Popular Post

Posted by : Euphimea domingo, 2 de junho de 2013


Depois da aula eu resolvi ir no salão para voltar a ter os meus cabelos pretos. Damian me acompanhou, pois queria almoçar comigo. Enquanto eu pintava-o ele deu uma sumida e só apareceu uma hora depois.
- Aonde você foi?
- Fui ver umas lojas de roupas. E a propósito... - começou pegando uma mecha do meu cabelo tingido. - seu cabelo está lindo. - corei na mesma hora.
- O-obrigada, mas... as pontas não são originais. - confessei envergonhada para a surpresa dele. - É que eu... sofri um pequeno acidente e ele está na altura dos meus ombros agora. Também comprei uma chinó prateada. (Chinó é o mesmo de peruca, porém acho a palavra mais bonita).
- Mesmo assim seus cabelos estão lindos. - elogiou novamente deslizando os dedos nele. Eu continuei corada, não estava acostumada com tantos elogios. Ele segurou a minha mão e fomos almoçar, passando em frente a loja do Leigh e vi que Deeh estava lá dentro conversando com ele. Acabei encontrando Anny fazendo compras com o Ly. Na verdade ele que carregava as sacolas e foi praticamente obrigado, pois não gosta de tumulto.
- Marida você pintou o cabelo! - exclamou me esmagando como sempre . - Oi Damian!
- Oi marida. - comprimentei não tão eufórica . - Olá Lysandre. 
- Oi Anny e Lysandre. - cumprimentou Damian. 
- Oi Euphi e Damian, tudo bom? - falou Ly. 
- Estão fazendo compras também ? - indagou Anny.
- Não. Vamos almoçar juntos. 
- Podíamos almoçar juntos. - convidou Ly. 
- Eu concordo. - aceitou Damian. 
- Êh! - comemorou Anny . - Ly você é tão brilhante. 
- Que isso, claro que não . Só estou sendo educado. 
- Você poderia ter aceitado o elogio. - resmungou .
- Mas eu aceitei. - respondeu. - Só acho que você exagera um pouco, mas suas frases são belíssimas. 
Lysandre dizia aquilo que a pessoa gostaria de ouvir, mas Damian era mais profundo, ele sabia persuadir mesmo. 
Então nós quatros fomos para um restaurante na praça de alimentação. Escolhemos uma mesa e sentamos em casal um de frente para o outro. Anny estava animada.
- Você já almoçou com a Jenna! Agora é a minha vez!
- Certo. - concordei sorrindo.
Fizemos nossos pedidos e dessa vez Damian parecia mais calmo, pois no almoço com a Jenna, senti sua tenção no ar. Mas era incrível como ambos eram caladões.
- Er... vocês não vão conversar? - indaguei quebrando o silêncio.
- Que conversar? Sobre o que quer conversar? - indagou Lysandre com um sorriso.
- Nhá é mesmo Ly! Você e o Damian quase não se falam.
- Talvez seja porque ele é parecido comigo. - argumentou Damian.
- E por isso mesmo que devem ter coisas em comum. - insisti.  - Por exemplo, ambos gostam de música.
-Ah, eu voltei para a banda de Castiel. - confessou Ly.
- Verdade! - exclamei empolgada. - Que bom, então vocês voltaram a ser amigos?
- É verdade marida! Eu esqueci de lhe dizer.
- Não tem problema.
- Nós nunca deixamos de ser amigos. - respondeu. - Mas ele está muito triste agora. - revelou deixando-me incomoda.
- É... deve está mesmo. - falei sem graça baixando os olhos.
- Euphi... - chamou Damian. - Não precisa se preocupar, meu amor. - pediu tocando e meu rosto. - Ele não soube dar valor a pérola que você é. - eu corei com o seu novo elogio.
-" É verdade. Mesmo que ele me amasse não poderia agir como agiu." - pensei. - " E você Damian? Como agiria se me encontrasse na cama com outro sem saber que era tudo armação?" - ele aproximou seu rosto do meu e respondeu em pensamento:
- " Conhecendo-lhe como eu conheço respiraria fundo e acreditaria que seria tudo um armação".
- "Mas... você teve medo de eu voltar com Castiel, por isso que me levou para a sua casa".
- "Você foi obrigada?"
- "Não... eu também queria... o seu cheiro mexe comigo."
- Hu. - sorriu, enquanto Anny e Ly tentavam decifrar o que a gente conversava tanto. "Obrigado." - depositou um beijo em minha testa. - "Eu só tinha aquela carta comigo e ela era o coringa. Você havia surtado Euphi e eu tentei lhe salvar se não lhe perderia para sempre". - confessou.
- Ei, vocês dois? -chamou Anny sem graça. - O que vocês tanto conversam?
- Oh! Desculpe Anny, esqueci completamente que estamos em um restaurante. - disse virando-me para frente e Damian fez o mesmo.
- Isso é interessante. - falou Lysandre de repente eu seus devaneios.
- O quê? - quis saber Anny curiosa. Seus olhos pareciam perdidos, mas logo voltou a si.
- Eles se comunicam pelo olhar. - respondeu.
- É! Isso! Isso mesmo! - concordou Anny tentando esconder o fato da gente ser vampiros reencarnados.
- Você está bem, meu amor? - perguntou o Ly preocupado.
- Ah! Estou bem, não tem nada do que se preocupar! - sorriu amarelo para ele. - Ei, Euphi! Venha no toilet comigo. - pediu para escapar e eu fui. Assim que saímos ela disse: - Ufa! Essa foi por pouco.
- Seria estranho dos meninos saberem disso. Eles custaram a aceitar suas fadas. - disse enquanto ela agarrava o meu braço.
- Então parem de ficar conversão mentalmente na frente dos outro! - brigou ela e entramos no banheiro.
- Era uma coisa intima que não dava para perguntar falando.
- Perguntasse depois.
- Ai, eu iria esquecer. - nos arrumamos enfrente ao espelho. Claro, que fizemos nossas necessidades. Então eu ainda não tinha percebido, mas somente naquele momento e comentei. - Anny... você não acha que meus seios estão maiores?
- Hã? - indagou interrompendo de passar o batom nos lábios. - Hum... eu não reparo muito nisso Euphi.- disse sem graça.
- Eu estou achando. - falei apalpando-os.
- Você não está no seu período menstrual, não?
- Não. Isso já tem um mês.- respondi e ela ficou me olhando com um risinho no rosto. - O que foi? - ela não respondeu e terminou de passar o batom. - Anny! Fala logo e não me mate de curiosidade!
- Há quanto tempo sua menstruação não vem?
- Hum... eu não sei... sempre esqueço de marca... o que isso tem haver? - ela continuou me olhando com um sorriso bobo no rosto. - Não me diga que eu estou...
- Grávida? - perguntou.
- O quê?! - quase tive um treco. - Não, não! Eu usei preservativo.
- Você sabe que só com isso não resolve. Tem que tomar contraceptivo. - respondeu guardando o batom na bolsa.
- Olha, eu tenho só 16 anos! Não posso ficar grávida agora!
- Então diga isso para esse projeto de gente que está na sua barriga. - respondeu lavando as mãos que estavam manchados de rosa por ter limpado os cantos dos lábios.
- Não me bota terror marida! - exclamei em pânico.
- Eu vou ser  madrinha? - perguntou rindo.
- Anny! - gritei com ela bem séria.
- Está bem, calma. Vamos em uma farmácia e fazer um teste. - eu a agarrei pelo braço e corremos feito loucas pelo shopping atrás de uma farmácia. Os meninos estranharam da gente correndo daquele jeito e passar por eles sem dizer nada. Comprei o teste e da mesma forma que corremos antes agora voltamos para o banheiro.
- E ai? - indagou a Anny parada a porta.- Deu positivo? Eu quero ser madrinha do Damian júnior! - ela não parava de rir.
- Grade amiga você é! - briguei olhando para o teste e esperando o resultado.
- D-desculpa, mas... ah vai... é um bebê do seu querido Damian.
- Está mudando de cor! - berrei em pânico vestindo-me e saindo.
- Ai meu Deus! Deixa eu ver! - exclamou pegando o teste.
- E ai? Deu o quê? - indaguei morrendo a dobra do meu indicador. Ela fez suspense. Leu de novo a embalagem e disse:
- Nhá... é negativo. - respondeu frustada.
- Sério! - exclamei muito feliz e arranquei o teste de sua mão. Olhei, conferi na caixa e realmente era negativo. Respirei fundo tentando acalmar meu coração que estava aos pulos. - Aah... que alívio. - suspirei jogando tudo fora.
- Poxa, eu queria ser madrinha do Damian júnior. - choramingou ela.
- Você quer parar com isso?
- Se bem que esse exame não é 100% certeza. Talvez você ainda esteja grávida!
- Não! Eu não estou! E amanhã vou fazer um teste de sangue para lhe mostrar! - exclamei furiosa e saindo do banheiro a passos largos dando de cara com Damian e levei um susto.
- A comida já está na mesa. - falou ele.
- Ah! Oi Damian! - cumprimentou ela segurando as duas mãos dele que não entendeu nada. - Seria lindo, pois vocês dois se combinam tanto. - e com isso saiu com risinhos em direção a mesa, dando um susto em Ly o abraçando por trás.
- O que está acontecendo Euphi? - perguntou. Eu tentei não pensar para ele não ouvir meus pensamento.
- Não houve nada. - menti. Ele se inclinou e disse no meu ouvido:
- Não gosto que minta pra mim, Yufi. - depois deu-me um beijo no rosto e saiu. Sua voz estava levemente ameaçadora.
- Er... Damian. - chamei-o o agarrando pela barra de sua camisa o fazendo parar. - D-desculpe, mas eu não o queria preocupar com bobagem. - pedi baixo o fazendo se virar e soltar minha mão de sua camisa.
- Diga o que é. - pediu gentilmente levando meu rosto com as duas mãos por baixo meu queixo e eu corei.
- Bem... eu... achei... que... estava grávida, mas... deu negativo. - respondi sem encará-lo. Ele soltou meu rosto e sua expressão de surpresa ao ouvir a palavra grávida, se desfez e agora era séria.
- Isso não é bobagem. - depois voltou a ficar com o rosto gentil e continuou, curvando, e falando em meu ouvido: - Eu adoraria ter um filho seu, Yufi. - pegou-me pela mão e conduziu-me até a mesa. Ele falou de um jeito tão amável e ao mesmo tempo decepcionado por eu não estar grávida.
Até que não seria uma má ideia ter um pedacinho de Damian sendo gerado em mim, mas ainda é muito cedo para pensar nisso. E Anny não conseguia deixar de sorrir para nós dois durante o almoço. Depois Damian me deixou no apartamento, estranhei por ele não querer que eu fosse para a sua casa.
- Ficou decepcionado comigo?
- Não, as provas estão chegando. Melhor se dedicar a elas. - pediu me dando um selinho e foi embora.
- Ele ficou meio frio de repente. - falou Anny tombando a cabeça de lado.
- Também achei. Bom o jeito é deixá-lo sozinho. - mas fiquei angustiada. Por que as mulheres levam tudo para o lado pessoal? Tentei acalmar o meu coração e apertei o meu andar e Anny fez  o mesmo.
- Até amanhã. - falou ela abanando a mão.
- Até amanhã. - despedi pegando a chave na minha bolsa. Ao parar enfrente a porta senti um cheiro muito doce, será que Jenna comprou algum perfume novo? Quando abri a porta tamanha surpresa ao ver que havia um jardim no nosso quarto. Eram tantas flores espalhadas que eu nem sabia o que pensar. Jenna apareceu do banheiro com a mão no nariz.
- Euphi! Ainda bem que você chegou! Não aguento mais esse cheiro! - choramingou.
- Mas... por que você não as colocou na varandinha?
- Por que essas flores não são pra mim.
- Ah? Não?- indaguei surpresa. - S-são todas pra mim?
- Sim. Eu recebi o rapaz da loja e ele não parava de trazes flores para dentro.
- Então vamos colocá-las lá fora, que esse cheiro está me enjoando. - comentei e peguei o vaso de lírios fazendo o cartão cair no chão. Abaixei, pegando-o e abri para ler:
   " Euphi, nem o esplendor de Salomão se comparar com esses lírios, mas você é a mais bela dentre as flores. Damian" - levei um susto por ser dele.

- É do Damian? Uau! Ele está caidinho por você Euphi! - então fui pegando os vasos tirando os cartões e os colocando lá fora, Jen me ajudou pois eram tantos. No final contei 30 vasos de flores, incluindo 2 buquês de rosas e outro de margaridas. Fechei a porta de vidro e melhorou um pouco o cheiro doce.
- Vou ligar o ventilador. - avisou Jen.
 Sentei na cama para ler os cartões. Então era por isso que ele sumiu naquela hora, deve ter ido encomendar as flores. Dei um sorriso envergonhado, ele me surpreendia demais. E também ele queria que eu subisse logo para ver as flores, por isso que ficou frio daquele jeito. Abri outro pequeno envelope:
" Euphi, você é como as rosas, bonita e frágil, porém cheia de espinhos, mas eu não me importo de ferir minhas mãos para poder cuidar de você. Damian." 

- Ele está melhor que o Jade. - disse Jenna curiosa pra que eu lesse o resto.
- É... ele me surpreende a cada dia. - comentei antes de abrir o outro envelope.
" As violetas precisam ser aguadas todas as manhãs, não deixa-a secar o pires, elas precisam de muito amor assim como você. Damian."

" Já as orquídeas não podem pegar muito sol, elas são as mais frágeis que as rosas, precisam de proteção assim como a dona. Damian."

" O girassol muda de posição com o sol, assim como eu quando lhe vejo brilhar todas as minhas manhãs. Damian."

"Copo de leite são grandes atratores de insetos por conservar água no seu interior. Assim eu me sinto quando estou envolvido em seus braços e..."

- Não vai ler o resto? - perguntou a Jen. Eu fiquei vermelha feito um pimentão.
- Desculpe, mas esse é intimo de mais. - respondi sem graça e ela apertou os olhos me provocando.
- Hum... tem safadeza!
- Ele é pior que o Ly quando o assunto é poesia.
- Como assim pior?! Ele escreve coisas lindas!
- Você não entendeu, estou dizendo letras quentes.
- Ah! Mas eu quero saber! - ficou incomodando.
- Ai, ai. Toma. - disse sem olhá-la. Ela leu e ficou corada também.
- Nossa! É quente mesmo. (preciso polpar minha caras leitoras da minha mente pérfida e poluída.u.u)
" As tulipas vermelhas me fazem lembra de seus lábios como se pedissem beijos. Damian"

" A flor de lis representa honra, realeza e lealdade. É o que eu tenho por você. Damian."


    Continuei lendo e já estava ficando cansada de tantos cartões. Claro, que eu fiquei feliz, mas acho que ele exagerou. Os dois últimos envelopes achei estranho, pois os que eu li eram rosa e haviam dois diferentes. Um era azul e o outro vermelho. Abri primeiro o azul e li o que estava escrito:
" Querida Euphi, as flores são para lhe pedi desculpas se algum momento eu lhe assustei. Gostaria de continuar ser o seu amigo, pois... eu... não consigo sair de perto de você. Confesso de querer estar lhe namorando, mas eu tenho responsabilidade de homem para assumir e...então não quero forcá-la. Se eu não fosse alérgico entregaria essas flores pessoalmente para você. Espero que goste de margaridas, pois eu não sei qual é a sua flor preferida.
Ass: Um grande beijo de Nathaniel, seu anjinho." 
- Quê! - exclamou Jen ao ouvir eu terminar de ler. - O Nathaniel lhe mandou flores! Nossa, que lindo!
- E estou com medo de abrir o outro envelope.
- Por quê? O que será que tem em um envelope vermelho? - indagou ela fazendo voz de suspense.
- Porque eu tenho certeza que é do Castiel as rosas vermelhas.
- Se não quiser ler, passa para cá que eu leio.
- Calma, ai! - exclamei parando-a. - Tenho que tomar folego. -pedi e Jen virou para o buquê que recebera de Armin sobre a mesa e ficou alisando uma das folhas com o dedo.
  " Euphimea, liga não, mas eu sou ruim com essas coisas". - Inclusive a letra. - comentei e fiz a Jena rachar de rir. "Estou me sentindo um idiota escrevendo isso, mas queria lhe pedir desculpas formalmente. Ah! Isso não é o meu estilo! Porém sobrevivo até o final. Confesso que eu me sinto um panaca, imbecil e um idiota completo por ter acreditado naquela... nem vou dizer o nome. Ou melhor escrever. Eu fico agradecido por você ter me perdoado, mas eu não consigo me perdoar. Nesse momento poderia estar contigo... e ... se Damian não estivesse entre nós, eu... ainda gostaria de ficar com você. Não paro de pensar em você um minuto. Não deveria desejar isso, mas eu quero...
Euphi, larga esse cara e venha ficar comigo novamente! Ainda mais agora que você... não é mais... né? Acho que já deu. Até mais e pense na minha proposta. Castiel." 
- E ai, Euphi? - indagou Jena maliciosamente. - Voltou a se envolver em um quadrado amoroso. Se eu não soubesse do seu passado diria que dessa vez você derramou todos os óleos na calcinha. Vai voltar para o Castiel-kun?
- Não. - respondi abaixando os olhos.
- Quê! Mas é evidente que você é louca por ele e tudo mais! Eu e a Anny apostamos que você nem levaria dois meses para correr para os braços do Castiel!
- É verdade, mas... Damian me encanta com as coisas fofas que ele faz, sabe? Não quero deixá-lo. - respondi olhando para fora da varanda. (É o mesmo com o Ly fofix! *u*)
Eu não queria sentir aquela dor novamente. A mesma dor que Damian sentiu várias vezes como se alguém apertasse o seu coração. Doía mais que a dor física, pois é na alma e também não posso deixá-lo depois de tudo o que ele passou, seria injustiça ou covardia da minha parte. - Jen ficou passada ou ouvir o que eu havia falado.  Mas mesmo assim falou:
- Então praticamente você está com ele por pena. - aquilo foi uma seta certeira
Levantei-me e fui tomar um banho, depois ligaria para Damian  agradecendo as flores.
- Damian, não vou deixá-lo sofrer sozinho novamente. - falei baixo no banho para que não sendo um pensamento e ele pudesse ouvir. Aquilo que a Jen falou antes me incomodou muito. Será que estou com Damian só por pena? Depois que mudei de roupa e sair do banheiro peguei meu celular para ligar para ele. Sai para a varanda e fechei a porta.
- Alô?
- Alô, Damian eu... queria lhe agradecer pelas flores.
- Fico feliz por ter gostado. - a sonoridade de sua voz não parecia o que o adjetivo empregava.
- Está tudo bem?
- Está. - respondeu com a mesma voz. Era algo que me incomodava. As vezes ele não parecia humano. Parou de se expressar como ontem. - Vai ver o Dimitry hoje de noite?
- Vou. Se quiser ir...
- Irei e ainda chamei os rapazes.
- Quê?! Você disse que iriamos visitar um vampiro?
- Não. - respondeu ainda frio. - Só disse que estou curioso em saber o que tem no casarão da colina. Tive dificuldades de chamar Nathaniel, eu entendo perfeitamente o que ele sente, mas ele virá, só não telefonei para Castiel. Eu quero que você faça isso.
- C-como? Você quer que eu convide Castiel para ir conosco ao casarão?
- Sim. Se não fizer isso posso correr o risco de lhe perder.- agora a sua voz saiu levemente doida e eu senti aquela pontada no peito de quando ele está triste. Só de eu pensar em algum momento em deixá-lo sentia essa dor esmagadora e sufocante. Era como se fosse uma prisão e era mais perigosa do que as correntes de Nathaniel.
- Eu farei. - respondi depois que aquela dor passou.
- Obrigado. Euphi, estou lhe mandando um beijo. - e fez um som de beijo e depois de um leve sopro. Enquanto eu estava na varanda senti algo se aproximando e era bem forte. De repente um brisa soprou entrando para dentro do quarto fazendo meu cabelo e as cortinas voarem.
- Sentiu?
- Sim... Damian. U-um beijo para você também.- tentei fazer o mesmo, mas não acreditei que iria. Então ouço o vento assobiando no telefone, deixando-me surpresa.
- Acabou de chegar. - a voz agora era mansa. Até daqui a pouco, as 19 horas enfrente o colégio.
- Até. - desligamos.

(Eu amo esse gif do meu perfil, coloquei legenda é claro. Mas foi tipo isso.)
Eu estava preocupada, o que ele pretendia fazer? Aquelas manobras dele eram como se fosse peças movidas calculadamente em um jogo de xadrez. Como se cada pessoa fosse uma peça de seu jogo.
Respirei fundo e liguei para o Castiel. Fazia tempo que eu não ligava para ele. Meu coração estava a mil por hora.
- Fala Euphimea. - sua voz alegre diminuiu um pouco me temor.
- Olá Castiel, tudo bem?
- Está. E contigo? - perguntou, provavelmente notou minha voz trêmula.
- Bem... eu liguei para...
- Dizer que me ama muito. - brincou interrompendo. - Isso significa que aceitou o que escrevi no convite. O interessante que foi rápido demais, então você ainda é louca por mim.
- Castiel me encontre as 19 horas no colégio. - falei bem rápido antes que alguma coisa saísse do plano. Ele ficou surpreso e respondeu:
- É claro que sim. Também estava pensando em lhe dar uns pegas. Coloque um vestido que facilita as coisas. - sua voz pervertida era tentadora. Então eu encurtei a conversa.
- A gente se vê lá, tchau. - desliguei na cara dele. Fui grosseira, mas tinha que fazer. Sai e fui falar com a Jena.
- Então vamos ver o Dimitry? - ela perguntou feliz.
- Sim, só vou avisar as meninas. - e interfonei para a Anny.
- Eu já estou sabendo marida. O Damian me ligo e eu estranhei. - levei um susto. Ele já havia deixado tudo armado. - De qualquer forma vamos ver o Dim! - exclamou feliz. Mesmo assim interfonei para todas para confirmar, Kelly, Kloster, Aikka, Ichigo e só faltava a Hanako. Ela não sabia ainda e eu a informei.
As 19 horas estávamos  no colégio e Damian foi o primeiro a chegar. Seu olhar era o mesmo de hoje de manhã, frio e inexpressivo. Ele se aproximou e me deu um abraço forte.
- Euphi... - sussurrou meu nome. Aos poucos os rapazes foram chegando e logo todos estava presentes. Armin, Alex, Ken, Nathaniel e Lysandre. Então a Miele passou do outro lado da rua, nos viu e veio nos cumprimentar timidamente.
- Olá pessoal. Para onde vão?
- Para o casarão da colina, quer vir? - convidou Armin. Ao ouvir o lugar Miele se tremeu toda com medo e disse:
- Lá é assustador, não acham?
- Não precisa ter medo, tem vários homens aqui. - respondeu Ken se aproximando dela.
- E o que iram fazer lá?
- Não sabemos. - respondeu Nathaniel. - Vou apenas por curiosidade.
- Então... eu irei.
Só faltava o Castiel. Será que ele vira? Depois que eu desliguei o telefone em seu cara? Esperamos e nada dele.
- Acho que ele não vem. - comentei. - Desculpe, falhei.- pedi para Damian que se aproximou e colocou a mão na minha cabeça e falou:
- Ele já está aqui. - fique surpresa e virei-me. Dobrando a esquina Castiel aparece todo arrumado para um encontro. Ao ver tanta gente sua expressão se tornou de surpresa.
- O que está acontecendo aqui? - rosnou ao chegar mais perto.
- Só faltava você, vamos. - falou Damian dando as costas e o restante obedeceu sem pestanejar.
- Eu não vou a lugar algum sem uma explicação. - teimou. Damian olhou gentilmente para mim e disse: - Euphi, traga-o.
Eu fui, não sabia direito o que ele pretendia, mas não tinha volta. Parei na frente de Castiel e seu olhar me dizia que fora enganado.
- Desculpe... eu... não consegui dar mais detalhes. Nem sei direito o que vamos fazer no casarão da colina. - ele ficou surpreso.
- Hum? Vamos brincar de dar sustos? - indagou gostando da ideia e Damian parou e não se virou dizendo:
- Se vir logo saberá. - Castiel foi motivado pela curiosidade e pegou a minha mão nos acompanhando. Começamos a subir a estrada ingrime que dava para o casarão. Castiel gostava de provocar e irritar as pessoas. Também queria saber "qual era a do Damian" e perguntou:
- Ei, Damian? Você não teme em deixar a Euphi comigo? Sabe o que eu seria capaz de fazer com ela? - Damian continuou seguindo e respondeu:
- Sei. Ela sabe o que acontecesse se me deixar. - isso não soou como uma ameaça.
Sim, a dor. Eu preferiria continuar com ele do que sentir aquila dor angustiante e esmagadora em meu peito. Aquela dor era o fruto de nosso encontro, de nossa união, não era nada forçado ou imposto por Damian. Era a dor de separação de duas almas gêmeas. Por isso o significado de gêmeas, aquilo que não deve ser separado, que precisa permanecer junto para sempre.  Castiel viu a minha expressão de medo de sentir aquela dor e começou a se revoltar:
- Ei, Damian! O que está fazendo com a Euphi? Está tando alguns corretivos nela? Parece um cãozinho domesticado!
Damian parou, virou-se e voltou, pois estávamos por último. O pessoal observou em silêncio aquela confusão. Nathaniel estaria disposto a intervir se algo acontecesse. Damian se aproximou de Castiel. Ele era 7 centímetros  a mais  e Castiel batia na altura de seu nariz. Ambos se encaravam ferozmente. Eu não consegui saber quem "rosnava" mais.
- Está querendo me domesticar? - indagou Castiel com um sorriso de canto.
- Não. - respondeu frio. - Só quero ser seu amigo. - ele sabia as palavras certas para falar, mas Castiel era difícil de se lidar.
- He, acha que vou cair nessa conversa de amiguinhos, ainda mais gostando da mesma garota?
- O  que você sente por ela, eu sinto o mesmo. Mas quem vai decidir entre nós é ela. - e com isso deu as costas o ignorando apenas completou: - Agora, por favor, vamos. Está nos atrasando.
- E se eu não quiser ir?
- Você é livre de voltar. -respondeu e continuou a andar. - Vamos. - pediu e o pessoal o seguiu como se fosse um líder. Eu dei dois passos para frente e fui parada por Castiel que ainda segurava minha mão firme e não se movia.
- Castiel? - chamei e ele desviou o olhar furioso de Damian virando-se. - Vamos, por favor. - pedi.
- Por que vocês o seguem em silêncio, como ovelhas obedientes as ordem de um cão?
- Olha... eu não sei o que está acontecendo, mas confia em mim. - pedi. Ele se aproximou e me abraçou forte.
- Só se você me escolher. - propôs. Eu não podia. Meu laço com Damian era mais forte, não tinha como nos separar. Eu não podia dizer nem sim e nem não, então pedi um tempo.
- Deixa eu pensar.Vamos? - pedi novamente agora o puxando e finalmente depois de muito resistir ele veio. Fomos apressados, pois o grupo estava lá na frente e Damian falou sem se virar:
- Seja bem- vindo.
Ninguém sabia o que estava acontecendo, mas todos estava indo movidos pela curiosidade. Mais um pouco era possível ver o casarão abandonado. Ele crescia envolta de sombras conforme nos aproximávamos. O ar ficava cada vez mais frio enquanto subíamos. Plantas trepadeiras cresciam subindo pelas paredes manchadas de mofo do casarão, quase o cobrindo por completo. Dimitry deveria está acordado já que o sol se pôs havia uma hora. Finalmente chegamos no topo e dava para ver a cidade iluminada lá em baixo. Armin ficou louco com o lugar.
- Que lugar maneiro! E então? Quando começa a brincadeira de assustar? - ele também achou que era isso.
- Logo. - respondeu Damian bem sério. Hanako não parava de tremer assustada e Anny foi acalmá-la. Então uma sombra se moveu lá dentro e logo a silhueta de Dimitry se aparecera na porta. Os rapazes ficaram surpresos com a sua aparição e presença hostil. Não porque ele era mal, mas porque ele era vampiro.
- Sejam bem-vindos a minha humilde casa. - respondeu se curvando com a mão no peito.
- Legal a sua casa, hein? Você mora aqui a muito tempo? - indagou Armin despreocupado.
- Tem um ano. - respondeu.
- Que mal gosto. - falou Alexy. - Você precisa de um arquiteto para arrumar essa casa. Se precisa de ajuda pode me chamar que eu conheço um bom e também tenho bom gosto em decorações.
- Obrigado, mas assim está bom. - respondeu gentilmente.
- Eu também gosto de estilo vitoriano. - confessou Lysandre fascinando com as roupas de Dimitry.
- Essa iguaria pertenceu ao Conde Hans Axel von Fersen.
(Conde Hans Axel von Fersen de Rosa de Versailles)
- Então quer dizer que é original? Eu não posso acredita nisso! - agora ele estava admirado.
Ele olhou gentilmente para mim e cumprimentou:
- Olá Euphi. Como você está? - eu puxei a mão de Castiel que a esmagava já tinha um certo tempo e me aproximei dele, meio receosa pela presença vampírica, o abracei enviando o rosto em seu peito.
- Estou bem... tentando. - ele me afastou antes que eu caísse no sono e acariciou meus cabelos.
- Logo ficará tudo bem, você vai ver.
- Dimitry? - chamou Aikka corada.
- Olá Aikka. - o mesmo que eu ela correu para abraça-lo e logo recebeu abraços de Jenna, Anny e Kelly.
- Vocês o conhecem? - indagou Nathaniel surpreso.
- Sim, já tem um tempo. - respondeu Anny.
- Cof, cof. - fez Kloster cruzando os braços.
- Ah! Essa é a Kloster, Dimitry. - falei a apresentando. - Aquela são a Ichigo, Miele e a Hanako...  que  você já deve conhecer. - ela estava assustada e surpresa ao mesmo tempo. Assustada por ver o vampiro novamente e surpresa por todas ir abraçá-lo. Ele a olhou gentilmente e cumprimentou-as:
- Sejam bem vindas. - e depois voltou-se para todos. - Sejam bem vindos a minha humilde casa.
- Bem humilde mesmo. - alfinetou Alexy de novo.
- Alexy! - rosnou Kelly se aproximando dele.
- Agora que eu sei o que tem aqui, vou embora. - comentou Castiel e Dimitry indagou:
- Nem para experimentar o jantar?
- Jantar? Num lugar como esse?
- Eu gostei. - confessou Armin. - Tem corvos empoleirados naquela árvore seca alí. Logo os morcegos vão aparecer.
- Armin! - chamamos sua atenção para parar de brincadeira.
- Eu estou falando sério. - choramingou.
- Guarde seus gostos esquisitos só para você. - repreendeu Alexy.
- Aprecio seu gosto. - falou Dimitry formalmente curvando-se.
- Viu? Ele gostou. - e deu aquele sorriso bobo.
- Por favor, entrem. - pediu se dirigindo para a porta e virando-se para Damian, curvou-se como faz perante a um rei. Afinal Damian foi seu mestre em outra vida, mesmo por pouco tempo, foi ele quem o criou, seu "pai". Damian apenas lançou um olhar de agradecimento.
Então entramos naquele casarão escuro. Claro, que era assustador, mas estava tudo limpo. Dimitry parou perto da escada e falou:
- Acho que vocês não se agradam muito com esse tipo de ambiente. Vou deixar do gosto de vocês. - então uma luz irradiou dele fazendo seus longos cabelos castanhos esvoaçar. Foi uma rápida explosão de luz e cessou.  Dois segundo depois a mesma luz brotou do chão como água e se espalhou pela casa até o teto transformando tudo em um belo salão do século XVIII.

Até as nossas roupas mudaram parecíamos nobres franceses com aqueles longos vestidos e cheio de babados. Os rapazes galanteadores com roupas que Lysandre costuma a usar. Eles estavam corados.
- Só não rio da cara de vocês que eu estou tão ridículo quanto. - comentou Castiel sorrindo.
- Estou parecendo o Sherlock Homes.- comentou Armin.
- Eu gostei muito da minha cartola! - comemorou Alex.
- E a gravata gigante. Não o deixou de ser palhaço. - debochou Castiel.
- Eu gostei, combina comigo.
- Eu devo agradece pelo conjunto cinza pérola, eu nunca usei dessa cor. - agradeceu Lysandre.
- E-eu pareço um nobre. - gaguejou Ken.
- Eu não sei como eu estou. - falou Nathaniel e viramos para ele coradas.
- Nossa parece um príncipe! - falamos e ele ficou vermelho feito um tomate.
- O-obrigado.
- Eu estou tão chique! -exclamou a Anny.
- Está mesmo magnifica.
- Nhá para Ly! Assim eu fico sem graça. - falou vermelha.
- Aaaaaaahhh! Dimi seu fofo! - exclamou Aikka e correu para abraçá-lo de novo. - Essa roupa ficou tão linda! Obrigada! E ainda estou combinando com o Nat, estamos de branco!
- Não meu amor. - corrigiu Nathaniel. - Você está de verde claro.
- Eu estou me sentindo uma noiva. - resmusgou Kloster. - Dimitry eu quero outro vestido!
- Sinto muito, mas eu só posso usar essa magia uma única vez.
- Olha que legal! - chamou atenção a Jena.- Meu broche floresce e depois as pétalas começão a cair.
- Achei lindo foi a sua boina. - falou a Anny.
- Minha Jeninha está parecendo uma vampira.
- Obrigada, também acho.
- Nossa, eu nem sei o que dizer. - falou Kelly.
- Eu fiquei tão fofa. Obrigada Dimitry. - agradeceu a Ichigo.
- Eu também nem tenho palavras. - falou timidamente Miele.
- Tem caveiras por toda parte. - comentou Hanako surpresa.
- Você não gostou? - perguntou Dimitry.
- Eu gostei. - respondeu Castiel.
- C-claro que gostei. Só fiquei admirada com esse vestido.
- Eu amo azul, você me conhece mesmo Dim. - falei e todos me olharam surpresos.
- E-euphi? - gaguejaram.
- Por que você está loira? - indagou Castiel não gostando nadinha.
- Loira? - eu ainda não tinha visto o meu cabelo então peguei uma mecha e vi que estava loira.
- Os olhos dela não eram azuis? - reparou Alexy.
- Acho que sim. - respondeu Ken.
- Eu nem reparo nessas coisas. - comentou Armin.
- Está de que cor? - perguntei.
- Verdes. - respondeu Nathaniel.
- Então eu estou como a Isabelle. - e eles não entenderam nada. Fui procurar o Damian e levei o maior susto ao vê-lo. Os rapazes caíram na gargalhada, principalmente Castiel.
- É o Conde Drácula! - e não parava de rir.
- Eu gostei, tá maneiro! - falou Armin com um enorme sorriso no rosto.



- Obrigado pela ilusão Dimitry, mas você sabe que eu abomino essa aparência.
- D-desculpe Damian-sama. - e curvou-se com a mão no peito. 
- S-sama! - exclamamos surpresas. Sama é usando para pessoas mais velhas e autoridades.
- Eu desprezo Gareth von Morrice. - disse sombrio nos fazendo engoli seco e deixando os meninos confusos.
- Hora do jantar. - falou Dimitry nos convidando para uma enorme mesa e de repente apareceu servos trazendo comida, parecia que tínhamos realmente voltado ao século XVIII.Havia até orquestra de verdade tocando. 
- A comida é ilusão também? - perguntei baixo sentada ao lado de Damian. 
- Não, a comida ele teletransportou de algum lugar. - respondeu afastando a franja do olho que o incomodava, mas ela teimava de voltar para o lugar.
Começamos a conversar e brincar quem nós éramos da nobreza e rimos do comentário de Armin.
- Você está parecendo o duque da abóbora!
- De onde você tirou isso? - perguntou Alexy
- Sei lá! Acho que é por causa da cor da grava de palhaço. 
- E você Euphi, é quem? - indagou Alexy empolgado com a brincadeira. Eu assustei-me e engoli em seco. Respirei fundo e disse:
- Isabelle Frontin Morrice. 
- Duque francesa casada com Gareth von Morrice. - completou Damian bem sério e houve silêncio. - Ou seja eu. 
Castiel torceu o nariz não gostando do comentário. Nathaniel tentou ignorar. Damian ergueu um olhar para o Dimitry nosso anfitrião que estava em pé coordenando o banquete e então virou-se para olhá-lo. Não sei que comando que foi, mas tudo desapareceu e estávamos em pé enfrente a um castelo.
- Bem- vindos ao Palácio de Versalhes, onde tudo começou. - disse Dimitry, agora sendo o nosso guia. Haviam pessoas com roupas como nossas, mas pareciam que não nos viam. Era uma ilusão, porém ao mesmo tempo algo que aconteceu no passado.
- Você está nos saindo um ótimo mágico! - exclamou Armin.
- Eu amo esse lugar. - suspirou Lysandre subindo a escadaria. - A nobreza sempre dava grandes bailes aqui. 
Então ficamos por conta dos acontecimentos, pois era muito real.

"A noite acabara de surgir e o palácio comemorava o 9º aniversário de Luis XVII, todos de Paris e da Áustria  foram convidados, pois era a terra natal da Rainha Maria Antonieta, mãe do pequeno Luis. Todos se divertiam e bailavam no salão. Então a rainha que sempre se dirigia ao público, pois o rei era muito tímido disse:
- Caros amigos e familiares, esse aniversário é muito especial, pois hoje será o noivado de meu filho com a Duquesa Isabelle Fontin Lafaiete.
Então uma jovem de 14 anos, loira e de olhos verdes, fora incentivada pela mãe para subir até onde estava a rainha e ambos um do lado do outro cabisbaixo receberam aplausos e trocaram alianças. Ela era bem mais velha que ele e teria que esperar um pouco até casar. 
Logo todos voltara a dançar, conversar e a se entreter. Rei Luis XVI estava viajando resolvendo negócios,  pois a Revolução Francesa iria começar. E a rainha se dirigiu para o trono se sentando. Então o tão amado Duque Hans Axel von Fersen, se aproximou, por  detrás do trono permanecendo na penumbra.
Ela olhou para ele triste e disse:  
- Por que veio aqui? Sabe que eu não posso ficar com você.
- Desculpe majestade, mas vim contemplar sua beleza pela última vez. Irei viaja para a Suécia ainda hoje. Posso me despedir pela última vez? - indagou estendendo a mão e ela o seguiu para um dos quartos do palácio para ter mais uma noite de amor. Eles eram amates e sofriam por não poderem ficar juntos.
Enquanto isso Isabelle dançava com o jovem príncipe e ambos estavam descontentes. 
- Eu não sei porque temos que ficar noivos. - falou o príncipe.
- Minha mãe disse que irá começar uma guerra. Desculpe, alteza vou me retirar por hora para descansar-me os pés.
- Pode ir, Isabelle. - permitiu beijando-lhe a mão e ela saiu para o jardim do palácio. Então um rapaz de 20 anos se aproximou, com uma taça de vinho na mão e indagou:
- Posso me assentar duquesa? - a pobre moça corou com tamanha beleza e seu coraçãozinho puro parecia um pássaro em pleno voo. 
- Sim, meu senhor. - houve um breve silencio então o galanteador rapaz comentou:
- Está bonita. - ela corou de novo. - Irá realmente casar sem amor?
- Sim, é a vontade de meus pais. No entanto eu não conheço o amor. Nunca vivi, mesmo eu estando em uma idade boa para casar. 
- Se quiser eu posso ensiná-la. - disse sedutoramente pegando uma mecha de seu cabelo e cheirando-a. Depois levantou e se despedindo: - Posso revê-la amanhã?
- E-eu não sei. 
- Amanhã estarei aqui ao entardecer, e lhe aguardarei. - falou se retirando.
- E-espere, diga-me pelo menos o seu nome. 
- Duque Gareth von Morrice. - pegou a mão dela e beijou-a a fazendo corar novamente, voltando para a festa.
No dia seguinte Isabelle conseguiu sair escondida e foi se encontrar com o duque. De fato ele a esperava no jardim com uma rosa vermelha na mão. 
- Bonne nuit madamaiselle.
- Bonne nuit monsier. - cumprimentou fazendo uma reverência. Naquela noite eles apenas conversaram. E todas os finais de tarde ela saia escondida e iria se encontrar com ele. Logo ambos estavam aos beijos belo jardim. Então algo que o duque não espera era que fora flechado pelo cupido. Ambos estavam deitados sobre a grama de mãos dadas.
- Isabelle... eu... estou apaixonado por você. 
- Está? - indagou surpresa. - A paixão por um acaso é uma euforia e um desejo enorme de encontrar e estar com alguém?
- Sim, é o desejo de querer essa pessoa para si. 
- Então eu também estou. - ele sorriu gentilmente a beijando mais uma vez.
- Isabelle, não case com o príncipe. Case comigo. 
- Se meus pais permitirem...
Ambos foram falar com os pais delas e eles proibiram. Ela já fora apresentada como futura noiva do príncipe e não poderia ser feito essa desfeita, seria uma grande desonra. 
Isabelle ficou trancada por meses, mas mandava cartas para ele que sempre correspondia cada vez mais apaixonado e que sempre assinava com um eu te amo.
Então houve a Revolução Francesa, bala de canhões caiam por toda parte, a família real fora presa e os pais de Luis XVII guilhotinados. Ele morreu na prisão com 11 anos de idade. Agora Isabelle tinha 16 anos e passara da idade de casar. Ela fora mandada para um convento.

Lá ela estava protegida da revolução, porém o duque foi resgatá-la  a noite e tiveram a primeira noite deles em um estábulo. Depois de cinco meses casaram, pois ela já passaria da idade.
Eles poderiam viver felizes para sempre? Ah, poderiam... mas o ciúme possessivo de Gareth o consumia diariamente. Depois da guerra agora a francesa pertencia a Napoleão e novamente Isabelle era cobiça e cortejada. Eles perderam tudo na revolução e não passavam de burgueses, tentaram ser. Ela saia para fazer compras e sempre era alvo de seduções. Gareth enciumado a trancou no quarto meses e eles quase não se viam, pois ele tinha que trabalhar. Ela foi ficando triste. 
Até que um dia Gareth voltou a noite e mudado. Havia encontrado um homem que queria que ele fosse sua boneca, seu brinquedo. Seu nome era Clovis Elfort.  
Isabelle estava dormindo quando Gareth entrou em seu quarto e desejou-a naquela noite, mesmo que ela não quisesse por está muito enjoada. Na verdade ela estava gravida e mesmo assim Gareth a tomou a força. No meio do ato não resistiu e transformou-a em vampira depois de tomar seu sangue.
Agora com a nova vida, ambos resolveram se mudar para Espanha. Então ambos começaram a ter uma vida promiscua de sangue, orgias em festas e adultério, pois ambos tinham o poder de atrair pessoas e até do mesmo sexo. 
Cem anos se passaram e eles voltaram para França, pois estavam sendo caçados. Mas não durou muito, pois a França também estava cheia de vampiros e muitos morriam com o surgimento da malária no século XIX. 
Então um rapaz de nome Dimitry Pierre Roy, teve a esposa contaminada e foi a procura do último vampiro restante em todo território francês. Gareth acabara de perder a esposa Isabelle, a qual foi assassinada por um caçador. No dia seguinte ao amanhecer ele estava disposto a morrer, pois percebera que sua vida não valeria nada sem ela e que se arrependeu de seus erros do passado. Queria mais uma chance de consertar tudo e ser feliz com ela em outra reencarnação. Dimitry chegou a tempo para fazer seu pedido desesperado e Gareth o fez, já que era o único vampiro existente na região. Logo o sol nasceu e o duque vampiro se tornou em uma estátua de cinza. 
Sua alma vagou e vagou até chegar o momento de nascer de novo. 
No Japão havia acabado de nascer um menino:
- Qual irá ser o nome dele querida?
- Damian. Eu acho tão bonito.
- É, combina com ele. Damian Tamaski.
Dois anos depois uma menina também nasceu no Japão. Ela cresceu em seu lar feliz.
- Mãe, a Euphimea está me mordendo! 
- Pegue o mordedor dela, Elisa, ela ainda é um bebê e seus dentes estão nascendo. 
Ambos moravam na mesma rua em um prédio, um de frente para o outro. Depois ambos se mudaram e foram morar no mesmo prédio. Então o destino os separou novamente. 
Eu estava emocionada com aquilo tudo. A ilusão se desfez e nossas roupas voltaram ao normal. Eu e Damian voltamos a ter nossas imagens de antes.
- Cara que viagem! - exclamou Armin. - Muito doido! 
- Parecia que eu estava em um filme! - exclamou Jenna concordando. 
- Então você realmente é um vampiro? - indagou Nathaniel surpreso se aproximando do Dimitry.
- Sou. Isso lhe incomoda?
- Não, de jeito nenhum. Se bem que é meio estranho.
- Eu adorei a dançar naquele baile, não é Lys? 
- Claro, meu amor.- e ambos começaram a dançar como se ainda estivessem lá.
Eu olhei para Damian emocionada. Ele pelo contrário de Gareth não era enciumado. Se  eu quisesse ir embora e ficar com outra pessoa ele permitira mesmo sentido toda aquela dor. Damian pegou em minha mão, beijou a palma e colocou em seu rosto. 
- O que você está sentido? Está arrependida de ter me escolhido? 
- Não, não estou. Agora todos estão sabendo, né?
- Eles precisavam. Foi a melhor maneira de explicar o porque de você ser somente minha. - e inclinou me beijando. 
Castiel mal humorado se encostou na janela e ficou nos observando de braços cruzados. Sua aura de ódio era bem intensa. Ichigo se aproximou encostando-se ao seu lado.
- Nossa, essa história foi bem longa e perturbadora. Fiquei cansada. - Castiel permaneceu em silencio viajando em seus pensamentos. - Eu estou falando contigo Castiel. 
- Hum? Hã? O que foi?
- Er... deixa pra lá. - pediu sem graça saindo. 
- Vem cá, você é aluna nova, não? - fez ela parar.
- Sim, me chamo Ichigo.
- "Morango"?
- Isso mesmo e você é o Castiel, não é? - indagou com um sorriso.
- Sou. Sou bem famoso na escola.
- É... sua banda de rock é boa mesmo. - ele ficou surpreso, pois iria dizer pelas confusões.
- Então você aprecia rock? - falou saindo ao notar que todos estavam indo embora, ela o acompanhou.
- Aprecio sim. 
- Legal. Não quer um dia ouvir eu tocando?
- Claro, eu adoraria. - respondeu corando e muito feliz.     

(Quer saber mais da história da Revolução Francesa? Então assista o anime chamado Rosa de Versalhes ou Versailles no Bara.)

Esse link leva o último capítulo que é o resumo do desenho:
http://www.anitube.se/video/14796/Versailles-no-Bara-41-Final-AVALON


























{ 46 comentários... read them below or Comment }

  1. Nossa! Demais! O_O nem sei como explicar minha reação...

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Obrigada. Vc é a Miele, ok?

      Excluir
    2. Ah! E o RPG mocinha? Quando irá postar? O Tani está sentindo sua falta. u.ú

      Excluir
  3. ha AMEIIIII muitoo bom :D

    ResponderExcluir
  4. Euphi e Castiel são lindos juntos ruun' shushu'
    ADOREI O CAPITULO .
    MAS CAST NAO PODE NAMORAR A ICHIGO Ú.Ú

    ResponderExcluir
  5. Nossa que incrível, estou completamente perplexa com o capitulo ficou divino vc escreve muito bem!!!! bjs

    ResponderExcluir
  6. aí caramba, eu to morrendo de medo desse Damian, algo me diz que ele é yandere, além de que eu preferia que a Euphi ficasse com o Dragon, ele é fofo e menos perigoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também tenho medo desse tal de Damian, ele é sombrio e misterioso, isso me da medo,achou que ele num é coisa boa.

      Excluir
  7. MT legal e linda a história.
    A única coisa q não gostei mt foi do Castiel dando em cima de outra.Ele combina mas com a Euphimea.
    Espero q eles voltem a namorar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo cntgo acho que se eles naum voltarem naum vou mais ler , isso me decpeciona , quase dei um treco quando ela se entrego para o damian , ela tinha que ter se entregado para o castiel , ta que o damian passou anos atras dela , mas eu naum consigo engoli ele eh estranho e isso me assuta

      Excluir
  8. Ficou muito bom *--* Mais o Castiel não pode namorar a Ichigo u.u

    ResponderExcluir
  9. Adorei vc escreve muiito..

    ResponderExcluir
  10. comecei a ler que foi semana passa da não consegui parar quero que continue pq se não vou morrer de coriosidade te amooooooooo e parabens é disso que precisamos de escritoras assim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por causa desse sucesso que estou escrevendo um livro.

      Excluir
    2. poderia apresar um pouco o proximo cap?



      -Yuki

      Excluir
  11. AMEII DAMIAN E EUPHI P.E.R.F.E.I.T.O LINDDOOO MIL VEZES ELESS *_* Ta mtmt bom o cap

    ResponderExcluir
  12. Status:Esperando ansiosamente pelo próximo capitulo.

    ResponderExcluir
  13. Por favor Euphi posta maaaaaaais! Eu não consigo parar de ler! Já li para aí 1000000 vezes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb ñ! Fica com o Tiel, Euphi! Por favoooor!

      Excluir
  14. Legal, como você faz os personagens com essa roupa ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Photoshop e o figurino de Will o Wisp, Edel Blue e Silver Rain.

      Excluir
  15. Por favor, posta mais Euphi; essa história está d+! O q vai acontecer com a Euphi, o Dam... a história tem q continuar!!! POR FAVOR!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai ter continuação. Mas estou demorando por causa do jogo de paquera que estou fazendo chamado.
      Shinsengumi Sakura no Toki. E um livro chamado A Árvore de Prata.

      Excluir
  16. AMEII o seu trabalho , mas uma pergunta: Quando sair a continuacao euphi vai ficar com castiel ?

    ResponderExcluir
  17. Adooro seu trabalho, vc escreve tão bem suas palavras são como imã que fazem a gente viajar no mundo da Euphimea, quando leio parece que eu eu to na história adorro msm e to ansciosa para ler seu livro *--*

    ResponderExcluir
  18. ta muito bom , mais eu queria que ela ficasse com o castiel ! ela vai ficar com ele ? porfavor me responde ja eh a segunda vez que eu pergunto

    ResponderExcluir
  19. não acabou é?me diga que ainda tem mais pff

    ResponderExcluir
  20. Ola euphi adorei a fic, qndo vc vai posta mais?! anciosa pelos proximos capitulo muito bomm. Mais o Castiel não pode namorar a Ichigo, volta com ele por favor u.u

    ResponderExcluir
  21. Devido de um problema no blog, não está salvando nada. Se persistir o problema eu não sei o que irei fazer.
    Mas... tb estou escrevendo outra fã fic chamada Friends Conflict, onde serei disputada por Lysandre e Castiel.
    Porém essa será publicada no AD.
    Bj. :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poucha intão se o problema continuar vamos fica sem saber oq acontece :/ ?!
      como faço pra ver a sua nova fic?!

      Excluir
    2. Aqui está o link: http://www.amordoce.com/forum/t19780,1-varios-friends-conflict.htm#p2232235

      Excluir
    3. vlw Euphi vou começar a ler agora msm ;)

      Excluir
    4. Oi euphimea eu adoro a fic mais eu não consigui ver o link que vc passou nos comentarios abaixo por favor vc pode me passar o friends conflict eu não consigo parar de pensar nos próximos cap vc já criou outro blog por favor me respondi te adoro

      Excluir
    5. No momento tirei do AD para que a fic não seja fechada.
      Dedicando amo meu livro desculpe.

      Excluir
  22. quando vc vai voltar a postar? já faz tempo... aguardando, a tua fic é a melhor!

    ResponderExcluir
  23. A Euphi tem que ficam com o Dam, melhor que aquele idiota do Castiel, ele só não é mais otário porque não é dois. Pronto falei. Posta mais, adoro a fic. #BeijosSociedade.

    ResponderExcluir
  24. Continuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa vai !

    ResponderExcluir
  25. Pâmela:
    Nossa! Foi muito lindo, adorei faça mais! faça! x3

    ResponderExcluir
  26. Eu amei!!! Acho que so eu estou torcendo pra Euphi ficar com o Damian? Parabéns eu amei estou completamente viciada!!!

    ResponderExcluir
  27. Ual, ficou incrível Euphy-chan.*--*
    Adorei o Castiel no final.=3
    Espero que você fique com o Damian, ele é muito kawaii.^-^
    ~Muitos kissus
    -IchigoAmano

    ResponderExcluir

Por favor não me cobrem quando irei postar.
E por favor respeitem as opiniões e não comentem coisas que podem ser construtivas, pois elas soam como critica.
Obs: Essa ideia é protegida pela lei 9610 de 19/02/1998, qualquer cópia ou rescrição da mesma como plágio, repete a punição conforme consta em lei.
Ou seja, eu sou a criadora, eu sou a única dona.

- Copyright © Amour Glacé - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -