca. Eu me contive ao máximo para não voar nele e dar-lhe aquele mega beijo vulcânico que dávamos. Seus olhos ainda diziam que me amavam ao mesmo tempo de dor como falasse "por que você não quis ficar comigo?", mas sei que logo ele irá amar a minha amiga. Pelo menos ele a namora de verdade agora, não para me fazer ciúmes.
- E aí, Euphi? - indagou o que eu queria. Sua voz deu aquela descarga elétrica de novo no meu corpo fazendo-o arrepiar. Aquela voz que faz tempo que eu não ouvia e se fosse cantada eu perderia os meus sentidos. Inconscientemente fez-me morder o lábio inferior e com isso ele fez o mesmo e disse baixo brincando para sua namorada não ouvir: - Não faz essa cara... pois eu não me responsabilizo pelos meus atos. Como eu queria dizer: "Então não se responsabilize", mas ao invés disso entreguei a folha pra ele assinar esperando a sua reclamação. Para minha surpresa ele pegou a prancheta e a caneta assinando a folha sem dizer nada. Então entendi porque que Nathaniel sabe que se eu levasse a folha, Castiel assinaria sem nenhum problema. Ao devolver a caneta fez questão de tocar na minha mão, rolando aquele clima de quando não sabe o que fazer com uma pessoa que você gosta. Aquele pequeno toque fez causar um terremoto no meu corpo e meus pelos se arrepiaram dos pés a cabeça. Abaixei os meus olhos e sem graça sai apressada ignorando os chamados das minhas amigas. No entanto, Castiel chamou-me com aquela magnifica voz rouca fazendo meu coração acelerar loucamente.
- Euphi! Fique para ouvir nossa nova canção! 
- Não, obrigada. - respondi um pouco ríspida olhando para o lado e para o chão. 
Não poderia vê-lo tocar, pois seria uma tortura. Aquela voz faria me perder e eu conheço-me muito bem, podendo trair uma amiga. 
As meninas ainda faziam a rodinha com os gêmeos.Cheguei com a minha cara triste e Alex já mexeu comigo:
- Fala Euphi! Beleza? Que cara de enterro é essa? Eu não morri ainda! - eu fechei a cara não achando nada de engraçado na brincadeira dele e algumas meninas riram. Aikka não estava na rodinha. Ela tinha que revisar a matéria para as provas que iriam chegar e com um livro na mão não para de ler aquela Sailor Mercúrio cabeçuda!
Ele realmente não parecia nem um pouco estar no segundo ano. Mas sempre me fazia rir. 
- Ainda bem que a Jenna não está aqui. - começou sorrindo.
- Por quê? - indaguei estranhando.
- É que eu vou contar uma piada de loira! 
- Aff. - bufei esperando a piada e as meninas interessadas.
- Uma loira estava dirigindo seu carro e foi passar maquiagem no retrovisor. Então largou o volante e o carro bateu no poste amassando todo. Desesperada saiu e ficou dizendo: "o que eu faço? o que eu faço?" Logo passou um senhor muito elegante e viu que era uma moça e loira resolveu sacanear com ela e disse:
- Assopre o cano de escapamento que a frente do carro irá desamassar igual a um balão! Só espere esfriar. 
E ele andou um pouco, mas a frente ficou só olhando. Ela assoprava e nada adiantava. O senhor cansado de esperar foi embora. Então apareceu uma amiga que também é loira no seu carro e indagou o que houve.
- Eu estava passando maquiagem e bati o carro, mas um senhor muito gentil disse para assoprar o cano de escapamento que a frente iria encher feito um balão. Só que não deu certo.
- Claro amiga! Isso nunca iria dar certo! 
- Não? E  o que eu deveria fazer.
- Feche as janelas primeiro! 
Só o Alex para me fazer rir! Armin já conhecia a piada e por isso não riu. Ele tinha os olhos profundamente azuis, algo que chamou-me atenção. Não Euphi... já vi Armin se interessar pela Carol, foque no Nathaniel! Ele é o seu namorado. 
Depois da aula fui a primeira a chegar no clube e então tomei um susto ao ver Castiel saindo de dentro da estufa. 
- O que você está fazendo aqui, seu maluco? - indaguei com a voz alta. Ele me puxou colocando o dedo na boca em sinal de silêncio. Será que ele queria testa a minha fidelidade com Nathaniel? Ou o grau de amizade com a Jenna?
Só de senti-lo perto de mim de novo já me deixou desmontada. Mas tentei me controlar e furiosa disse:
- Castiel você está namorando agora! 
- Sim. Eu sei. Você acha que eu vou lhe beijar?
- Acho mesmo! Você não consegue ficar a um metro longe de mim! (isso é verdade eu vivo dando de cara com ele no jogo até no clube de jardinagem) - exclamei saindo.
- Só quero conversar com você. - falou agarrando o meu braço com força.
- Ai! - resmunguei. 
- Desculpe. - pediu soltando e passando a mão nos cabelos que agora estavam soltos. 
- Fala logo o que você quer?! Não quero que alguém nos pegue e façam fofoca! 
- Para de fingir você não é assim Euphi, irritadinha.
- Não estou fingindo. Sou assim mesmo. Eu fingia quando estava perto de você. - confessei para a surpresa dele que arregalou os olhos. Nos olhamos nos olhos. Aquilo gerava hipnose para ambos. Logo seus tentáculos estavam em volta da minha cintura. 
- Castiel... - eu protestei, saindo de perto, ao mesmo tempo querendo. Ele tirou os braços sem parecer nem um pouco aborrecido com a pequena rejeição. Ele avançou e pegou minha mão com firmeza, passando o outro braço na minha cintura quando eu tentei me afastar de novo. De onde foi que ele tirou essa confiança?
- Agora, só espere um momento, Euphi. - pediu com uma voz muito calma, que conseguiu me fazer não reconhecê-lo. - Diga-me uma coisa...
Eu fiz uma careta. Eu não queria fazer isso. Não só agora, mas nunca. Não havia mais nada nesse ponto da minha vida que fosse mais importante que Nathaniel, mesmo que fosse uma grande mentira. Mas ele parecia determinado a arruinar tudo.
- O quê? - eu perguntei acidamente.
- Você gosta de mim, certo?
- Você sabe que eu gosto. Então não faz essa pergunta idiota.
- Mais do que daquele palhaço certinho do Nathaniel? - Ele fez um gesto para  o corredor. Eu realmente desejei que ele não continuasse aquele assunto.
- Sim - eu suspirei.
- Mais que os outros caras que você conhece? - Eu havia me esquecido completamente de Jade naquele momento. Ele estava calmo, sereno - como se minha resposta não importasse, ou como se ele já soubesse qual ela seria. Para meu espanto. Nunca o vi assim.
- Mais do que as garotas também - confessei apontando para a árvore que fazemos nossa rodinha.
- Mas isso é tudo - ele disse, e isso não era uma pergunta.
Era difícil responder, dizer a palavra. Será que ele ficaria irritado e me evitaria? Como eu aguentaria isso?
- Sim - eu sussurrei.
Ele sorriu pra mim. - Está tudo bem, sabe? Contanto que você goste mais de mim. E você me ache bonito, mais ou menos. Eu estou preparado pra ser irritadoramente persistente.
- Eu não vou mudar, mas sabe o que penso a respeito disso. - eu disse, apesar de tentar fazer minha voz parecer normal, eu podia ouvir a tristeza nela.
O rosto dele estava pensativo, não estava mais zombeteiro. - Ainda é o outro, não é?Castiel se lembrou de Jade e fez-me recordar.  
- Você sabe muito bem que não é somente por causa dele e muito menos de Nathaniel. Eu enrolei. Engraçado como ele parecia saber que não devia dizer o nome dele. Castiel havia entendido tanta coisa sem que eu precisasse dizer.
- Você não tem que falar sobre isso - ele disse. Meu Deus! Fiquei em choque! Nunca vi Castiel tão compreensível. Acho que ele estava querendo alguma coisa, por isso o olhei desconfiada.
- Não fique brava comigo por estar por perto, tá legal? - Castiel deu uns tapinhas nas costas
da minha mão. - Porque eu não vou desistir. Eu tenho bastante tempo.
Eu suspirei. - Você não devia perdê-lo - eu disse, apesar de querer que ele perdesse.
- Estou dizendo que nunca irei esquecê-la como você mesma disse namoros acabam.
- Você está namorando a Jenna desejando que ele acabe? - indaguei sem entender. Achei que ele iria se irritar, mas respirando fundo e respondeu:
- Que tipo de pessoa pensa que eu sou? Eu e estou com ela, porque gosto dela. 
- Esse gostar um dia virará amor. - frisei irritando-me. 
- Duvido. Pode virar paixão, da mesma forma que você ama o jardineiro e é apaixonada por mim. Agora amor mesmo de verdade... só sinto por você. - fiquei muda. Lágrimas nos seus olhos indicavam que ele estava emocionado e segurava o choro. Com seu braço direito envolveu-me em minhas costas e puxou-me para o seu peito em um abraço forte. Que saudade eu sentia dessa abraço. E completou: - A Jeninha sabe disso. - Jeninha? Era assim que ele chamava ela? Lembrei da Jenny, a Gênia. Fiquei com um pouco de ciúmes e falei:
- Você nunca usou diminutivo comigo. 
- Não combina com você. - foi a resposta dele acariciando os meus cabelos.
- Se um dia puder me chamar carinhosamente chama-me de Yufi. 
- Yufi? Parece nome de ursinho.
- Era assim que minha mãe me achava quando era criança e as pessoas mais intimas. 
- Nunca ouvi suas amigas lhe chamarem assim. 
- Bom... não uso mais esse apelido de infância. - suspirei. 
- Eu posso viver com isso.
- Assim como? - indaguei sem entender de novo.
- Apaixonado pela Jeninha e amando você. - ouvi aquilo dele era esquisito. Mais esquisito ainda com relação a minha amiga que aceitou numa boa. Só ela mesma para isso, é bem típico dela. 
- Então seu coração irá ficar dividido?
- O seu também está assim. - protestou ainda com o rosto colado na minha orelha. - Não quero magoar as duas. - Castiel sendo sentimental? Quando isso aconteceu que eu não percebi?!
- Isso não te incomoda de verdade, incomoda? - ele quis saber,  passando a mão nas minhas costas para cima e para baixa enquanto meu corpo estremecia.
- Não - eu suspirei. Realmente, era bom. A mão dele era muito mais quente do que a minha; eu estava sempre com frio demais ultimamente. 
- E você não se importa com o que ele pensa? - se referia de Nathaniel.
- Eu acho que não.
- Então qual é o problema?
- O problema - eu disse - é que isso, pra mim, significa uma coisa diferente do que significa
pra você.
- Bem - ele apertou sua mão na minha. - Isso é problema meu não é?
- Tudo bem - eu rosnei - Contudo, não se esqueça que você namora a Jenna!
- Eu não vou esquecer. Agora o pino da minha granada saiu, não foi? - Ele cutucou minhas costelas fazendo-me sentir cocegas e tentar escapar dele.
- Ôh! A Yufi sente cocegas na barriga. - riu-se deliciado, mas parou. Eu revirei os olhos. Se ele estava com vontade de fazer piada com isso, ele podia fazer. Ele gargalhou por um minuto enquanto seus dedos rosados traçavam desenhos na minhas costas. - Você tem um desvio aqui. - disse tocando em duas vértebras minhas.
- Mochilas pesadas. - respondi. 
Então vozes das meninas se aproximavam. Castiel preocupado deu-me um beijo no rosto e saiu abaixando entre as plantas para não ser visto. Eu procurei-me disfarça, mas estava com um sorrisinho bobo na cara. 
- Pensando no Nathaniel-kun, não é? - indagou a Kelly.
- Estou. - menti. Anny avançou furiosa perguntando:
- Por que você não foi falar conosco quando lhe chamamos?!
- Desculpe. - pedi sem graça. - Você sabe que tento evitar Castiel. - confessei, pois não era surpresa pra ninguém. 
- É mesmo! - concordou. 
Então fomos fazer as coisas do clube. Só de está um pouco com o Castiel, senti-me sair do abismo. Ele era como se fosse o sol a me tirar da escuridão e me aquecer do frio. Seu cheiro ainda ficou no meu corpo e principalmente no meu cabelo, era como se ele ainda estivesse me abraçando. Avisei as meninas que eu iria jantar com Nathaniel. Então elas brincaram:
- Mas pode almoçar com a gente, não é? - indagou Carol.
- Sim. - sorrir mais do que já o fazia.
- Só assim você para de ficar só no seu mundo e saber da novidade! - exclamou Kelly eufórica. 
- O quê? - indaguei curiosa.
- Alex me pediu em namoro! - gritou toda feliz. - (Na minha fic ele é hétero beleza?) 
- Sério?! - exclamei sem acreditar. - Até que enfim! E o que você respondeu.
- Ah... eu disse que iria pensar.
- O quê! - fiquei chocada, mas as meninas já sabiam por isso riram.
- Tenho que ser um pouco difícil também.
- Só falta a Carol. - falei alegre.
- Queridinha, logo, logo o Armin vai se declarar! Eu sindo isso! Sou irresistível!
- Percebe-se! - brinquei e elas riram.
O almoço foi fofocar sobre Ambre. Que Jenna e Anny descobriram que ela roubou as provas e por isso foi suspensa por uma semana. 
- É por isso que não a vi na escola hoje! -exclamei.
- E eles vão adiar as provas. - comentou Jenna.
- Que bom! - comemoramos batendo palmas e fazendo muito barulho, só a Aikka que fingiu empolgação aquela cabeçuda!
- Pelo menos terei mais tempo para estudar! - exclamei feliz. Percebi que Tati estava longe então indaguei o porquê.
- Você sabe... pensando no Dimitry.
Então olhos de interesse focaram nela, pois agora o assunto seria o vampiro encantador. Ela disse que ele ainda se sente sozinho e iria fazer-nos visitas noturnos acompanhado de Noir. Nós concordamos, mas senti que as meninas ainda queriam ser mordidas por ele. Nem sei se voltará a sugar sangue humano novamente, pois da última vez que o vi, foi no meu quarto de madrugada quando não conseguia dormir. Levei um susto enorme daquela figura num canto parada me olhando. Seus olhos brilhavam tanto no escuro como olhos de gato. Conversamos um longo tempo em telepatia, pois agora que ele bebera meu sangue sabia muita coisa sobre mim. Também não queríamos acordar a Jê. Dimitry me disse que por causa desse turbilhão de emoções irá ficar um bom tempo sem sugar sangue humano. Isso há dois meses.
Porém Tati disse que seu corpo perde forças se ele não se alimentar de humano. Os animais o alimenta, mas não dar a energia como os humanos. Ela parecia realmente preocupada e seus olhos azuis tristes ficaram ainda mais profundos. (não me esqueci das fadas, não é importante colocá-las no momento).
Nina ficou resmungando que Eliéser era muito lerdo e eu o defendi, pois sabia que era um rapaz sério. Ela ficou sem graça.
Já a minha irmã começou a sair com Drake, porém era outra machucada.
Nathaniel chegou na portaria, que agora tinha até interfone como um apartamento de verdade, como um inglês as 19hrs em ponto. Fiquei muito sem graça ao vê-lo de terno e gravata, pois eu me vesti mais simples. Claro com uma roupa muito boa, mas não tão formal como ele estava. Alias o mesmo em que fui mordida por Dimitry, só que sem manchas. Também se comportou como um verdadeiro cavalheiro na mesa. Ficou tagarelando sobre suas viagem pela Europa e que amou Paris. Fez questão de eu conhecer com ele, é lógico. Das roupas de grife que comprava. Então quando um assunto não me interessa comecei-me a divagar. Também estava chocada com tanto luxo.
- Euphi... Está me escutando? - indagou sem graça.
- Ah... claro, claro. - sorri forçada.
- Já quer pedir a comida?
- Gostaria... estou faminta. - ele sorriu alegremente e chamou o garçon com o olhar que veio imediatamente. Ele simplesmente falou em francês com o metre. Todos, tanto garço quanto o metre falavam somente francês. O menu (fala mení e não menuu) não era diferente. Tudo em francês para o meu vexame e os preços faziam meus olhos saltar da cara de tão alto que eram. Dava para pagar dois meses a mensalidade do colégio. Nathaniel notou o meu embaraço e indagou gentilmente.
- Quer que eu escolha?
- Por favor.
Ele falou em francês para o metre que recolheu o nosso menu. Ele pediu pães com "foie gras de canard", como entrada. (tradução patê te figado de pato) Mais conhecido como canapé Eu achei muito gosto, nunca havia comido. Depois o prato principal era "homard", lagosta, mas vinha tão pouca coisa que eu não sabia se podeira pedir uma porção gigante de batata frita.
- O que foi? - indagou ele percebendo.
- É que eu queria comer muita batata frita! - ele corou e riu e levantou o dedo rapidamente sobre a mesa e disse: croustille
Aquele francês todo estava me enjoando. Quanto frescura, mas não podia fazer desfeita com um convite. Eu parecia uma pedra na mesa com medo de me mover demais e ser deselegante ou derrubar algum copo com a minha mão estabanada.
Depois ele pediu um creme de cebola com gongozola pra ambos, pelo mesmo esse veio igual sopa o pote cheio para a minha felicidade. Eu ia com a colher com o maior cuidado na boca para não fazer barulho, só que ela era danada e fugia pela laterais dos lábios escorrendo. Nathaniel pegou o guardanapo de pano que repousava sobre o seu colo e com a ponta limpou-os para mim, fazendo uma cara muito sexy.
Finalmente para a minha felicidade a sobremesa! Petit Gateu de Chocolate com sorvete de creme! Esse eu conhecia! E amava! Porém o deles era algo tão divino que acho que senti até um "orgasmo" de tão bom que era. Nathaniel com a mão sobre a mesa sem triscar o cotovelo pegou na minha mão direita e notou que não usava o anel. Achei que iria me cobrar, mas não. Acariciando as costas das minhas mãos com o polegar indagou:
- Você quer casar comigo?












         

{ 18 comentários... read them below or Comment }

  1. Respostas
    1. fala que nãooooo (gritando quenem uma doida) esse cara é fingido pra caramba fica com o jade .. (isso se ele não te deu um fora ._.')

      Excluir
  2. Poxa pensei que a Euphi ficasse com o Jade :(

    ResponderExcluir
  3. euphi vc n pode aceitar se não vc será mt infeliz!

    ResponderExcluir
  4. sua fic mais pareçe um anime ou manga,so fautava ter um dia em fazem festival e se veste de maid(empregada) kkk,vc devia tentar kkkkk

    ResponderExcluir
  5. Isso ai Lionella... castiel castiel...

    ResponderExcluir
  6. É acho que as meninas tem razão o Castiel é melhor =^-^=

    ResponderExcluir
  7. o cast ficou mais meigo por sua causa euphi ele quer vc ele gosta da jê e ama vc,mas no fundo vc e unica pra ele!

    ResponderExcluir
  8. Euphi não pode casar com o nath U.U

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. anny kkkkkk casa com o nath a ephi com cast , a liindinha com o menino de surf parecido com o nath que tal ? .-.

      Excluir
  9. Nããããão a Ephi tem que casar com o Castiel, akele ... ''TESUDO'' KKKKKKKKKKKKK'

    ResponderExcluir
  10. Castiel!!!!!!!!!!Fica com castiel!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Por favor não me cobrem quando irei postar.
E por favor respeitem as opiniões e não comentem coisas que podem ser construtivas, pois elas soam como critica.
Obs: Essa ideia é protegida pela lei 9610 de 19/02/1998, qualquer cópia ou rescrição da mesma como plágio, repete a punição conforme consta em lei.
Ou seja, eu sou a criadora, eu sou a única dona.

- Copyright © Amour Glacé - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -