Popular Post

Posted by : Euphimea domingo, 26 de maio de 2013




- Euphi? Acorde, hora de ir para o colégio.
- Só mais 5 minutinhos Jenna. - resmunguei sem me mover.
Depois de algum tempinho...
- Yufi amor, acorda. - eu parecia um gato gordo me decidindo se levantaria ou não. Optei por não levantar.
- Hum... não quer levantar, não é? Acho que eu vou ter que fazer uma coisa que você não irá gostar. - ameaçou, afastando o meu cabelo deixando minha orelha a mostra. Com a ponta da língua deu uma lambida dentro do meu ouvido.
- Aaaahh! - gritei agoniada levantando imediatamente. - Damian! Por que você fez isso?! Eu odeio isso! Parece que entrou água lá dentro! - ele ria.
- He, he, he, você não queria acordar. Eu adoraria ficar lhe namorando o dia inteiro, mas temos colégio, é segunda-feira lembra? - perguntou com um sorriso maroto no rosto enquanto eu metia o dedo mindinho no meu ouvido secando-o.
- Uooooohhh! - bocejei e esfreguei meus olhos até ele ficarem doendo como fazia todas as manhãs, enquanto levava vários selinhos na boca. - Já estou acordada! - reclamei.
- Eu sei minha brava. - brincou me derrubando na cama e ficando por cima de mim. Então ficou me olhando por algum tempo em silencio coçando meu coro cabeludo. - Você é linda, sabia? - acabei corando.
- Você também é. - devolvi o elogio tocando em seu rosto.
- Agora, vamos se não chegaremos atrasados! - brincou me pegando no colo.
- Ah! - levei um susto. - Para onde você está nos levando nus desse jeito? - preocupei-me.
- Para onde mais? Para o banheiro! Vamos tomar banho. - e sorriu. Tomamos banho sem brincadeira para não chegarmos atrasados. Como da outra vez ele quem fez o café da manhã.
- Leite quente com um pouquinho de café. - falou colocando a caneca na minha frente. Até isso ele sabia de mim e eu não sabia nada dele, acabei ficando triste. - O que foi? Eu errei em alguma coisa? Você mudou seu gosto?
- Não é isso. - respondi. - É que eu não sei nada do que você gosta. - ele deu um sorriso.
- Eu vou lhe ajudar a descobrir, não se preocupe. - e deu-me um beijo no rosto.
- E também vou voltar a ter os cabelos pretos. - ele ficou surpreso e perguntou:
- Mas... e sua vingança?
- Eu ainda vou me vingar com o cabelo preto ou branco e também se for preciso coloco uma peruca e pronto.
- E o que lhe fez mudar de ideia? - indagou com um sorriso maroto no rosto.
- Se você sabe da resposta por que pergunta?
- Porque eu quero ouvir você falar. - disse me agarrando em um abraço e eu corei.
- Er... bem... eu tenho que lhe compensar por todo sofrimento que lhe causei e por toda dor que você já passou.
- Você não precisa se preocupar com isso. - falou parecendo o Lysandre. - O que me importa é que eu tenho você agora. - sua voz ficou mais suave. - Mas confesso que prefiro seus cabelos negros.
- O Lysandre disse a mesma coisa.
- Se você disser ou pensar nele de novo eu vou ficar bravo. - brincou enciumado. - Quer me trocar por ele?
- Claro que não. - respondi afundando em seu peito. Ele riu e falou:
- É bom ouvir isso. - e se afastou para terminamos o café. Ele foi para o banheiro para escovar os dentes e eu fui pegar minha coisas, depois fiz um rápido gargarejo com a pasta para pelo menos aliviar um pouco o cheiro.
- Vamos. - indagou ele parado na porta e estendendo a mão.
- Sim, vamos. - respondi com um sorriso a segurando. Quando ele abriu a porta houve som de máquina fotográfica, flash espocando no nosso rosto e um monte de gente estava do lado de fora em frente o portão. Eram repórteres se amontoavam para tirar algumas fotos nossas. Ele pegou sua jaqueta jeans e jogou sobre minha cabeça e me puxou para trás da casa ignorando as suplicas deles.
- Vamos sair pelos fundos. - e eu o segui apressada. Mas, os repórteres são iguais a cães de caça, logo nos acharam e quando iam tirar fotos minha Damian colocava a mão na câmera.
- Damian Takeshi quem é essa menina? É a sua nova namorada?!
- Damian Takeshi sabemos que está em um colégio nessa cidade, por um acaso é Sweet Amoris?!
- Damian Takeshi, você poderia nos confirmar essa informação?!
Era impossível de andar, mesmo Damiam me protegem com o braço envolta de meus ombros, aqueles  repórteres não deixavam de me espremer.
- " Não é melhor dar um bife para eles?" - perguntei em pensamento o olhando. Ele olhou-me de volta e parou dizendo:
- Se eu responder a uma pergunta vocês vão embora nos deixando em paz? Ou preferem que eu denuncie-os por assédio? - sua voz era potente como se fosse um político ou um rei. Os reportes engoliram seco e com um sorriso amarelo concordaram. Damian suspirou e disse: - Essa garota que está ao meu lado é a minha namorada que sempre amei desde a infância. - eles anotaram num bloco de notas, outros com um gravador e dois filmaram.
- E qual é o seu nome senhorita? - uma moça loira me perguntou com um gravador e Damian afastou-o de meu rosto.
- Eu disso apenas uma pergunta. - rosnou e eles frustrados foram embora. Esperou mais um pouco e observou em volta para ter certeza de não ter mais nenhum. - Vamos. - falou ainda com o mesmo tom de voz. Eu fiquei surpresa com o poder de persuasão que ele tinha e eu admito que isso ainda me deixava com um pouco de medo. Então ele parou, virou-se para mim e colocou as duas mãos nos meus ombros curvando-se. - Euphimea, não se assuste, por favor.
- Está bem. - concordei encarando seu rosto franzido. - Desculpe, meu amor. - disse lhe dando um selinho nos lábios e ficando na ponta dos pés. Ele sorriu de novo, dando aquele suspiro apaixonado e falou:
- Certo. Vamos que chegaremos atrasados. - puxou-me, andando as pressas e logo chegamos no colégio. Encontramos o Armin.
- Bom dia Damian! Bom dia... Euphi? Por que a jaqueta na cabeça? Está com frio no cucurucu? (XD) - Damian tirou-a da minha cabeça e não respondeu.
- Uh... er... que o sol estava me fazendo mal até agora.
- Ah! Eu também odeio ficar exposto no sol. - disse com o seu sorriso bobo de sempre.- E Damian eu tenho que lhe agradecer o lance das flores.
- De nada. - respondeu ficando sem graça e passando a mão nos cabelos. É verdade, do jeito que Armin era avoado nunca tomaria essa atitude sozinho. Então a Jenna ouviu, pois tinha acabado de chegar.
- Então foi o Damian que o orientou a fazer isso?
- Je-jeninha. - falou meio sem graça. - Bem... eu queria lhe fazer uma surpresa e não sabia o quê. - mentiu. Ela acreditou dando um sorriso e deu um abraço em Damian.
- A partir de hoje você vai ser o meu BFF. - falou e ele não entendeu muito bem.
- Best Friend Forever. - respondi. Existiam coisas de meninas que Damian não sabia, pois ele viveu muito no mundo adulto.
- Oh! Que lindos! - exclamou Alex aparecendo do nada acompanhado de Kelly.
- Lindos o quê? - indaguei corada ao achar que ele se referia da gente e Damian fez o mesmo.
- Deixa eu experimentar seus óculos escuros! Deixa, deixa! - insistiu juntando as mãos e fazendo olhinhos brilhantes. Eu e as meninas caímos no chão.
- Uh... claro. - disse tirando-o do rosto e semicerrando os olhos por conta do sol.
- Eh! E ai?! Como eu fiquei?! - indagou todo feliz. Nós coramos, pois ele ficou bonito.
- Continua o mesmo Alex. - respondeu Armin.
- Deixa de ser chato Mimi. - falou.
- Mimi? - exclamamos tombando a cabeça de lado.
- É o apelido dele. - continuou, tirando um espelho do bolso para se ver. - Nossa! Divino!
- Eu já disse que não quero que me chame assim na frente dos outros, isso é nome de gato! - reclamou. - Se não diga adeus a sua calça nova hoje à noite!
- Como você é mal! - reclamou, devolvendo os óculos e inflando as bochechas.
- Preciso comprar um desses. - falou Armin para Damian. - Eu tenho olhos claros iguais ao seus. Porém estou sem grana, acabei de comprar último lançamento de The Sims.
- É bom, eu não suporto muito claridade. Aliás não gosto muito do dia, sou mais notívago. - disse e eu olhei para ele.
- " Por que não disse noturno?" 
- "Porque eu caminho bastante de noite. Já percebeu como a lua estava linda ontem?"
- "Será que o sangue vampírico ainda corre em suas veias?"
- "Não duvido." - e sorriu. E falou de novo: - "Que bom, já podemos nos comunicar em pensamento! Acho que os seus poderes estão despertando!"  - fiz cara de surpresa.
- O que vocês falam tanto? - indagou Jenna nos observando.
- N-nada. - menti sem graça para ela perceber que era segredo e esta entendeu.
- Euphimea Midoriko! - exclamou Kloster indo até o portão vindo do colégio. Colocou as duas mãos na cintura e apertou os olhos por alguns segundos me encaranto muito perto. - Como você desaparece e fica fora da área de cobertura o dia todo!
- Er... a bateria acabou. - menti.
- Desse noticia lingado a cobrar!! - exclamou ajeitando os óculos e cruzando os braços.
- Também fiquei preocupada. - falou Aikka aparecendo com Nathaniel.
- Vocês poderiam entrar, por favor. - pediu. - Estão bloqueando a passagem do colégio.
-"Que coisa mais chata." - pensei. Demos alguns passos para frente perto do pátio. Olhei para o ginásio e vi Castiel ali perto conversando com a Debrah. Será que eu ainda gostava dele? - perguntei ao meu coração. Temi de Damian descobri e o olhei para ele que deu-me um sorriso. Olhei de volta e a resposta foi não. (Mentira! Eu ainda sou arriada por esse cretino! Quando ele aparece no jogo meu corpo se arrepia! Mas eu não vou trocar aquela bola de pelos do Ly u.u)
- Marida! - gritou Anny se jogando e me esmagando desviando minha atenção de Castiel. - Nunca mais suma desse jeito!
- Desculpe, eu precisava saber mais de Damian.
- Agora você sabe, né? - indagou como se já sabia, pois tenho certeza de a Jenna contou para ela.
- Sim e estou mais tranquila. - falei.
- Ah! Que bom! - e nesse momento o sinal tocou. Nos dirigimos para as nossas salas e Damian me segurou na mão parando-me.
- O que foi?
- Nada... só para vê-la de novo e ter certeza que tudo é real. - eu sorri para ele e falei um Eu te amo sem som. Ele soltou a minha mão e fez um coração com os dedos sorrindo e entrando no colégio. Fui para a minha sala também. Professor Faraizer entrou e veio nos dar aula de Biologia. Disse que na próxima aula iriamos para o laboratório. Enquanto eu estudava ouvi alguém falando.
- " Por que ainda me sinto atraído pela Euphi... ah... eu estou namorando a Aikka agora, não posso traí-la." - achei estranho e virei-me para o Nathaniel, vi que sua boca estava fechada e ele olhava para o quadro com a mão no rosto segurando o lápis. Ele sentiu que eu o olhava, então, virou-se para mim, quando notou que eu o olhava diferente corou na mesma hora.
- Ah! - gemeu sem querer.
- Algum problema Nathaniel? Está passando mal? - indagou o professor.
- N-não senhor. Não é nada. - falou suando frio, olhou-me mais uma vez e pregou os olhos no caderno.
- " Hum... então ele pensou?" - pensei. Por um momento fiquei assustada e depois achei interessante. Saber o pensamentos das pessoas era algo divino. Comecei a pensar coisas maléficas e safadas. Castiel entrou na sala bruscamente interrompendo a aula.
- Atrasado de novo Castiel. - ele lançou um olhar ameaçador para o professor que engoliu em seco e foi se sentar no fundo da sala como sempre. Com esse meu dom despertado, eu já posso ouvir nitidamente o que os outro pensam. Antes eu sabia mais ou menos, mas agora eu tinha certeza. Ken ficou tenso quando ele apareceu.
- "Aquele idiota! Quem ele pensa que é?" - pensou e eu achei que ele falava do professor. Por reflexo olhei para trás e Castiel viajava para fora da janela. Ele também sentiu que eu o olhava e olhou-me  rapidamente e desviou o olhar corando. - " Eu ainda vou bater nesse Damian, ah se vou!" 
- "Damian?" - pensei.
- Senhorita Euphi a aula está acontecendo aqui na frente. - a sala riu e eu fiquei sem graça.  Jenna me escreveu um bilhete e passou pra mim.
- " O que está acontecendo?" - e eu respondi escrevendo:
- "Estou ouvindo o pensamento de Castiel e ele pensou em bater no Damian".
- "Bater? Mas o que o Damian fez?"
- " Eu não sei. Ainda não ouço os pensamentos dele a essa distancia". - dei de ombros e ela parou de mandar, pois o professor estava percebendo.
Voltei a prestar atenção na aula, digo tentei prestar, pois agora eu ouvia muitos pensamentos, parecia que todos da sala falavam ao mesmo tempo. Tampei meus ouvidos, mas era inútil.
- " Quanto mais nervosa ficar pior." - era Damian. - " Feche os olhos e respire fundo." - obedeci e logo as vozes foram diminuído. Quando voltei a abri-los Faraizer me olha preocupado.
- Eu fico muito triste quando um aluno dorme na minha aula. Se estiver cansada Euphi, pode ir que não lhe darei falta. - eu fiquei de cara.O pessoal não disse nada e  um clima tenso pairou no ar. Professor estava estressado ele não é assim. Pelo contrário bem gentil.
Então resolvi sair da sala e pegar a matéria com Nathaniel depois. Fechei a porta e encostei à parede dando um suspiro fitando os meus pés. Agora eu imaginava o que Damian passou com esses dons. Fiquei curiosa em saber o que ele conversou com o Castiel. Então outro dom. Tive uma visão. Acho que foi por causa do meu desejo forte. Vi ambos conversando a poucos minutos antes de entrar na sala e Damian deu dois tapas pesados no ombro de Castiel antes de entrar o encontrando no corredor.
- O que você quer? - rosnou.
- Fique longe da Euphimea.
- E o que você tem haver com isso?
- Eu sou o namorado dela.
- Que... ah, é claro. - desdenho. - Mas um que ela traça.
- Dobre a sua língua antes de falar dela! - disse o pegando pela gola da blusa e Castiel o empurrou sem medo de apanhar.
- Eu já namorei com ela também, se você quer saber.
- Eu já sei.
- Hum... ela lhe contou?
- Não. Eu percebi.
- Ela lhe contou que é doidinha por mim? - brincou o provocando e Damian falou fechando os olhos e abaixando a cabeça com ar de desde.
- Acho que não é mais.
- Ela vai voltar pra mim. - provocou de novo.
- Hum... creio que não. Afinal ela já me "pertenceu" e eu devo lhe dizer que ela ainda era pura. - e deu dois tapinha de novo, porém em seu peito. Castiel entendeu na hora e ficou furioso fechando o punho se segurando para não voar em Damian. - "Como ela pôde?" - pensou frustrado. Respirei fundo corada e abrindo meus olhos. Fui para o pátio esperar o sinal tocar para o intervalo. Sentei no banco frustada por está perdendo aula, pois depois para eu entender iria ser difícil. Peguei meu celular e comecei a jogar. Nem percebi alguém se aproximando de mim e pela voz feroz ela Castiel:
- Vocês fizeram, não foi?
- Hu? Fizemos o quê?
- Ora... eu sei de tudo, foi Damian quem me contou. - então entendi o que ele disse.
- Sim... Ei! O que você tem haver com isso? Você namora aquela lambisgoia!
- Eu não posso acreditar. - rosnou cruzando os braços. - O que ele colocou na sua bebida? Como lhe convenceu? Fez lavagem cerebral em você?!
- Hãã... por que está se intrometendo? - fiz-me desentendida.
- Por que ele? Por que com ele? Comigo eu não podia nem chegar perto, que você vinha cheia de "não me toques." - eu não podia contar a verdade de alma gêmea, predestinado e vampiros. Então tentei inventar uma desculpa.
- Ele é um amigo meu de infância e... sei lá, fiquei com vontade. Acho que foi por todo cuidado e preocupação que ele tem por mim, foi por isso que ... aconteceu. Algo diferente de você, seu grosso! No momento que eu mais precisei de você... me deu as costas! Você acreditou na Debrah mesmo sabendo que ela lhe fez mal!
- Como você agiria se encontrasse-me na cama com outra?
- Tudo foi armação seu surdo! Eu ainda vou lhe provar isso!
- Eu não esperava isso de você achei que... achei que... você me amava.
- Ah! Claro! Eu ia lhe esperar, com certeza! - debochei bufando.
- Por que você é tão disputada? Uma garota sem graça como você! Magrela, sem peito, igual a uma tábua de passar roupa, branquela, e cabelo preto sem corte parecendo uma sombração! - sua voz era de despreço.- Você deve ter feito alguma macumba para atrair tantos caras. - quanto mais ele falava, mas doía meu peito, como se facadas me atingisse. Lágrimas involuntárias surgiram dos meus olhos e comecei  a tremer de raiva. Fechei os olhos pronta para gritar, quando ouvi um som agudo e um baque surdo maior . Abri os olhos e Damian aparecera a minha frente dando uma bofetada em Castiel o fazendo cair no chão. Igual os nobres faziam com as costas da mão. Ele não era de bater, mas estava furioso. Agarrou-me com um braço num semi-abraço, fazendo-me o agarrar no peito.
- Você é surdo? Eu disse para não se aproximar dela. - disse em uma calma sobrenatural.
- Arr... eu falo com quem eu quiser. - disse se levantando e doido para socá-lo. Só não fez para não me machucar.
- Você é muito abusado, é por isso que ninguém gosta de você. - sua voz não se alterava.
- Há! Essa é boa! Eu não faço nada e tem um monte de menina vindo atrás de mim. A sua é uma. - Damian ia falar algo, mas ficou calado e deu um sorriso maldoso mudando a conversa a seu favor, como se movesse peças de xadrez.
- É nítido que você ainda ama a Euphi. Isso está escrito na sua testa. Só que você está irritado, porque não conseguiu chegar até onde eu cheguei. Vocês namoraram quase um ano e eu em 5 dias consegui levá-la para a cama. - eu corei nessa hora, ainda bem que só tinha nós no pátio. Queria me esconder, mas precisava ver o rosto de ambos. Não reconheci Damian de tão sombrio que ele estava. - E como você não consegue descontar em mim, você desconta nos mais fracos. Você é um covarde.
- Como ousa falar isso tudo na minha cara?! - bravejou ameaçando em bater, mas algo o impedia, não somente eu, mas algo que ele não sabia explicar. Era como se estivesse diante de uma grande ameaça e Damian continuava mantendo a calma e a frieza.
- É por isso que você vive batendo de frente com o Nathaniel, pois ele é forte.
- Não fuja do assunto colocando aquele frangote na história. - e por falar nele, apareceu, pois estava preocupado comigo.
- O que está acontecendo aqui? Estão discutindo?
- A conversa ainda não chegou até você! - rosnou Castiel. - Damian os fitavam com uma expressão vazia, enquanto humilhava ambos.
- Hum... vocês ainda amam a Euphi. Mas podem tentar o que for, ela não irá voltar para vocês, pois ela pertence somente a mim agora.
- Euphi? - perguntou Nathaniel preocupado comigo e gentilmente. - Tem certeza que ele é o melhor pra você?
- Eu já fiz essa pergunta, idiota! - gritou Castiel. - Não se intrometa! - Nathaniel fechou a cara e disse dando alguns passos para frente.
- Eu também me preocupo com ela, nós tivemos algo. Ela foi a 1ª que eu amei na vida, nem sabia o que era isso.
- Bem... eu amo o Damian. - respondi para o espanto deles e Castiel de repente gargalhou:
- Há, há, há, só quero ver até quando! - e deu as costas enfiando as mãos nos bolsos da jaqueta de couro preta. - Você disse o mesmo para o Jade quando namorava comigo. - falou sem se virar. Nathaniel ficou na dúvida se o acompanhava ou se ficava.
- É ele tem razão. Você disse o mesmo para mim com relação ao Castiel. Quando você se decidir pode vir falar comigo. - e se retirou. Eu fiquei chocada e acho que mereci aquilo. Damian parecia frio e confiante com as ameaças.
- Você... está bem, Dam? - ele ficou surpreso e sorriu dizendo:
- Claro. E adorei o Dam. - eu corei. - E você? Como está o seu coraçãozinho?
- Bem, agora que você está aqui comigo. - falei o abraçando e ignorando totalmente o ocorrido como se tivesse me dado uma súbita amnésia. - Nunca mais fique longe de mim. - o proibi.
- Não ficarei. - respondeu me abraçando de volta. - Eu sempre serei o seu protetor.(*u*)
- Que bom. - sorri e corando por ouvir o seu coração bater.
- Achei que você ficaria com medo de mim, mas... vi que confiou não importando o que acontecesse. - continuou com sua voz suave, mas tinha uma leve ponta de dor nela.
- Eu não quero mais lhe fazer sofrer, pois eu também sofro. A sua dor é a minha dor.
- E sua a minha. Agora que somos um só. - e beijou-me a cabeça. Se afastou e me olhou dentro dos olhos. Seu jeito voltou ao normal, sereno, não parecia o Damian de ainda a pouco. Por um momento achei que ele tinha se tornando um vampiro por conta da expressão feroz, mas logo se tranquilizou. Seu jeito frio também era encantador. Então eu dei-me conta, ficando surpresa. Entendi o que Kime disse para mim. Parecia um deus inatingível,  sempre ereto sem descer o nível.
(*¬*)
Eu comecei a amar aquela expressão fria e decidida. Era tão galanteador, tão firme e feroz ao mesmo tempo. Ontem eu vi seu eu emocional, mas acho que nunca mais o verei de novo. Também devo admitir que não gosto de homens emocionais demais. 
- Preciso voltar para a sala. Você foi expulsa, não? - eu corei sem graça. 
- É... eu fiquei nervosa. - ele tocou em meu rosto e disse:
- Não se preocupe meu amor, logo você se acostuma. Agora seja uma boa menina e vá para a biblioteca,  pois não quero que nada de desagradável lhe aconteça. 
- C-certo. - falei o olhando nos olhos. Ele se inclinou e deu um selinho em meus lábios e se retirou. O observei ir embora, corando. Tão altivo, tão divino...tão... tão sexy. Suspirava e achei que tinha tirado a sorte grande, pois ele era um rapaz tão bonito. Nunca alguém tão belo já me amou daquela forma.
Sem dúvida os vampiros tinham esse poder de atração como as plantas carnívoras, que exalavam doces perfumes apaixonantes e hipnotizantes.
- Euphi-chan? - chamou a Chantilly. Nossas fadas sempre ficavam conosco e só interferiam quando achavam importante. 
- O que foi Chantilly?
- Você não o acha perigoso? Existe um mistério nele... parece que está faltando com a verdade.
- Eu não sei Chantilly, só sei que eu confio nele. - discordei entrando no colégio indo em direção a biblioteca como ele me pediu. 
- Você não acha que ele manipula as pessoas? 
- O que ele ganharia com isso? - perguntei. - Além do mais seu sangue vampírico ainda é latente. 
- Acho que pela primeira vez você tem razão. 
- Quem não o conhece direito pode ter medo do seu jeito, mas ele não me parece uma má pessoa. E obrigada por finalmente me dizer que tenho razão. Você nunca diz isso. - falei vitoriosa, mas sem aumentar a  voz.
- Não vai se acostumando.
- Ele tem o mesmo jeito do Dimitry, mas esse é melancólico demais. Ele se culpa por ter perdido sua Mary Magdaleine. E o Damian quem não o conhece o julga como uma pessoa cruel, isso eu tenho um 6º sentido muito eficaz, tanto é que não vou com a cara daquele Yuri.
Na biblioteca eu fui pesquisar sobre o Duque Gareth Von Morrice. (Coloquei conde, mas já arrumei, pois Duque está a cima de conde) e li que ele foi um cara muito influente e eloquente na Revolução Francesa. Primo distante do rei da França, ele era um galanteador e sempre esteve em escândalos amorosos. Alguns maldosos dizem que até dormiu com a Rainha Maria Antonieta. Mesmo sendo nobre ele ajudou a burguesia a derrubar o rei Luiz XVI e sua esposa. Esse duque tinha uma grande influencia na fala e persuasão. Era conhecido como Duque le Faible, que quer dizer Duque dos Fracos. Ele sempre protegeu-os. Sua morte é um mistério, historiadores dizem que morreu na guerra por uma bala de canhão por nunca terem achado o seu corpo. 
Fiquei admirada em saber da sua vida passada. Devo dizer que Damian é um cara fascinante e concordo plenamente com Kime. Rolei a página mais em baixo e li a lista de mulheres que ele foi amante deixando-me chocada. Lá no final da lista estava no nome de Isabelle com link. Cliquei e abriu outra página.
- Isabelle Fontin Lafaiete, duquesa também prima distante do rei, era uma jovem prometida a se casar com o Príncipe Luis XVII, mas fora seduzida pelo galante Gareth e coabitou com ela. - eu corei nessa hora. - Depois dessa noite dizem que ela era tão encantadora como as ninfas de Apolo, que conquistou o coração do mulherengo Gareth e logo constituíram matrimonio antes de estourar a guerra. Da mesma forma que ele, não se sabe o que aconteceu com o seu corpo. - li. - "Então ambos devem ter se tornado vampiros nessa época". - pensei e continuei a descer a página até me deparar com a pintura deles.


- Oh! - exclamei surpresa. Chantilly também ficou.
- Nossa! Ele não mudou nada! Continua tendo os mesmos olhos azuis penetrantes! E você era loira, Euphi.
- Eu era linda! Tinha olhos verdes, mas... ela era um pouco triste, não acha?
- Igual a você. A mesma cara de chorona! - provocou Chantilly. Eu rosnei para ela irritada.
- Eramos lindos, não? - indagou Damian atrás de mim com uma voz sedutora no meu ouvido fazendo-me sobressaltar. 
- Que susto Damian! - exclamei, pois estava tão concentrada. A moça da biblioteca me olhou com cara feia pedindo silêncio. - Você não tem aula? - perguntei abaixando a voz.
- É hora do intervalo e vim buscar você. 
- Estava tão concentrada que nem ouvi o sinal tocando.
- Vamos que suas amigas estão lhe esperando. - sua voz era gentil novamente, estendendo a mão. Desloguei   e dei a mão para ele que a tomou e beijou os nós da minha mão causando arrepio.
- Não me tenta Dam! - sussurrei para ele. 
- Hum... Novo ponto fraco... - ele afastou meu cabelo para falar no meu ouvido. - Quando mais eu descubro de você mais excitado eu fico. - eu corei, até as palavras dele eram tentadoras. 
- Pare por favor.  - supliquei com a mão no ouvido, rubra cereja. Peguei a sua mão e fui com ele. Nunca me senti tão feliz. Sempre com um sorriso gentil na boca, sempre me protegendo. Por que não o encontrei antes? Pouparia nosso sofrimento. Então uma voz muito bela ecoava em minha mente. Fez-me parar por algum momento e tampar meus ouvidos.
- Euphi? - chamou Damian, mas a sua voz era distante. 
(Essas frases a seguir tirei de Vampires Knight)
" Irá traí-lo? Fechará os olhos? Esquecerá de tudo? 
Sua inocência é o mal. Para afastar os olhos da verdade. Para não perceber as tolices. 
A verdade não pode ser mudada.
Uma época pacífica e gentil. Essa é a esperança. E também, o pecado. 
Um coração enganoso... transbordando gentileza.  Os pecados se acumulam.
Pecados...
Um dia especial na estação...
Um homem que foi perdoado com restrições.
Um momento único de felicidade.
A verdade que se desbota. 
A pureza do pecado.
A verdade não pode ser mudada.
O tempo não permitirá que você fique.
Mesmo sabendo... a verdade não pode ser mudada."

- "Não me arrependerei, foi o que eu prometi." - pensei falando para aquela voz. - "Não posso mais voltar atrás, já me envolvi demais." - então a voz calou-se. Será que ela não foi feliz com ele? 
- Você está bem Euphimea? - perguntou preocupado e se abaixando, pois eu estava sentada no chão. 
- Hum? Ah! Não é nada! - exclamei abanando a mão.
- Shhiiii. - fez a moça da biblioteca.
- Venha, se não o intervalo vai acabar. - e estendeu a mão para mim novamente. Saímos dali. 
"Se era pecado ou não, não me importava. Se eu iria me arrepender? Jurei que não. Já estava cansada de rapazes que causavam problemas, cansei de ficar me apaixonando e desapaixonando. Não. Eu quero fica para sempre com Damian, porque... meu coração bate forte quando ele está  por perto."  
Ele virou-se e sorriu gentilmente para mim e eu corei de novo, levemente aborrecida.
- Tem como você não ouvir meus pensamentos por um minuto? 
- É difícil, mas eu vou tentar. Só porque você me pediu.
- É que eu acho uma falta de privacidade. - disse sem graça. 
- Uhm, se somos um só demos dividir nossos pensamentos.
- Mas eu ainda não ouvi nenhum seu. - reclamei.
- Logo você vai ouvir... e não esqueça do diálogo que tivemos hoje mais cedo. - lembrou-me para espantar qualquer desconfiança.
Mais adiante Castiel saiu da sala, nos encontrou parando e bloqueando o caminho. Novamente o clima ficou tenso. Achei que um tigre iria lutar com um leão por território. 
- Poderia nos dar passagem? - indagou Damian, voltando a ficar com a voz congelada. 
Castiel moveu-se para o lado nos permitindo passar. Logo a Debrah apareceu o agarrando:
- Olá meu gatinho! - era repugnante. 
Voltando ao assunto Damian aquela dor de ontem foi real, eu a senti também, ninguém simula uma dor como aquela. Pode simular choro, mas eu senti a sua dor, por isso que chorei com ele. Se ele era manipulador, ou dissimulado eu não voltaria atrás. O importante era que ele me protegia e era bom ficar perto dele, me sentia mais segura, da mesma forma com o Jade. Nosso namoro esfriou por conta da ausência dele, se não eu ainda estaria com ele. Eu tenho muito mais medo do Nathaniel do que do Damian.
- O que é passado, passou. - falou ele de repente voltando ao assunto de antes.- Eu sou Damian, você é Euphimea, eles foram Gareth e Isabelle. Se ela não foi feliz com ele, nós não podemos consertar esse erro do passado, podemos sim ser felizes.
 Então chegamos ao pátio embaixo da árvore. O ódio de Damian por Castiel ainda era latente. Ele tinha ódio não porque Castiel gostava de mim e sim pelas coisas horríveis que ele me falou. Aquilo me feriu e... ele sentiu.
Chegar no pátio com ele era muito mais chamativo do que com Castiel. As meninas ficavam em alvoroço e ao mesmo tempo um clima de hostilidade com relação a mim. Sentei na roda das meninas debaixo de nossa árvore e Damian foi ficar com Armin, Alex e Ken. 
- Conte-nos o que aconteceu. - pediu Kelly. Olhei confusa para a Jenna que disse:
- Não contei tudo, é a sua vida, não?
Nós eramos amigas, não tínhamos segredos, então comecei a contar desde a parte do restaurante até a atual da briga entre ele e Castiel.
- Esse ruivo azedo não aprende mesmo. - comentou Kloster limpando os óculos com um lenço. Aikka parecia chateada.
- Essa do Nathaniel ainda gostar de você eu já sabia. 
- Aikka...
- Eu não consigo competir contigo Euphi, você foi a primeira garota que ele amou. Então... por mim... tudo bem...
- Tudo bem! Como assim tudo bem?! - indignou-se Kloster colocando os óculos e quase voando em Aikka. - Você tem que se impor mais! Por que você acha que Euphi ganhou o coração dele, hein? Ficar nessa passividade não vai adiantar em nada!
- D-desculpe. - pediu ela. 
- Olha gente, não vamos brigar. - pediu Anny. 
Então eu vi Hanako passando e a chamei. Ela levou um susto e se aproximou sem graça a nossa roda.
- Meninas essa é a Hanako da minha sala.
- Olá meninas. - cumprimentou timidamente. 
- Mas... essa não é a menina que esteve com o Di... - perguntou Aikka com sua confusões de sempre e eu tampei a sua boca. Hanako sentou e ficou curiosa em saber. 
- Tudo bem, pode falar. 
- É que nós sabemos que você foi no casarão da colina ontem. - começou Anny. Hanako arregalou os olhos surpresa. 
- As meninas contaram é? - indagou envergonhada.
- Quem vai contar a verdade para ela? - perguntou a Kelly.
- Eu sugeria a Euphi. - respondeu Kloster. 
- Contar-me o quê? - indagou ela curiosa. 
- Er... Hanako. - comecei. - V-você... acredita em vampiros? - ela ficou assustada com a minha pergunta e muito nervosa. 
- A-acredito. 
- O Dimitry... é... um... - não conseguia falar.
- É um vampiro que mora no casarão da colina. - despejou Anny. - Nós o ajudamos quando veio do outro lado do portal. - ela ficou branca e com medo. Só de lhe trazer as lembranças a deixava com mal estar. 
- Vocês está bem? - indagou Ichigo. 
- E-estou. -respondeu.
- Se tiver mal a levaremos para a enfermaria. - falou Jenna.
- É que... me aconteceu algo horrível ontem... e eu... 
- Já sabemos. - falamos em couro para a sua surpresa.
- Olha... - comecei de novo. - Dimitry não é mal. Ele só não deixa de ser um vampiro e as vezes age como um.
- Ele só se alimenta de animais. - completou Anny. - Quer dizer... as vezes ele pedi para sugar nosso sangue e...
- Anny! - chamei a sua atenção. 
- Ela deveria saber toda a verdade de uma vez. -comentou Kloster. 
- Ela não está acostumada. - disse.
- Então... todas... são... amigas do "vampiro"? - indagou ela chocada. Ela se referia a palavra vampiro como  um monstro. 
- Ahh... - suspirei. - Acho que vai ser difícil você entender.
- Fala para ela Aikka. - disse Kloster. 
- Eu? Falar do fofo do Dimitry? Ah... ele é tão triste e solitário. Ele precisa de companhia as vezes.
- Faz um tempo que a gente não vai visitá-lo. - comentei.
- É mesmo. - concordou a Jen. 
- Fofo? - indagou Hanako. - Ele... vive... aparecendo em minha mente com aqueles olhos vermelhos luminosos. - Hanako tem os olhos vermelhos, mas é de uma pessoa normal. 
- Sim, eu o acho tão fofinho e tão gentil!
- Não disse? Do jeito que a Aikka fala seria a melhor forma de Hanako ver como o Dimitry é e aliás... VOCÊS NUNCA ME APRESENTARAM ELE! - gritou chacoalhando as pernas inquieta. 
- Vamos lá hoje a noite. - propus.
- A-a noite? - gaguejou Hanako. - Eu fiz uma prova de coragem ontem no final da tarde...
- Eu também não o conheço. - comentou Ichigo. 
- Mais um motivo para nós irmos. - falei.
- Você vem Hanako? - convidou Anny. Ela sobressaltou e pensou um pouco temerosa. 
- Bem... eu vou... se vocês... me prometeram não me abandonar lá sozinha. 
- Ninguém vai lhe deixar! - exclamou Kloster. - Seria uma covardia e falta de bom senso. 
- Já falei que não. - a voz firme de Damian irrompeu o ar. Parecia que tinha levantado a voz, mas não, estava normal, porém mais autoritária. Nos viramos para ver o que era, os rapazes estavam mais perto da gente e dava para ouvi-los. Alexy perturbava Damian para fazer as pazes com Nathaneil e Castiel, Armin vinha intervir dizendo que era idiotice do irmão e Ken apoiava plenamente Damian.
- É tão triste ver duas pessoas que poderiam ser amigas. 
- Com o Nathaniel eu até converso, mas com o Castiel, definitivamente não. - e cruzou os braços.
- Deixa isso pra lá Alexy, não o force. Se ele não quer, não quer. 
- É que eu não gosto de ver pessoas brigadas, você sabe disso! - exclamou fazendo olhinhos brilhantes. - E se Ly tivesse aqui me apoiaria. 
- Eu acho que ele não deveria ser amigo do Castiel não. - concordou Ken.
- É normal uma pessoa com você concordar com Damian, afinal tem medo dele. - provocou Alexy.
- Grrr... quer parar com isso! 
- É muito feio brincar com trauma das pessoas. - falou Damian de repente, ainda de braços cruzados, se encostando na parede do ginásio se apoiando com um pé e de olhos fechados. Alexy engoliu em seco e Damian continuou: - Assim você se contradiz. Como quer que eu seja amigo de um cara e ao mesmo tempo zoa alguém que também não gosta dele, porque foi muito perseguido na infância.
- Infância? - indagou Armin. - Isso aconteceu tem só um ano. 
- Mas a diferença de tamanho é infância para mim. - discordou virando a cabeça para ele e abrindo os olhos. 
- Er...desculpe. - falou Alexy sem graça depois de algum tempo de reflexão. 
- Damian? - chamou Nathaniel de repente aparecendo no pátio causando suspiros da mulherada. Damian o olhou e desfez sua pose de fortaleza. - Poderia me acompanhar, por favor, quero ter uma conversa com você. - sem dizer nada ele o seguiu e lançou um olhar para mim repreendendo-me para não segui-lo. 
- O que está esperando? - rosnou Kloster. - Vai segui-lo! 
- Não posso, ele me proibiu. - justifiquei.
- Depois acontece alguma coisa e você  fica ai chorando pelos cantos. - ela tinha razão eu tinha que saber o que era. Eles entraram na sala do grêmio e eu grudei a orelha na porta para ouvir.
- O que você pretende com a Euphi? - peguntou Nathaniel levemente aborrecido e enciumado. - Com a relação que tivemos, eu preciso saber, pois me preocupo muito com ela. Só hoje que vim saber que vocês namoravam, pois ouvi o comentário de Armin com Alexy em relação ao restaurante.
- O que eu pretendo com ela? - indagou com a voz levemente debochada. - Eu pretendo casar-me com ela.  - sua voz era firme.
- Uhm? - fez Nathaniel surpreso. - É evidente que deseja isso por serem namorados. Eu lhe perguntei...
- Eu entendi a sua pergunta. - o interrompeu com a voz bem séria. - Você teme de eu  machucá-la como Castiel fez, não é? Olha... o bem que eu desejo para todos é o que eu desejo ela. Não vou machucá-la, meu desejo é protegê-la. Ela é muito frágil sabia? - perguntou com um leve rosnado. 
- É... eu sei. Na verdade eu lhe chamei aqui para dizer... que... eu... ainda gosto dela. - confessou temeroso.  Nathaniel temeu a reação de Damian, que por incrível que parece ficou tranquilo e até sorriu.
- Eu já sabia. - disse. - Mas você deveria se preocupar mais com a Aikka do que com a Euphi. A Aikka não é a sua namorada? 
- É-é. - gaguejou e pela voz ficara corado. 
- É mais fácil você trair do que eu. E não se preocupe, a Euphi está em boas mãos. - completou se dirigindo até a porta, pois eu senti sua presença chegando perto, fazendo-me recuar. Então ele falou antes de abri-la. - Temos uma pessoa que ouviu tudo o que falamos. - e de repente abriu a porta e fazendo-me ficar surpresa. Nathaniel levou um susto pela sua cara de chocado estava completamente abalado. 
- Eu-euphi? - indagou corando veio um tomate.
- Estarei no pátio Euphi. - comentou Damian pegando em meu rosto. - Pode conversar o quanto quiser. -  deu-me um beijo na face saindo e fechando a porta atrás de si. Eu olhava para Nathaniel que ainda permanecia corado e olhando para o chão, sem palavras. Seus olhos tremiam de vergonha e eu aproximei-me dele. 
- Eu... já... sabia. - ele ficou chocado de novo e não conseguiu me encarar. Peguem em suas mãos e falei: E-está tudo bem, não é pecado gostar de alguém, é? Mas... só peço para... você não magoar a Aikka. Ela é completamente louca por você. 
- Eu... gosto dela. - confessou embaraçado. Ele tinha muita dificuldade de se confessar e lidar com sentimentos.
- Mas não é mesmo do que comigo, não é? - perguntei o seu pensamento que acabara de ouvir. - ele olhou para o outro lado recuando. 
- Você realmente gosta dele? - indagou virando de costas, pois não conseguia mais me encarar. 
- Se eu gosto... de até ir para a cama com ele... acho que é muito, não? - confessei e Nathaniel ficou surpreso e seu corpo começou a tremer. Ele não sabia, só o Castiel. 
- Então... isso é um ponto final para mim. - disse, mas não com muita firmeza. - Devo levar isso como um ponto muito relevante... afinal você nunca gostou de mim, não? - perguntou já sabendo da resposta. Antes de reencontrar Damian eu pisava nos sentimentos dos outros sem dó nem piedade, mas agora... depois de sentir o que ele sentiu, comecei a me preocupar com a dor dos outros. E também, agora eu sei que atraia o sexo oposto sem vontade, então eu tinha que ter cuidado. 
- Quer saber da verdade? Assim que entrei na escola eu lhe achei a pessoa mais linda que já tinha visto. - nova surpresa para ele. - Semelhante a um anjo e comecei a gosta de você sim, mas... eu comecei a ouvir suas conversas com Charles e... - nova surpresa para ele. - E temi do meu anjo ser um demônio. Depois você armava encontros comigo forçadamente e isso começava a cada vez mais me assustar...
- Eu não sabia direito! - exclamou interrompendo-me e virando. Seus olhos eram úmidos, sua face vermelha  contorcida em dor e raiva, seu corpo tremia. Dei um abraço nele para se acalmar o deixando surpreso de novo. Ele afastou-me pelos ombros e olhou de novo para o chão. - Eu não quero que aconteça o mesmo com a Debrah e Castiel. 
- Damian vai entender. - eu disse com um sorriso. - Ele confia plenamente em mim. 
- Os laços de vocês são bastante estreitos. 
- Se ele não confiasse, você acha que ele me deixaria aqui sozinha contigo sabendo o que poderia acontecer. - confessei e nova surpresa para Nathaniel. - Ele quer que eu conserte o estrago que fiz... - então em um impulso ganhei um beijo dele em um abraço apertado. 
- D-desculpe. - pediu corado e sem graça. - Que esse beijo possa ser o fim para nós dois. Vou sufocar meu sentimentos e... entregá-los a Aikka. 
- Você... ficará bem? 
- A-acho que sim. - respondeu. - Eu... também não quero deixar de ser seu amigo.
- Ah, claro! - concordei animada. - Além do mais você é o meu baterista. Preciso de você para derrotar a Debrah. 
- É verdade. Aquela mulher destruiu muitas vidas. Ainda bem que você não ficou assim Euphi. - falou com um leve sorriso no rosto e ainda corado, segurou a minha mão. - Temi de você se tornar igual a ela quando me chamou de asqueroso. 
- Ah... e... desculpe por isso. - pedi e ganhei outro abraço dele. 
- Eu te amo, Euphimea. - falou. - E quando amamos alguém desejamos que ela seja feliz mesmo que seja com outra pessoa.
- Ah... é verdade. - concordei sem graça. Então ele me soltou.
- Pode ir, o intervalo já está acabando. 
- Tá, então até a aula. 
- Até. - despediu ainda meio envergonhando eu abri a porta dando de cara com Damian parado e encostado na parede com as duas mãos nos bolsos da calça jeans e mantinha os olhos fechados. Ouvi o gemido de surpresa de Nathaniel atrás de mim e fechei a porta.
- V-você está ai? - gaguejei por causa do ocorrido lá dentro. 
- Não precisa fazer essa cara. - falou e então me puxou para o seu peito, num abraço. - Está tudo bem Euphi. - sua voz era doce. - Você acabou de restaurar um coração ferido. - a porta se abriu e Nathaniel não tinha cara de olhar para Damian, mas mesmo assim tomou coragem e disse firme:
- Eu beijei a Euphi. Você tem todo o direito de não me perdoar e ser meu inimigo para o resto da vida. Mas... eu... peço desculpas. - Damian largou-me e se aproximou dele. A diferença de altura era monstruosa. Nathaniel batia em seu ombro. Eles se encararam por algum momento e eu achei que iria haver um briga ali. Mas Damian pausou o mão em seu ombro esquerdo e disse: 
- Beijar uma pessoa que você ama é normal para mim. - ambos ficamos chocados. - Não vou lhe odiar por isso, mas eu lhe odiaria se você machucar a Aikka. Então tome a sua responsabilidade de namorado, como homem e vá se desculpar a ela. (Agora é o BFF da Aikka.)
- Por que ele tem que me pedir desculpas? - indagou ela aparecendo de repente. Levamos um susto, menos Damian que é evidente que ele já esperava por isso. 
- Venha Euphi. - chamou Damian me agarrando pela mão e me puxando. - Vamos deixar os dois a sós. - então voltamos para o pátio passando por Castiel que viu toda cena incrédulo. 
- O que você pretende com isso? - perguntou fazendo Damian parar e eu temer. 
- Não quero ter inimizades. Nem com você.
- Hum... se fazendo de príncipe, hein? Sua garota beija outro cara lhe colocando uma bela galhada na cabeça e você a trata como se não fosse nada. - achei que Damian iria bofetear Castiel de novo, mas respondeu o bofeteando com palavras:
- Acha mesmo que sou burro o suficiente para brigar com a minha namorada e entregá-la para qualquer um?   
- Uh. E você mesmo assim esquece tudo. E se ela fizer de novo? Ou e se acabarem eles indo para a cama? Isso não lhe deixaria louco? 
- Claro que deixaria. - confessou. - Afinal eu sou homem, não sou nenhum deus. Mas para ela chegar a fazer uma coisa desse tipo é porque eu não supro mais as necessidades dela.(Seria tão bom se todos os homens pensassem assim. *u*) - Então se eu fosse você cuidaria da sua para não perdê-la. - falou virando-se e me puxando para perto das meninas, porém parou para dar a última alfinetada em Castiel: - Se bem que... uma namorada como a sua não se satisfaz com ninguém. Além de machucar os outros, machuca a si mesma.      
- Não fale mal da minha namorada! - rosnou.
- Ah... - suspirou. - Você só sabe lati. Vai ser difícil você aprender. Se você ainda quer está namorando com ela, não vá para o primeiro andar quando acabar o intervalo. - dizendo isso deu-o as costas e me puxou para as meninas.
- Damian... você fez isso de propósito, não fez? Ele vai subir lá! - então ouvimos ele correr para dentro da escola.
- Existem pessoas que têm dificuldades de enxergar a realidade. Nosso dever é iluminá-las.
- Mas... ele vai se ferir! - protestei.
- Ele já está. - respondeu ainda sem emoção na voz. Eu não conseguia acreditar no que eu estou ouvindo. "Damian, quem é você?" - pensei em uma mistura de espanto e admiração. 
- "Você já sabe." - respondeu me encarando seriamente. Parecia irritado. Abaixei meus olhos e pedi:
- Desculpas.
- Está desculpada. - falou me abraçando e amenizando a voz.
Assim que o sinal tocou ouvi uma discussão, eram Castiel, Yuri e Debrah. Corremos para ver o que acontecia. Achei que os meninos iriam lutar, mas Castiel se conteve. Ele estava aborrecido, mas era consigo mesmo por ter acreditado nela. Essa chorava lágrimas de crocodilo. 
- Gatinho foi ele quem me agarrou! 
- Pare de me chamar assim. Eu vi com os meu próprios olhos. Pensa que sou burro? Está tudo acabado! Não vai ter mais namoro, nem banda e mais nada! - ele virou as costas e ela o abraçou choramingando pedindo perdão, só que de verdade. Castiel desvencilhou dela e a empurrou fazendo cai bruscamente no chão . - Vocês dois se merecem. - rosnou, mas Yuri não se deu satisfeito e provocou Castiel só para ele sofrer. 
- Ei, seu otário ! Foi tudo armação para você terminar com a Euphimea. 
- Yuri, cala boca, seu idiota! - rosnou ela. 
- Eu não tenho mais nada a perder. Nunca gostei desse cara. Eu e a Debrah sempre fomos cúmplices desde o inicio. 
- Você está perdendo seu tempo me dizendo coisas que eu já sei. - falou de costas e tremendo. Minhas amigas e eu ficamos surpresas. Se ele sabia, então por que fechou seus olhos? - Eu achei que poderia concertar as coisas, mas me enganei. E ainda por cima, perdi a mulher que eu amava. - seus olhos cheio de dor se encontraram com os meus. Então virou-se para Debrah com desprezo disse: - Eu nunca irei lhe perdoar por isso.Você sempre será uma piranha e não tem mais jeito. - bufando saiu e gritou para que saíssemos de seu caminho. Eu queria correr para falar com ele, mas me contive. Porém Damian colocou a mão no meu ombro e falou em pensamento : 
- "Vai, eu sei que você quer ir." 
- "Ficará bem?" 
- "Sim, pode ir". - seus olhos eram pura ternura e eu corri para falar com Castiel. Depois de muito o procurar o encontrei no vestiário masculino do ginásio . - Castiel? - ele se levantou bruscamente e rosnou: 
- Veio rir da minha cara Euphi? 
- Você sabe que eu não sou assim Tiel.- disse com voz manhosa.  
- Então está com pena. - rosnou indo até a porta e eu o abracei impedindo-o. Ele tremia de raiva e tristeza. Tudo o que ele queria era salvar a Debrah, como fiz com Nat ainda a pouco. 
- Sabe o que mais me dói Euphi? - eu sabia, por isso não respondi. - Foi ter perdido você. (T.T) 

Calei-me, pois isso não tinha solução. Também, não podia dizer o que eu disse para Jade, que ele iria achar uma garota maravilhosa. 
- Isso significa que você me perdoa por todas as atrocidades que fiz ou disse. 
- Sim... eu perdoo. - concordei. Ele precisou passar por isso tudo para finalmente enxergar.
- Agora me deixa sozinho. - pediu. Eu o soltei e olhei para ele mais uma vez. Ele estava prestes a chorar e eu sai. O ginásio estava vazio e eu subi lentamente as escadas. Então na porta encontrei com Damian.
- Como ele está? 
- Bem mal. - respondi olhando em direção ao vestiário. - Agora só o tempo irá cicatrizar aquelas feridas. - aproximei-me ainda mais dele e o abracei. - Damian você é um anjo disfarçado. 
- Hu. - riu. - Não... eu só faço isso tudo... é por você. Somente por você. - repetiu acariciando meus cabelos.
  

  





  






{ 7 comentários... read them below or Comment }

  1. OMG Damian é tudo de bom *o*
    Ainda estou em duvida se fico ou não com pena do Tiel >.< ate eu fiquei com vontade de dar bolachas na cara dele pelo oque falou.
    \õ/ finalmente a lambisgoia foi desmascarada, mas ainda merece coisitas muito piores ( calvice inesperada :3)

    ResponderExcluir
  2. HA AMEI AMEII fico ótimoo dam sei lindo o*_* cass vc vai encontrar alguem vau ver ;p

    ResponderExcluir
  3. Awnn , adorei o capitulo *-*
    Cast foi perduado *-*
    arrasou Euphy *-* u.u

    #TeamCastForever *0*
    Volta pra ele ;p shuahsua'

    ResponderExcluir
  4. nossa, eu tava mal c problemas c garotos, pq so cm a personagem... me sinto muito melhor quando leio sua fic, fik + leve! parabens Euphi-san, e n pare d escrever, por favor!

    ResponderExcluir
  5. Ah, to amando sua fic! d+! posta mais por favor! :D

    ResponderExcluir
  6. Ta Muiitoo bom a sua Fiz, mas eu num gostei do Damian ñ , ele é muito sombrio, e misterioso, tenho medo de caras assim , prefiro o Tiel.

    ResponderExcluir
  7. Fica com o Tiel!!! Pleeeease!!

    ResponderExcluir

Por favor não me cobrem quando irei postar.
E por favor respeitem as opiniões e não comentem coisas que podem ser construtivas, pois elas soam como critica.
Obs: Essa ideia é protegida pela lei 9610 de 19/02/1998, qualquer cópia ou rescrição da mesma como plágio, repete a punição conforme consta em lei.
Ou seja, eu sou a criadora, eu sou a única dona.

- Copyright © Amour Glacé - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -