Popular Post

Posted by : Euphimea segunda-feira, 30 de julho de 2012



( Eu disse que o Leigh iria ficar com a Rosalya, mas para ficar com o Castiel precisei colocá-lo com a Jenna que também gosta dele!n.n)

Mal começamos a namorar e já tivemos a nossa primeira discussão. E como fui a errada eu resolvi pedir desculpas para ele:
- Desculpe... Castiel... coloquei o dedo na sua ferida não é?
- Huff... - resmungou sem me encarar.
-  Que idioma é esse? Isso é um sim ou um não? - tentei descontrair para quebrar o clima. Ele suavizou um pouco o rosto. Percebi que passamos direto pelo prédio do apartamento. Fiquei calada até Castiel resolver falar alguma coisa. Depois de alguns minutos de silêncio que para mim pareciam horas ele resolveu falar:
- Olha Euphi... eu fiquei muito chateado com o que você falou, mas como hoje é um dia muito especial eu deixo passar. Gostaria muito que você medisse as suas palavras e voltasse a ser como era antes. - deixou bem claro sem me olhar enquanto sua mão esmagava a minha.
- Tudo bem Castiel... poderia afrouxar só um pouquinho a mão? - ele afrouxou alegando que tem o costume de apertar a mão quando está com raiva.
Eu ainda estava perdida e não sabia se deveria ter lhe dado aquele sim. Claro que não estava arrependida, porém teria que voltar aquele campo minado. Castiel odiava que desconfia-se dele ou coisa parecida. (vale para o ep.5 no jogo) E como sou muito faladeira era uma tortura ter que vê-lo calado daquele jeito e também não queria insistir. Dei um longo suspiro que ele foi logo interpretando mal:
- Já está de saco cheio? Mal começamos...
- Não, não estou. Só suspirei porque você está de cara amarrada fazendo bico.
- Bico? - indagou franzindo a testa estranhando.
- Sim... um enorme bico. - e virou para o prédio espelhado vendo seu beicinho aparecendo. De repente começou a rir.
- Não sabia que fazia bico quando estava com raiva. Achei que era mais assustador.
- Posso dar um beijo nesse bico assustador? - brinquei com ele já que suavizou mais um pouco, corando. Ele já curvou o corpo soltando minha mão e escondendo as suas para trás. Segurei o seu rosto e o beijei ternamente. Depois ele me abraçou e aquilo era "aceito suas desculpas". Olhei para ele que estava sorrindo. Que bom! É tão gostoso vê-lo assim! Voltamos a andar de mãos dadas e entrelaçadas.
- E então? Agora que somos namorados o que vamos fazer?
- Sempre falando, né Euphi? Você gosta de estragar surpresas.
- Ôh! Vou ganhar uma surpresa é? Hum... então tá bom! Não pergunto mais.
- Muito bem, caladinha. - brincou de volta.
Levou-me para um restaurante não muito caro para almoçar e eu fiquei muito feliz. Bom... ele pagou a conta novamente! Pelo menos esse era o lado positivo de ter um namorado machista.
- Eu comprei algo que se um dia isso acontecesse eu lhe daria. - começou a falar envergonhado, que fofo! Tirou do bolso da jaqueta uma pequena caixinha aveludada vermelha e eu pensei: Lá vem o anel... Abriu a caixa e era uma aliança de prata. - Está vendo? - indagou mostrando a mão direita dele que continha uma aliança prateada.
- Ah, uma aliança também. Você não tirou ela, já que terminou o namoro com a Jenna. - lembrei-o, ele fechou os olhos e deu um sorriso.
- Euphi... Euphi... você é desligada mesmo. Eu comecei a usá-la bem antes de namorar a Jenna.
- Hã... está querendo me dizer que você já usava essa aliança com uma expectativa que um dia iramos namorar? Como estivesse compromissado com alguém?
- Bingo! Minha Euphi não está lerdinha hoje!
- Bom... vou encarar isso como um elogio.
- Mas foi um elogio. - não reclamei, afinal desde quando ser chamada de lerdinha é elogio? Dei-lhe a mão direita e ele colocou a aliança beijado as costas de minha mão. Abri um sorriso para ele e este apontou para a boca pedindo beijo. Eu me aproximei o beijei como agradecimento.
- O que vamos fazer agora? - indaguei a ele.
- Hum... várias coisas: Podemos nadar pelados no rio...
- Fala sério! - dei um tapa no braço dele, corada e sorrindo.
- Podemos ir lá para casa... meus pais estão viajando... você sabe, não? - eu já imaginaria que ele iria me dizer esse tipo de coisa e eu fechei a cara meio sem graça. - Estou brincando Euphi... se bem que uma hora e um dia vamos acabar fazendo.
- Olha... Castiel vamos... mudar de assunto? - indaguei desconcertada.
- He, he... parece um neném. - me abraçou deixando-me ainda mais vermelha.
- Você adora zoar com a minha cara né?
- Ah... Euphi... é legal... não faço por mal não. Você fica toda vermelha. Tão lindinha a minha virgenzinha.
- Para! - implorei colocando a mão no rosto de vergonha. Ele continuou rindo se divertindo as minhas custas, ainda enroscado ao meu redor.
- Ok, eu já parei. - falou e eu tirei a mão do rosto aliviada, mas ainda sentia o sangue em minha face.
Levei algum tempo para ficar normal enquanto reparava em suas expressões. Quando foi que eu comecei a gostar dele? Quando? Eu preciso saber!
- Já que somos namorados agora eu gostaria de pedir para você cantar o refrão de "Orion Shout Out" pra mim.
- Hum... - abriu um sorriso malicioso. - Posso cantar ela toda se você quiser... - se aproximou do meu ouvido direito. Quando o som da primeira palavra saiu de sua boca aquela descarga elétrica de um raio atingiu meu sistema nervoso fazendo meu corpo estremecer pela aquela rouquidão. E o sendo sussurrado me deixava em completo êxtase, dando alguns calafrios digamos assim. Quando terminou eu nem percebi, pois viajava. Ele deu-me um selinho para despertar.
- Bom dia Cinderela! - zombou.
- Em primeiro lugar eu não estava dormindo  e em segundo lugar quem dorme é a Bela Adormecida, princesa Aurora. - respondi com um tom meio zangado.
- Hum... espero que isso seja uma brincadeira. - parecia uma pergunta.
- É claro! Brigar por uma bobagem dessas!
- Sei lá... você está estranha ultimamente.
- Hã... por que eu deixei de ser uma chorona solitária que precisava constantemente do meu herói galante para me salvar?
- He, he, o que você está dizendo aí? Acha mesmo que eu tinha pena de você?
- Não sei... acho que não.
- Eu gosto de você despreocupada. Fica bem melhor!
- Tudo bem... eu vou me esforça para continuar assim. - disse sorrindo e ele fechou a cara. Achei muito estranho e logo me respondeu:
- Euphi... seja você mesma. Se quiser ficar irritada fique, se chorar ... chore não sou ninguém para controlar os seus sentimentos. E continue me odiando... pois assim eu continuo caindo de amores por você.
- Hã? - eu realmente não entendi. - Você gosta de ser maltratado?
- Eu não disse isso. Não gosto de garotas melosas e pegajosas, acho que já lhe disse isso. Eu gosto quando você briga comigo. Dá mais adrenalina, sabe? Acho que mantem a chama acesa!
- Você é bem estranho. - comentei.
- Espero que isso seja um elogio.
- Se você vê assim...
- Huff... isso não foi um elogio. - e fechou a cara virando o rosto.
- Faz de novo! - provoquei com a voz alegre.
- De novo o quê? - ficou confuso.
- Esse som que você faz com a garganta.
- Pra quê? - indagou desconfiado.
- É que o seu nariz se move! - exclamei feliz e curiosa.
- Huff...
- Aaahh! Que fofo! - comemorei o deixando envergonhado. - Faz de novo! - eu parecia uma criança.
- Ah... não Euphi. - pediu sem graça.
- Ora... se você tem todo o direito de me deixar envergonhada... eu como sua namorada oficial tem esse direito também! - frisei.
- Não vou fazer. - respondeu levemente irritado. Fiz cara de pidona entrelaçando os dedos e arregalando os olhos. - Hã... não. - sacaneou terminando de comer a sua sobremesa.
- Você é tão mal. - falei me lamentando. Castiel abriu um sorriso de boca fechada rápido como quem diz "sou mesmo" e voltou a mastigar aquela torta maravilhosa que ele comia.
- Quer um pouco?
- Sim. - respondi já metendo a mão no garfo e ele tirou-o rapidamente deixando-me no vácuo. Achei que estava de brincadeira, mas virou a extremidade com o pedaço para mim dizendo:
- Abre a boca. - eu corei na mesma hora e obedeci. Levou o garfo até ela e eu mordi puxando a torta para dentro da minha boca com os dentes. - Relaxa Euphi. Somos namorados agora. Qualquer coisa você empaca, eu hein. - reclamou e eu tentei me tranquilizar.
Logo chegaram algumas meninas do colégio e sentaram perto da nossa mesa. Eu liguei a minha antena parabólica para ouvir o seus comentários:
- Aquela ali não é a garota esquisita da Euphimea?
- Ah... sim. Já está traindo Nathaniel-senpai de novo.
- Sim. Com o gatinho do Castiel-kun.
- Não sei o que eles viram nela, tão magra, pálida. Parece uma assombração. - eu fiquei em choque e estava me preparando para me defender quando Castiel se levantou e dirigiu-se para a mesa delas. Estas ficaram vermelhas e muito assustadas com a presença dele.
- A Euphimea-chan não está traindo ninguém e muito menos eu... ela é a minha namorada agora. - elas ficaram brancas.
- Não é possível!
- Castiel... com a Jenna seria mais fácil tirar você dela, mas da Euphimea...
- Eu a amo. - cortou a discussão as deixando roxas.
Eu fiquei chocada ao ouvir o que saiu de sua boca. Ele sentou aborrecido na cadeira novamente e as encava com uma fúria no olhar. Elas ficaram tão mal que trocaram de mesa indo para o fundo do restaurante.
- O-obrigada. - gaguejei ainda sem acreditar.
- Você é a minha namorada, certo? É normal eu lhe defender na frente dos outros.
- Mas é notável que aquelas quatro gostam de você.
- E daí? Eu estou com você, não estou?
- Sim...
- Então vai logo se acostumando com o falatório. - interrompeu aborrecido.
- Vou tentar...
- Além do mais... - abriu um sorriso me interrompendo de novo. - Eu sou o cara mais popular do colégio.
- V-você! - exclamei chocada. Eu achava que era o Nathaniel, nunca imaginei que fosse ele!
- Você irá percebe logo, logo... - e não completou a frase fazendo cara de zombeteiro. Castiel o mais popular do colégio? Nããoo! Ele está blefando. O jeito é esperar pra ver. - E aí? Vamos embora? - indagou levantando. - Sua bunda vai ficar quadrada se continuar sentada aí.
Eu corei e levantei-me saindo pelo outro lado e este avançou segurando em minha mão. Ah, é... agora eu estou namorando. Era tão estranho. Já estava acostumada a ficar um bom tempo solteira e agora ter alguém era muito esquisito.
- Quer ver o Lupie? - indagou fazendo-me voltar de meus pensamentos.
- Ôh, você ainda está com ele?
- Claro, ele é meu agora, já que a dona é uma grande fujona!
Era verdade. Quando ele começou a namorar a minha amiga eu o evitava de todos os meios possíveis e inimagináveis. Fomos caminhando para a sua casa que ficava há alguns quarterões dali e no meio do caminho eu encontro a maldita Ambre acompanhada de suas guardas-costas.
- Castiel-kun querido. - sorriu ela e eu já abaixei a cabeça para me prepara da ameaça iminente. - Está de novo com a assombração. Eu sei que você adora filmes de terror, mas trazer a realidade para se relacionar, ai já é demais. Há, há, há, há. - riu ironicamente.
- Escute aqui Ambre...
- Ela é a minha namorada agora. - disse interrompendo-me a deixando branca. Ela ainda estava suspensa e não estava muito por dentro dos fatos. Ela acha que as coisas continuavam as mesmas. Eu traindo Nathaniel com ele.
- V-você está falando sério? - gaguejou ela sem acreditar. Ele levantou a mão direita com as costas virada para ela mostrando a aliança prateada e levantou a esquerda junto com a minha mão direita virando-a e mostrando o anel no meu dedo. Ela ficou passada, não petrificada... em completo choque.
- Vamos Euphi. - disse me puxando e eu continuei olhando para a Ambre paralisada de terror, suas amigas tentando fazê-la voltar ao normal.
- Eu fiquei preocupada com a Ambre. - confessei para o espanto dele.
- Por ela? Por quê?
- Ela realmente gosta muito de você.
- Não estou nem aí pra o que ela sente ou deixa de sentir, contanto que ela largue do meu pé... e você?
- O que tem eu?
- Por que está tendo compaixão de alguém que lhe fez tão mal?
- Bom... eu não sei. Talvez por ser boazinha demais.
- Hum... interessante. Não conhecia esse lado. Será que por isso que você se apaixonou por um mal caráter como eu?
- Eu não sei, mas você não é mal caráter. Também gostaria de saber quando eu comecei a gosta de você.
- Foi quando você me viu treinar para o show, na 6ª-feira. - ele me respondeu para o meu espanto.
- Como assim? Como você lembra disso?
- Embora  nunca tenha percebido eu nunca tirei os meus olhos de cima de você. - aquela revelação foi bombástica.
- Você não desistiu de mim nem por um segundo, mesmo eu deixando claro que não gostava de você?!
- Ôh... interessante não? Quanto mais você fugia de mim, mais eu adorava! Era tão bom lhe caçar. - disse zombeteiro como se eu fosse alguma presa. Alias, eu era mesmo a presa daquele monstruoso tigre de bengala. - Eu lembro de cada detalhe como se fosse ontem. Você desceu para a quadra e ficou parada perto da escada olhando-me de cima a baixo, então de repente corou. Foi a deixa para eu começar a investir em você. - disse sorrindo parecendo uma criança.
- Eu fiquei sem graça, porque a Chantilly me provocou.
- Hum... é mesmo? Acho que não. Você viu que eu sou um cara muito interessante. - brincou.
- Há, há como é convencido.
- E cada ela?
- Ainda não se recuperou do tapa que levou de Nathaniel.
- O quê? Ele teve a coragem de bater em uma pequena criatura. - ficou vermelho de raiva. - Amanhã vou encher a cara dele de pancada!
- Castiel, calma! - pedi entrando na frente dele. - Sem violência, ok? - então comecei a explicar para ele o que havia acontecido.
- Hum... estou gostando cada vez mais da Chantilly.
- Fico feliz, e o Marshmallow?
- Huff... mandei ele dá uma volta. Estava me incomodando muito.
- Mas você tem que aprender a aceitá-lo.
- É irritante aquela coisa luminosa voando na sua cabeça, não?
- Eu me acostumei. E acho que você deveria fazer o mesmo... embora ele sendo parecido com o Nathaniel.
Ele respirou fundo e chamou o silfo dizendo que fazia por mim.
- Oi Euphi-chan! - apareceu de repente.
- Oi Marshmallow. - respondi animadamente.
- Fico feliz de vê-la com Castiel-chan. Só a Euphi-chan para dar um jeito neleee... - gritou quando Castiel tentou agarrá-lo com sua mão livre.
Então já havíamos chegado. Nem percebi, claro conversando a gente nem sente. Lá estava Lupie enorme de gordo correndo em minha direção parecendo um bezerro seguido por Dragon que agora eram bons amigos. Digo submisso ao Dragon... pois depois de pular em cima de mim para me lamber quis pular na cara de Dragon que com um  rosnado o vez virar imediatamente de barriga para cima e abriu as pernas.
- Vamos. - falou me puxando para dentro da casa todo empolgado. O que ele planejava fazer? - Senta aí. - disse jogando-me no sofá e saiu. Logo voltou trazendo um violão consigo. - Eu e Duque Ly estamos fazendo uma música nova... escute. -ele começou a tocar e depois de um tempo, cantou:
- Eu não uso roupas de marca,
Eu não vou para os melhores colégios,
Mas eu sei,
Não sou nenhum tolo, amor.
Eu posso não ser uma estrela,
Eu não dirijo um carro.
Mas eu sei, eu posso te fazer feliz, amor.
Eu não sei o que foi usado para...
Nunca estive com uma garota como você.
Mas eu posso te dar um amor verdadeiro para o seu coração.
Não coisas materiais.
Eu te darei a minha canção. Nah, Nah..." (De André- Brilhante Vitória) Só conseguimos ir até aqui. O que você acha?
Ficou surpreso, pois eu estava emocionada. A música de fato era bonita.
- Euphi... como você é chorona! - exclamou sem brigar ou se irritar. - Se eu tivesse dito que estava compondo para você, ai sim...
- O quê! - corei e chorei mais ainda.
- Deixa disso vai. - largou o violão encostando-o no sofá vindo para o meu lado abraçar-me. Parei de chorar feito uma boba.
- Você é tão legal comigo. - comentei ainda emocionada. Ele pegou o celular e tirou uma foto. - O que você está  fazendo?
- Olha como você chora. - mostrou-me a foto.
- Que horror apaga isso, por favor! - pedi enquanto ele brincava levantando o celular para o alto. Joguei todo o meu corpo para tomá-lo e cai em cima dele no chão. Eu fiquei muito corada, porque eu cai com a mão... digamos assim... em uma parte ... bem...volumosa. Então levantei-me rapidamente, mas Castiel me puxou fazendo cair sobre o peito dele, para não machucar meu nariz virei o rosto e meu ouvido ficou direto no seu coração. Seus tentáculos logo me abraçaram e ficamos assim deitados no chão. Eu fechei os meus olhos era tão bom ouvir, outra vez, seu coração batendo.
- Agora é a minha vez. - disse para o meu desespero dando uma cambalhota no tapete de lã ficando por cima.  Eu fiquei vermelha e ele foi logo encostando a cabeça. Sem perceber ele estava no meio das minhas pernas e ainda bem que sou baixinha, pois sua barriga ficou no meio delas. Meu coração acelerou só de sentir sua respiração subir e descer entre elas. - Me abraça Euphi! - protestou fazendo uma voz de criança, pois meus braços estavam caídos junto ao meu corpo. Eu obedeci e senti sua bochecha se movendo indicando que ele sorriu. - Eu sei... que vou cortar o clima... mas com a Jenna era impossível fazer isso. Ela era muito mais travada que você.
É... ele quebrou totalmente o clima. E eu tentei ignorar esse comentário. Depois que o efeito da surpresa passava, meu coração começava a correr e as minhas palmas ficavam suadas. Mãos não suem! Não me façam desejá-lo! Ainda não é a hora! Começamos a namorar hoje! De novo começou o tremor no corpo. 
- Ah... - suspirou alegremente. - Eu gosto quando você treme em meus braços. 
- Castiel! Para de ser pervertido! Sua casa é um pouco fria. - desconversei, ele levantou ficando de quatro e olhou nos meus olhos movendo-se um pouco para cima.   
- Vamos fazer um teste? - e abaixou o quadril encostando-se em mim, fazendo-me ficar roxa na hora. 
- Você... você é maluco! - protestei levantando-me como um caranguejo apoia com as mãos  e tentando sair debaixo dele. Ele ria sem parar virando de costas e deitando sobre o tapete. 
- Tinha que ver a sua cara de espanto Euphi! Muito boa!
- O que você queria encostando em mim dessa maneira?! - briguei com ele ficando em pé tentando me acalmar enquanto meu corpo tremia.
- Você nunca tocou num corpo de um homem? - indagou sério. Não era de brincadeira.
- É claro que não! Para de me fazer perguntas indecentes! - exclamei cruzando os braços e Castiel ficou em pé segurando o meu pulso e enfiando a minha mão por baixo da sua blusa enquanto a deslizava em seus adoráveis quadradinhos do seu tanquinho, descendo cada vez mais fazendo-me sentir o elástico de sua cueca. Eu fiquei duplamente vermelha recuando caindo sentada no sofá. 
- E você já foi tocada por um homem? - perguntou estalando os dedos das mãos como se fosse tocar um piano. Já foi logo enfiando a mão na minha barriga por baixo da blusa.  
- Para por favor! - gritei em pânico. Ele obedeceu e se levantou jogando-se no outro sofá, de dois lugares dando um suspiro. 
- É só brincadeira Euphi. - argumentou fechando os olhos. - Além do mais... somos namorados. - continuou  e abrindo os olhos me encarando. - Uma hora irá rolar. - disse com a maior naturalidade do mundo. - Não precisa ficar roxa. - e tirou outra foto me mostrando. 
- O quê? Apaga isso imediatamente! E não pense que eu vou me jogar em cima de você de novo! - reclamei virando-me de costas para ele cruzando os braços. 
- Hum... não estou afim de apagar. - disse com a voz levemente aborrecida, pois eu havia acabado de dar uma ordem para ele. - Quero fazer uma coleção de suas expressões. - brincou em seguida. 
- Ok, faça como quiser. - disse sem dar o braço a torcer ainda de costas. E eu escuto outro som de foto virei-me ferozmente. - O que foi que você fez dessa vez?! - ele me mostrou e havia tirado foto da minha bunda. - Castiel! Pare de brincadeiras! Delete essa foto já! - exclamava e pulava para pegar o celular dele, mas tentando não cair em cima. Então eu desequilibrei caindo sobre ele de novo, mas dessa vez só a metade do meu corpo. Ele deixou eu pagar o celular e apagar a foto, mas não deixou barato dizendo de sacanagem: - Gosto de mulheres que ficam por cima. - eu fiquei branca e corada desistindo de fazê-lo parar de me deixar sem graça. 
- Quer assistir um filme? - indagou-me mudando totalmente de assunto de repente.  
- Sim... obrigada.
- "Obrigada"? - repetiu sem entender. 
- Nada não, deixa pra lá.
- Qual tipo de filme você gosta?
- Quase todos, menos drama, guerra e terror. 
- Quer ver Piratas do Caribe? 
- Ôh! Eu amo o Jack Sparrow! - e assim ele tirou o blue-ray colocando no aparelho embutido na televisão.
- Vou fazer pipoca. - disse indo para a cozinha enquanto eu assistia o "making off", rolando de rir com as besteiras de Johnny Deep. Pelo menos poderia relaxar agora. E de repente me peguei sorrindo. Só o Castiel mesmo para fazer esse tipo de brincadeiras. Já estava com saudades de sorrir.
Depois de alguns minutos Castiel voltou com uma bacia imensa de pipoca com manteiga e sentou ao meu lado no sofá para assistir o filme. Nos divertimos muito com o filme e já era o final da tarde. Preocupada disse:
- Acho melhor ir embora... está escurecendo. 
- Relaxa Euphi... - falou passando o braço sobre meus ombros. - Depois eu te levo. 
Se eu ficasse mais um pouco não faria mal algum. Castiel já foi deitando no meu colo e eu a pentear seus cabelos com os dedos. Procurou outro filme na TV a cabo e no fim assistimos vários seriados da Fox. Quando olhei a hora já eram 23 hrs e apavorada acordei Castiel que cochilava. 
- Está muito tarde! Leva-me embora, Castiel. - ele olhou o relógio e disse que mesmo aquela cidade de interior, sair aquela hora seria perigoso.
- Vou arrumar um lugar para você dormir. - comentou e se levantou.
- O quê! - exclamei duplamente apavorada. - Eu vou dormir na sua casa! - parecia uma pergunta. Ele segurou na minha nuca inclinou o rosto e com um selinho respondeu: 
- Fique calma... eu não vou lhe agarrar... a não ser que você queira. - disse com a voz de malandro e saiu. 
Mandei uma mensagem para Anny dizendo que ela não precisava dormir no meu quarto, pois eu iria dormir na casa de Castiel. Ela me respondeu: "Safadinha... tenha uma ótima noite! Não vai se cansar. U.U Mas vou fazer companhia para a Jenna, a Kelly não se importa de dormir sozinha".            
Eu ri e fiquei corada, só a Anny mesmo para dizer aquele tipo de coisa. Quando Castiel voltou usava t-shirt verde e bermuda preta, de pés descalços. Ofereceu-me um "blusão" amarelo conduziu-me pela mão até o corredor dos quartos.
- E ai onde eu vou dormir? - indaguei tentando ficar calma.
- Aqui. - respondeu abrindo a porta do seu quarto. Eu não acreditei e fiquei branca. Pelo menos havia um colchão que ele dava para as visitas. Percebi que seu quarto estava diferente, não tinha nenhum poster na parede e nenhum boneco de filmes de terror. Parecia o quarto de um adolescente normal, como se ele tivesse feito aquilo esperando eu ir para sua casa novamente. Dirigi-me para o colchão e ele disse: - Não... a princesa irá dormir na minha cama, eu dormirei no colchão. - achei aquilo tão fofo da parte dele. Mas antes eu precisava ir no banheiro pelo menos lavar a boca, voltei e deitei na sua cama.
De fato era uma experiência nova para mim, dormir no quarto de um garoto, pois o meu primeiro relacionamento não foi um namoro decente. E aquela cama era enorme para mim, já que ele é alto tinha que comprar uma cama cumprida mesmo para que seus pés não ficassem do lado de fora.
Naquela noite fazia muito frio e eu parecia uma bola dormindo embaixo do edredom. Nem sei como estava Castiel, pois dormia de costas para ele e virada para a parede.
Na manhã seguinte acordei com alguém me abraçando e virei a cabeça de vagar para ver. Para minha surpresa Castiel havia se enfiado debaixo do meu edredom de madrugada e dormimos de conchinha. Corei-me um pouquinho. Como é malandro esse menino! Não podia me mover muito para não acordá-lo, mas eu precisava saber que horas eram.  

   Eu precisava sair dali. Virei-me lentamente para ele e olhei sobre a sua cabeça pela janela a posição do sol, pois eu saberia mais ou menos a hora. Quando volto a olha-lo este abriu  seus olhos.
- Dormiu bem? - foi a primeira coisa que me perguntou com os olhos preocupados. Na certa achou que eu iria brigar por ele ter invadido minha cama no meio da noite.
- Dormi. - respondi tranquilamente, não estava aborrecida e nem envergonhada. - Na verdade eu preciso lhe agradecer.
- Agradecer? - estranhou.
- Mesmo com o edredom eu senti muito frio.
- Eu percebi... você não parava de tremer. Se eu soubesse que você não iria brigar teria entrado aqui há mais tempo. - disse corando.
- Eu lhe acordei?
- Não, já estava acordado. Só queria ficar assim mais um pouco.
- Eu precisava saber das horas. - Castiel virou-se um pouco e esticou o braço até o criado mudo para pegar o seu relógio e disse:
- São 6:00 da manhã.
- Bem... temos que ir para o colégio. - disse sentando-me e ele ainda com seu braço puxou-me para perto de si e falou com voz infantil:
- Ah... colégio tem todos os dias e ficar assim com você não será sempre. Quero passar mais um dia com você. - eu corei por um único motivo. Todo homem acorda meio... volumoso e a minha perna estava encostada exatamente ali.
- Eu bem... que gostaria... mas você escolheu uma namorada certinha. Além do mais... vamos nos ver no colégio, somos da mesma sala, podemos passar o intervalo juntos. - eu dizia de olhos fechados tentando me acalmar. Ele virou a metade do corpo para mim apoiando os braços e olhando nos meus olhos. - O que foi? indaguei abrindo meus olhos ao sentir ele se movendo.
- Prometa-me que nunca irá se separar de mim? - ele me perguntou corado. "Mas namoros acabam". - pensei. Ah... entendi. Ele estava precisando ouvir que realmente pode contar comigo para o que der e vir que eu nunca iria abandoná-lo.
- Não irei abandoná-lo se é isso que quer saber. - ele sorriu e segurou minha nuca curvando minha cabeça para beijá-lo.
- Obrigado. - sussurrou encostando a testa na minha e levantou. Eu rapidamente cobri meus olhos com as mãos e esperei ele entrar no banheiro. Era complicado... mas era divertido. Ao mesmo tempo que eu ficava nervosa ele me deixava confiante, naquele momento era mais fácil lidar com ele.
Da mesma forma que Castiel precisava de mim desesperadamente eu também precisava. O dia amanheceu frio e eu não queria aparecer no colégio com a mesma roupa de ontem. Teria que falar para Castiel que eu iria no apartamento primeiro mudar de roupa e tomar um banho. Ele saiu do banheiro enrolado na toalha com o peito desnudo e gotas de água escorriam em direção ao seu abdome. Eu corei de imediato virando o rosto, mas era uma imagem muito linda.
- Como você sai nu desse jeito?! - protestei.
- Eu estou no meu quarto. - respondeu abrindo o armário soltando as duas mãos dá toalha. Achei que ela iria cair cobri os olhos com as mãos, porém expiei entre os dedos. Ele conseguiu prendê-la na cintura.
- E daí? Eu sou uma garota sabia?
- O que tem demais? Você é minha namorada lembra?
- Isso não é justificativa de ficar pelado na minha frente. - rosnei.
- Eu não estou pelado, estou enrolado na toalha.
- Mas por baixo dela você está! - gritei ainda olhando para o chão.
- Você quer conferir? - indagou virando o corpo e apontando para a toalha.
- Não! - neguei nervosa e balançando a cabeça desesperadamente. Ele começou a rir encostando na divisão do guarda-roupas. - Não acho graça nenhuma.
- Ok, ok. Vamos fazer uma troca? Mude a sua roupa dentro do banheiro que eu mudo a minha aqui.
Eu concordei com a ideia e peguei minhas roupas correndo para o banheiro cheio de vapor. Sei que os homens só pensam naquilo, mas Castiel era demais. Que menino tarado! E de repente acabei sorrindo. Esse jeito dele de espontaneidade fazia-me rir. Mesmo ele parecer ser assustador as vezes, eu não me importava, pois agora eu sei o quão legal ele era. E essa era uma das características que eu gostava em um rapaz, extrovertido, não como Alex que era o tempo todo engraçado e irritava, só a Kelly para gostar dele. Era difícil saber quando ele falava sério e quando ele brincava, já Castiel dava para saber.
Depois de mudar de roupa, eu desejei por trocá-la, mas só quando chegasse no meu apartamento. Quando sai Castiel não estava mais lá, só a sua toalha molhada em cima da cama exalando aquele cheiro tão gosto de sua pele e sabonete. Peguei-a para pendurar para secar, mas não resistir de cheirá-la antes. Era um cheiro muito bom que fazia meu coração acelerar. Arrumei-a esticada e sai para saber onde ele estava. Logo senti um cheiro de café de máquina então constatei que ele se encontrava na cozinha. Não deu outra. Cheguei lá a mesa exposta com duas xícaras, dos pratos e duas torradas com manteiga. No centro uma cesta com frutas, uma jarra de suco de laranja, dois iogurtes pequenos, geleia, mel, queijo e leite.
- Nossa! - exclamei boquiaberta. - Você quem preparou tudo isso?
- Só peguei o que tinha na geladeira. - respondeu colocando a jarra de café da máquina em cima da mesa de vidro.
- Eu nunca tive um café tão farto como esse, só em hotéis.
- Que bom que você gostou. - sorrindo certificando a mesa olhando cada item. - Esqueci de alguma coisa?
- Guardanapos. - respondi sentando e cortando o queijo para colocar na torrada.
- Ah... verdade. - e se levantou abrindo o armário. Pegou-os e colocou no centro da mesa para que eu pudesse alcançar. Eu estava surpresa e admirada. Quem diria que um menino rebelde de 16 anos podia fazer uma coisa dessas. Se bem que, meu rosto ficou triste, ele vive a maior parte do tempo sozinho.
- O que foi? - indagou preocupando ao ver a minha cara.
- Ah! Não é nada! - tentei me animar rapidamente abrindo um sorriso de melancia fazendo minhas bochechas doerem.
Depois do café finalmente pegamos nossas coisas e saímos, quando Castiel abriu a porta eu dei de cara com uma múmia assustadora.
- Aaahhhh! - gritei.
- Calma Euphi. - tentou segurar o riso. - Essa é a Nana-san e faxineira aqui de casa. Ela vem todas as manhãs para arrumar e deixar comida.
Eu olhei para ela e vi que deveria ter uns 80, 90... 100 anos de idade. Por não está mais produzindo hormônios era gordinha e baixa. Deveria ter uns 1,53m. Fui me curvar para cumprimentá-la ela desaparecera entrando na casa. Olhando-me de cima a baixo e perguntou para o Castiel:
- Sua namorada Castiel-sama? - era tão estranho ouvi alguém o chamar de "sama".
- Sim. - respondeu fechando os olhos e sorrindo com a boca fechada. A velha continuou me olhando de cima a baixo.
- Fizeram? - foi outra pergunta me deixando vermelha e furiosa virando-me ferozmente.
- O que é isso?! Uma investigação policial?!
- Não. - respondeu ele. Eles estavam me ignorando completamente. - Ela fugiu de mim ontem. - completou.
- Para de fazer esses movimentos com os dedos de abre e fecha! - gritei parecia que apalpava alguma coisa. A velha de repente desapareceu e quando percebi estava atrás de mim apertando os meus seios. Eu gritei envergonhada e Castiel só sabia gargalhar.
- Hum... tamanho bom... - disse se afastando me deixando roxa de vergonha. - Ela usa blusa larga para disfarçar.
- Quanto? - quis saber Castiel muito interessado.
- M... precisamente 42. (é verdade eu tenho esse tamanho mesmo.) Ele fez uma cara de safado mordendo o lábio inferior e colocando o dedo no queixo em forma de "L" deitado. Fez os movimentos com os dedos novamente aproximando e eu gritei:
- Afaste-se de mim já! - dei alguns passos para trás e de repente parei, pois senti a velha apertando os meus glúteos.
- Sua velha sem vergonha! - rosnei pulando para o lado.
- Bumbum pequeno, mas empinado... precisa comer mais menina. Você é muito magra.
- Eu vivo falando isso para ela. - concordou ele fazendo cara de bobo e cruzando os braços.
- Precisa de sustança! Nana vai fazer comida muito boa para Euphi-san de Castiel-sama ficar gordinha. Ele gosta de carne.
- Isso é verdade. - concordou de novo com a mesma cara e balançando a cabeça positivamente. Furiosa o peguei pela mão o arrastando para fora.
- Vamos... se não chegaremos atrasados. E eu ainda tenho que passar no apartamento.- eu batia os pés e soltava fumaça pela cabeça.
- Não fique assim Euphi. Nana conheceu a minha ex e estranhou um pouco você, só isso.
- Só porque eu não sou uma roqueira toda tatuada? Ou uma menina que já foi pra cama? ( isso é verdade a ex dele é assim U.U, aquela baranga!) Ele deu-me um puxão que eu quase caio para trás e me abraçou pela barriga fazendo-me corar.
- Deixa de ser boba... eu gosto de você do jeito que é. - falou com a voz suave. Eu fiquei chocada. Até que ele é carinhoso.
   







{ 15 comentários... read them below or Comment }

  1. hahahaha, castiel safadenho U.U

    ResponderExcluir
  2. achei pesado mas...kawaiiiiiiiii.lindaaaaa sua fic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pesado? Tirei a ideia do mangá L-DK.

      Excluir
    2. Que anime vc assiste? De criancinha?

      Excluir
    3. kkkkkkkk , a moça é poco tarada kkkk eu quase me borrei de rir kkkkkk meu pai penço que eu tava tendo um ataque de loucura kkk parabens

      Excluir
  3. Adoro sua Fic . Tá de Parabéns S2 *~*

    ResponderExcluir
  4. Nuussa sua fic é demais Parabéns s2

    ResponderExcluir
  5. Meio "pesada"...Podera terdizendo pra quantos anos é né? Se eu não estivesse lendo junto, meu primo iria acabar lendo coisas que não divia..Mas super 10! AMEI

    ResponderExcluir
  6. to adorando as historias e ve se nao demora pra escrever novas historias to curiosa!!
    tadinha da Jê!!!!mas se bem k ela ficou melhor c o Castiel,amei!!!

    ResponderExcluir
  7. quando o Jade vai aparecer de novo?

    ResponderExcluir
  8. Gente uma pergunta ! Isso acontece no Jogo de verdade mesmo no amordoce.com
    Ou é sóó uma história ?

    ResponderExcluir
  9. Adoro a Euphimeia com o Castiel é D+. Tomara que eles continuem juntos....

    ResponderExcluir
  10. Amei! Euphimeia sua historia é D++++... CONTINUE ASSIM...

    ResponderExcluir

Por favor não me cobrem quando irei postar.
E por favor respeitem as opiniões e não comentem coisas que podem ser construtivas, pois elas soam como critica.
Obs: Essa ideia é protegida pela lei 9610 de 19/02/1998, qualquer cópia ou rescrição da mesma como plágio, repete a punição conforme consta em lei.
Ou seja, eu sou a criadora, eu sou a única dona.

- Copyright © Amour Glacé - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -